Vem aí

Prévia: Starlink: Battle for Atlas (Switch) é uma ousada e criativa aposta da Ubisoft

Com um toque Nintendo em sua versão para Switch, o toys-to-life da companhia francesa quer provar que Atlas é o espaço para criatividade.


Na última década, a categoria de toys-to-life foi do ápice ao declínio. Destacando-se principalmente com Skylanders da Activision, Disney Infinity, os amiibo da Nintendo e LEGO Dimensions, a ideia central era utilizar pequenos bonecos para transportá-los para dentro dos jogos. A criatividade rendeu milhões, bilhões de dólares para algumas companhias, mas, ao mesmo tempo, a estagnação e a falta de inovação levaram ao fim da brincadeira.

É irônico pensar que apenas os amiibo sobreviveram. As figuras interativas da Nintendo apresentam uma proposta um pouco diferente dos outros toys-to-life. São raros os jogos em que é literalmente possível controlar o personagem representado pelo boneco, a maioria deles apenas os utiliza com a função de desbloquear conteúdos cosméticos. Os amiibo existem porque a Nintendo foi esperta o bastante em adaptá-los para serem compatíveis com vários jogos e em instigar o colecionismo de seus carismáticos personagens. Não sabemos o porquê, mas gostamos de ter (e de exibir) várias versões do Link e do Mario em nossas estantes.



Talvez seja por essas razões que Starlink: Battle for Atlas se trata de uma ousada aposta. O jogo espacial da Ubisoft, que será lançado para Nintendo Switch, promete recuperar e inovar o ambiente dos toys-to-life, além de mostrar que ainda há espaço para a criatividade.

Universo de combinações

Na sua essência, Starlink: Battle for Atlas é um jogo de ação e aventura que colocará os jogadores para explorarem o sistema de Atlas. Como parte da frota Equinox, será preciso impedir que Grax, o líder de um grupo conhecido como Legião Esquecida e que consome tudo em seu caminho, obtenha uma antiga tecnologia da extinta raça de Guardiões e ameace todas as formas de vida do sistema estelar.



Uma das premissas do jogo é a exploração em mundo aberto. Ou melhor dizendo, de universo aberto. O jogador possuirá liberdade para se aventurar em qualquer um dos sete planetas do sistema Atlas pilotando uma nave e podendo entrar ou sair deles a qualquer momento. É claro que será preciso cumprir inúmeros objetivos, como escanear criaturas, transportar objetos ou ajudar habitantes dos planetas, mas conhecer e apreciar os diferentes ambientes e as mais diversas espécies alienígenas certamente serão atividades frequentes no game. Mesmo assim, o que mais chama a atenção em Starlink é a forma de interação dos jogadores com a jogabilidade.

A principal inovação de Starlink: Battle for Atlas promete ser a presença dos toys-to-life. A versão física do jogo virá acompanhada de um pacote que inclui um suporte para encaixar o controle, naves, as figuras de personagens e armas. Ao acoplar o personagem e a nave nesse suporte, ambos aparecerão instantaneamente no seu jogo. É importante ressaltar que a Ubisoft já adiantou que essas peças modulares não são obrigatórias. Quem optar por comprar a versão digital de Starlink terá acesso às mesmas naves, armas e pilotos in-game que acompanham o pacote da versão física, podendo equipá-las diretamente no menu de pausa. Aqueles que curtem colecionismo, poderão comprar peças adicionais que serão vendidas separadamente.


Dessa forma, as batalhas de Starlink se tornam interessantes e com elementos de estratégia. Tanto os confrontos no espaço sideral quanto nos planetas permitem a troca de pilotos, naves e armas a qualquer momento, e o jogador precisará escolher as melhores opções diante das diferentes situações. Por exemplo, caso se depare com torres inimigas que são resistentes aos disparos de gelo, basta remover a arma da nave modular, acoplar a de rajadas de fogo e ver a troca instantânea na tela. Descobrir a melhor estratégia para derrubar os rivais fará parte da jornada.

E não são apenas as armas que alteram a interação com o jogo. Uma das possibilidades de Starlink é oferecer ao jogador a liberdade de escolher seu personagem favorito e acompanhá-lo pela jornada espacial. Os diálogos de Starlink serão todos adaptados de acordo com o piloto e mudarão conforme a personalidade dele. Além disso, as estratégias de batalha também englobam as naves. Como cada uma delas possui características únicas, basta trocá-la para ganhar vantagens nos confrontos espaciais. Haverá uma infinidade de possibilidades.


Elite espacial

Conheça a tripulação e suas respectivas naves interestelares que fazem parte da iniciativa Starlink:

St. Grand

Capitão da nave-mãe Equinox, Victor St. Grand é um gênio astrofísico que adora aventuras e criou seu esquadrão logo após encontrar um alienígena que caiu na Terra. A trama do jogo se desenrola após ele ser raptado pela Legião Esquecida.

Mason

Um inventor brilhante, Mason Rana é o mais novo recruta. Ainda assim, é o responsável pela tecnologia Starlink que permite à equipe trocar de piloto, armas e naves com extrema facilidade. Ele pilota a potente Zenith, ideal para suportar maquinário pesado.


Chase

Calisto Chase da Silva é uma adolescente bastante competitiva e animada. A representante brasileira da equipe perdeu um braço e uma perna em um acidente, mas sua energia por aventuras ainda está intacta! Pulse, sua nave modificada com motores de corrida, é extremamente veloz.


Hunter

Após sofrer um acidente em sua última jornada, Hunter Nakka está um uma missão espiritual. Nascido em Samoa, é descendente de guerreiros e ex-soldado de operações clandestinas. Com Lance, seu caça ágil e manobrável, se torna quase imperceptível na escuridão do espaço.


Judge

St. Grand encontrou esse poderoso alienígena no Polo Norte da Terra. Judge está na missão para descobrir mais sobre si mesmo e em busca de seus criadores. Sua nave Neptune, nomeada em homenagem ao planeta Netuno, é resistente e perfeita para encarar rivais menores.


Shaid

Após passar anos roubando cargas preciosas de perigosos grupos pela galáxia, a pirata espacial Shaid se uniu à equipe em busca de vingança contra Grax. Sua nave é Nadir, nomeada em homenagem à sua mãe, um veículo originalmente de passageiros que ela roubou e modificou para torná-la resistente e rápida.


Razor

Exigente e disciplinada, Razor Lemay é a responsável pela manutenção da Equinox e pelas estratégias de combate da equipe. Talentosa, ela também possui treinamento como piloto de caça.

Levi

Atleta e estrela da internet, Levi McCray entrou escondido na Equinox apenas para ganhar atenção dos seus seguidores. Entretanto nem ele poderia imaginar que sua falta de limites o levaria para bem longe.


Fox

Exclusivo da versão de Nintendo Switch, Fox McCloud dispensa apresentações. Líder da equipe Star Fox, o raposão é um piloto de primeira e defensor de Lylat System. Sua nave é a famosa, ágil, eficiente e extremamente poderosa Arwing.

Do a Barrel Roll!

O principal atrativo da versão para Nintendo Switch é a presença de elementos da série Star Fox. A trupe do jogo espacial da Big N está confirmada, inclusive o vilão Wolf, com missões exclusivas no console híbrido. O pacote iniciante do Nintendo Switch, vendido por 74,99 dólares nos Estados Unidos (aproximadamente R$ 304,00) incluirá os seguintes itens: cópia física do jogo, o Joy-Con Mount (suporte do controle), as naves Arwing (física), Zenith e Retalhadora (digitais), as figuras de Fox McCloud e Mason Rana e as armas Lança-Chamas e Rajada de Gelo. Estamos ansiosos para ver a integração do universo de Star Fox em Starlink.

Espaço de personalizações

Para não se sentir sozinho no universo, um modo multiplayer local foi confirmado. Você poderá jogar com mais um amigo em tela dividida e utilizando as mesmas naves e armas presentes no pacote inicial. Isso significa que se você comprar a versão física do jogo, o segundo jogador terá acesso à mesma nave em formato digital e poderá dar aquela força nos confrontos.

Starlink: Battle for Atlas também trará um sistema de upgrades. Será possível subir os níveis dos pilotos, sendo que cada um terá uma árvore de habilidades individual e um poder especial devastador para ser utilizado em momentos críticos nas batalhas. O interessante é que os equipamentos das naves também poderão receber melhorias através do sistema de modulação. Coletando os mods espalhados pelos planetas, o jogador poderá equipá-los para aumentar atributos como velocidade, manejo, escudo e energia. Explorar os planetas em busca desses modificadores certamente será recompensador.


O universo dos games é um espaço para a criatividade, e a Ubisoft está arriscando com Starlink. A aposta na liberdade de personalização, exploração e interação tornam o título bastante atrativo, principalmente na versão para Nintendo Switch ao aproveitar o universo de Star Fox. Com ousadia e personalização, Starlink: Battle for Atlas pode inovar e resgatar não apenas a mania dos toys-to-life, mas também uma das grandes franquias da Nintendo. Queremos dar um novo passo (ou seria um novo voo?) na brincadeira com navezinhas e fazer muitos Barrel Rolls!
Starlink: Battle for Atlas — Switch
Desenvolvimento: Ubisoft
Gêneros: Ação/Aventura
Lançamento: 16 de outubro de 2018
Expectativa: 4/5
Revisão: Luigi Santana

Alex Sandro de Mattos é formado em Gestão de TI. Entre se aventurar por Hyrule e se perder em Silent Hill, gosta de publicar fatos interessantes e bobagens no Nintendo Blast. Pode ser encontrado jogando games 2D e também no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook