Hands-on

BGS 2018: Testamos Pokémon Let's Go Pikachu/Eevee (Switch) em primeira mão

Em uma demonstração fechada, tivemos acesso ao novo jogo da franquia Pokémon que chegará ao Switch em novembro.


É interessante como sabemos, ao mesmo tempo, muito e pouco sobre Pokémon Let’s Go Eevee & Pikachu. Sabemos sobre o sistema de jogo simplificado em relação ao das últimas gerações e que ele terá como base o Pokémon Yellow original do Game Boy, mesmo que vagamente. A um pouco mais de um mês do lançamento do título, prestigiamos na Brasil Game Show 2018, em primeira mão, uma demo de oito minutos do próximo game de Pokémon para o Switch.


Nossa compacta aventura tem início na Viridian Forest. O Professor Oak aparece perguntando se nós podemos ajudá-lo em uma espécie de reconhecimento do local. Respondi “não”, só para ver o que acontecia, uma vez que a demo poderia simplesmente se encerrar ali. Como de costume, a maioria dessas opções são scriptadas somente na intenção de criar uma ilusão de poder de arbítrio para o jogador e a minha escolha não serviu para nada, visto que o professor me mandou para o trabalho do mesmo jeito com a justificativa de que o meu parceiro Pikachu queria.

Nisso, estamos livres para vasculhar o mapa fechado. Até aqui, não é nada de diferente do que já não vimos em materiais prévios do game. Os Pokémon não são mais encontrados de maneira aleatória nos famosos “matinhos”, eles aparecem no próprio mapa e não podem ser confrontados em batalha, apenas capturados, similar ao Pokémon GO. Na demo que tivemos acesso, a fauna de Pokémon era considerável. Além de Pidgey e Rattata, também era possível encontrar Bellsprout, Nidoran ♀, Eevee, Psyduck, Oddish, Meowth e Jigglypuff — se existiam outros, é provavelmente porque eles não apareceram durante nossa jogatina.

Tivemos a oportunidade de batalhar contra alguns treinadores. Foi quando pudemos utilizar os novos golpes chamados Partner Power. Enquanto na versão da demo em que tínhamos o Eevee como parceiro ficamos restritos ao Sizzly Slide, o seu golpe de fogo. Na demo com o Pikachu, nós tínhamos acesso a um golpe especial baseado no Sky Dash chamado Floaty Fall, a técnica que substitui o HM Fly e é baseada no Pikachu Balonista, que muitos irão se lembrar de sua pequena aparição em Pokémon Snap (N64).
Além de Pokémon Snap, o Pikachu que voa com o auxílio de balões também apareceu em algumas expansões do TCG
A maior das novidades que pudemos testar com exclusividade é a Poké Ball Plus. Ela, na prática, em gameplay, é como controlar o jogo com meio Joy-Con, com uma mão, apenas. São apenas dois botões (o analógico pressionável que funciona como A e um botão na parte de cima que age como o B). Além disso, tem o sensor de movimento que age da mesma forma que o do controle original do Switch durante as capturas.

O adicional é que toda vez que ele um Pokémon é capturado, uma luzinha diferente brilha sob o analógico, referente à sua cor. Provavelmente isso se repete quando transferimos algum dos monstrinhos ao periférico para passearmos por aí com ele como companhia, ajudando inclusive a servir de indicativo para termos noção de justamente qual Pokémon está lá dentro.

Tecnicamente, é um jogo competente. Apesar de ter uma modelagem de mundo 3D, o level design ainda é poligonal num estilo próximo aos dos 16-bit, similar ao Pokémon X/Y e algo que até Sun/Moon já abdicou a essa altura do campeonato. Há detalhes interessantes que surpreendem, como as texturas utilizadas que podem até parecer comuns nos vídeos de divulgação, mas na televisão saltam aos olhos — provavelmente consequência do costume do visual dessaturado dos games de 3DS. É notável também um leve serrilhado nos modelos dos Pokémon em batalha, mas isso possivelmente só acontece com o console no Dock.

Apesar dos fãs — e nós da imprensa incluídos — terem criado um clima apocalíptico a respeito do título, é notável que, com a demo em mãos, deu para perceber com mais clareza de que não se trata do fim do mundo. Provavelmente perderemos algumas horas consideráveis quando o jogo sair, mas  muito dificilmente será considerado um lançamento avassalador. Pode ser que ele se torne um passatempo interessante e completamente descompromissado até o vindouro game já anunciado da oitava geração.

João Pedro Boaventura é jornalista formado pelo Mackenzie e pós-graduado em teoria da comunicação (como se isso significasse alguma coisa) pela Cásper Líbero. Não perde a chance de usar conceitos acadêmicos para discutir sobre videogame. Se você realmente gosta das groselhas que ele escreve, pode ler mais um pouco de suas asneiras em seu blog particular.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook