Seleção 2019: novas vagas na equipe do Nintendo Blast! Redação, revisão, design, social media, e podcast. Saiba mais e participe!
Jogamos

Análise: Desert Child (Switch) coloca o jogador na pele de um piloto malandro em busca da glória

Faça o que for necessário para ser o melhor!



Não é fácil nem barato ser um piloto de hover bike. Principalmente se você está no abandonado planeta Terra e não em Marte, onde tudo acontece. Esse é o futuro imaginado por Oscar Brittain, e o personagem desse universo que ele quer colocar no controle do jogador é um pobre piloto que participa de corridas pequenas para sobreviver. Após conhecer um corredor experiente ele é convidado a ir para Marte participar de um campeonato com os melhores esportistas do ramo. É a partir desse ponto que a história começa.

Para ser o melhor 



Com o início na Terra, para evoluir a carreira, o corredor controlado pelo jogador precisa juntar dinheiro ganhando corridas e vendendo os itens que ele consegue como prêmio. Ao mesmo tempo, o protagonista precisa gastar com manutenção da moto e com a alimentação, ambos cruciais para o desempenho. Mais tarde, o personagem consegue ir para Marte, onde o jogo realmente começa.

Ao mudar o cenário, os custos aumentam e as formas de lucrar também. O protagonista agora precisa juntar uma grande quantia de dinheiro para participar do Grande Prêmio. No novo cenário, a moto pode ser customizada para ter um desempenho melhor e que agrade ao perfil do jogador. As peças podem ser compradas ou roubadas de outros veículos que estão dando sopa pela cidade. O personagem também tem serviços variados para conseguir dinheiro além da corrida. Sejam lícitos ou ilícitos, existe uma variedade de trabalhos que usam a mecânica de corrida do jogo. As opções vão de entregar pizza, entregar a corrida, prender bandidos e muitas outras.



É interessante passear e ver como as coisas mudam de acordo com o tempo. Há algumas missões que só estão disponíveis em dias ensolarados, por exemplo. As motos estacionadas, esperando para serem violadas, aparecem aleatoriamente pela cidade. Infelizmente, a viagem para encontrar os locais de interesse são demoradas. A cidade do planeta vermelho é bem grande e o personagem precisa ir a pé para os locais de interesse. Não existe um mapa, nem a opção de usar a moto. São necessárias algumas horas de caminhada demorada para aprender as localidades da cidade.



Todos as atividades extras precisam ser bem aproveitadas, pois são o que fazem o jogo ser divertido. Existem poucas corridas que fazem a história ir para frente. A campanha é curtíssima e o que pode demorar para completá-la é o tempo que cada jogador vai gastar para conseguir o dinheiro necessário para participar do campeonato.

Tirando a carteira. 

A corrida é o coração do jogo, todos os serviços feitos são em cima de uma moto, ou bicicleta. A mecânica é simples: o movimento é lateral em um ambiente 2D. O jogador pode controlar o veículo  para perto da tela ou mais distante criando uma sensação de profundidade 3D, como os jogos Final Fight ou Streets of Rage. A moto possui um boost que aumenta sua velocidade e precisa de um tempo para recarregar. Ela também pode disparar projéteis para atingir os adversários e possui vários tipos de tiro que podem ser selecionados antes do jogo começar, como laser, shotgun ou machinegun. A pista possui obstáculos de acordo com o local da corrida, como por exemplo pedras e cactos em um deserto. Há também uma espécie de televisão que, ao ser atingida, aumenta a velocidade da moto ou derruba dinheiro.



As partidas se resumem a praticamente esquivar dos obstáculos, atirar nas televisões para melhorar sua velocidade e também atingir os inimigos para diminuir a deles. Mesmo simples, esse conceito consegue ser divertido, ainda mais com algumas variedades de serviços que ajudam a mudar a forma como você pilota sua hover bike.

Chegou rápido ao fim 


Desert Child possui uma mecânica divertida de corrida com gráficos em pixel art simples, mas que conseguem destacar os diferentes elementos do jogo. Infelizmente, o game é rápido e não consegue incentivar o jogador a ficar e se divertir mais. Também não apresenta nenhum desafio: as corridas e os serviços são fáceis de se concluir e tudo que precisa ser feito é esperar a quantia necessária para participar do Grande Prêmio.

Pró

  • As corridas são divertidas.

Contras

  • Campanha curta;
  • Personagem se move devagar pela cidade;
  • Muito fácil.
Desert Child – Switch/PC/XBO/PS4 – Nota: 5.0
Versão utilizada para análise: Switch
Revisão: André Carvalho
Análise produzida com cópia digital cedida pela Akupara Games 
João Victor escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook