Jogamos

Análise: ROCKETS ROCKETS ROCKETS — foguetes, foguetes e mais foguetes no Switch

Se você gosta de foguetes e possui alguns amigos que dividem esse hobby, esse jogo certamente é para você.


ROCKETS ROCKETS ROCKETS pode não ser um jogo tão memorável, mas o título certamente merece algum prêmio — nunca na história da humanidade o nome de alguma coisa descreveu tão bem a experiência proporcionada por ela quanto esse jogo sobre foguetes da Radial Games. A simples repetição da palavra "foguete" em letras garrafais, sem vírgulas e sem qualquer floreio adicional, já diz tudo, acredite.

Tantos foguetes quanto o título sugere 

ROCKETS ROCKETS ROCKETS faz parte de um gênero de jogos indie que preza pelo visual colorido, trilha sonora eletrônica de qualidade e uma experiência focada no multiplayer, como alguns outros que surgiram nos últimos anos — jogos descomplicados e com uma apresentação agradável que, embora não fiquem marcados em nossas mentes para sempre, com certeza conseguem entreter por algum tempo — especialmente jogando com amigos, é lógico.



Muita coisa acontece na tela ao mesmo tempo em ROCKETS ROCKETS ROCKETS. Os comandos são simples e o objetivo tanto quanto: explodir os outros foguetes voando ao seu redor, que podem ser amigos ao seu lado (pois é, nada de modo online, amiguinhos) ou a boa e velha máquina. Você controla um foguete com três vidas, representadas por corações voando ao seu redor, que possui a capacidade de disparar outros "mini-foguetes" pela frente, minas por trás e bombas por baixo, além de um escudo que pode ser ativado com os botões L e R. Adicionalmente, segurando o respectivo botão de cada arma por um segundo, você ativa o modo burst fire — uma chuva de projéteis coloridos que adiciona ainda mais elementos ao clima já bastante frenético e psicodélico das partidas.

Os seis tipos de mapa disponíveis acrescentam certa variedade à fórmula dos combates, variando de um espaço preto sem absolutamente nada ou um cenário em forma de "torre" totalmente vertical até um campo de esteróides onde você precisa desviar constantemente desses projéteis espaciais — o que pode ser bastante desafiante, dada a natureza um tanto intensa do título. As áreas são enormes e compostas por formas geométricas em um fundo infinito 3D e, em meio a todos esses elementos, o seu foguete voa enquanto dispara uma grande variedade de projéteis policromáticos em outros foguetes disparando uma quantidade similar de projéteis policromáticos simultaneamente. Sim, uma loucura meio difícil de acompanhar, mas uma loucura interessante. 



ROCKETS ROCKETS ROCKETS praticamente acaba por aí em relação ao conteúdo oferecido, com a exceção de um modo torneio bem "basicão" e um modo zen para somente um jogador, em que você simplesmente voa por aí dando uma olhada no espaço geométrico e curtindo a trilha sonora que se encaixa perfeitamente à essa vibe neon frenética do título. Já que muita coisa acontece na tela, o próprio jogo recomenda que o modo para quatro jogadores seja jogado em uma tela GRANDE, ou melhor, se você quiser entender alguma coisa, Switch na dock.

Se você procura um jogo mais party para jogar entre amigos, ROCKETS ROCKETS ROCKETS pode ser uma pedida interessante, no entanto a fórmula desgasta rápido — a não ser que você e seus amigos gostem MUITO MUITO MUITO de foguetes, se esse for o caso, podem jogar sem medo.


Prós

  • Multiplayer divertido; 
  • Trilha sonora bacana;
  • Visual colorido e interessante.

Contras

  • Single player praticamente inexistente;
  • Falta de modo online;
  • Enjoa rápido.
ROCKETS ROCKETS ROCKETS — Switch/PC — Nota: 6.0

Versão utilizada para análise: Switch 
Revisão: Luigi Santana 
Análise produzida com cópia digital cedida pela Radial Games
Raoni Pinheiro escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook