Jogamos

Análise: Mother Russia Bleeds (Switch) é um side-scrolling de respeito

Sanguinário e desafiante, o arcade soviético não fica no marasmo por um minuto sequer.




Imagine estar em uma Rússia de um mundo paralelo, dominada pela União Soviética e você é um lutador de rua! Bem, Mother Russia Bleeds é isso e muito mais, o game bebe na fonte dos arcades clássicos ao estilo de Final Fight (Arcade) e Double Dragon (Arcade).

Lutadores de rua

Os nossos heróis, se é que podemos chamá-los assim, são um quarteto de lutadores de rua de ascendência romani, etnia minoritária bastante perseguida na Europa, que estavam em mais um dia normal de pancadaria por uns trocados até que são enquadrados pela polícia russa.

Ao acordarem, estão presos em um laboratório no qual têm que lutar para fugir e conseguir acertar suas contas com a pessoa responsável por usá-los como ratos de laboratório a uma droga injetável chamada Nekro; que lhes proporciona uma força sobre-humana e capacidade de regeneração.

Nisso o jogador se envolve com o grupo em meio a socos e chutes na busca por respostas e vingança. Aos poucos a história se desenrola em um enredo violento com tons conspiratórios e políticos, embalados em um tom bastante adulto e sanguinolento.

A história neste game é, de certa forma, rasa e com pouco espaço para desenvolvimento, mas isso é passável, já que se assemelha demais com as histórias que víamos em games arcade. A produção do game é tão ciente que a história está em segundo plano que é possível pulá-la desde a primeira luta.

Para descer o braço com a galera

O jogo desde o início dá foco total à sua jogatina, o jogador pode escolher em treinar e aperfeiçoar seus combos na Arena, onde é possível desbloquear variantes da droga Nekro, cujo efeito varia. A História segue o estilo do modo único presente nos arcades, cenários lineares em 2D, no qual uma horda de inimigos surge a cada segundo para fazer o jogador destruir os botões de seus controles.

O jogo possui uma dinâmica incessante e dificuldade elevada, que pouco difere se você mudar para o modo mais fácil ou difícil, tanto que concluí-lo sozinho é uma tarefa para lá de difícil. Este é um jogo que implora para o jogador aproveitar que o Switch já vem com dois controles nele e chame pelo menos uma pessoa para quebrar crânios junto. É possível jogar em até quatro pessoas localmente. Não há modo online, mas, se pensarmos bem, os arcades também não o tinham.

A violência e a zona são os verdadeiros pilares desse título, tanto que é possível habilitar o ‘fogo amigo’ que possibilita os jogadores baterem em seus companheiros de porradaria, o que poderia acontecer em uma briga de rua de verdade e com a quantidade frenética de inimigos que aparecem na tela, acertar um colega ao invés de um oponente é bem fácil.

Mas não se engane, a camaradagem é também o foco do game, tanto que se um jogador for abatido, os outros podem salvá-lo injetando o Nekro que possuírem ou dando parte de suas barras de vida para revivê-lo, assim o quebra-pau, e as amizades, não acabam.

As mecânicas de ataques são bem desenvolvidas, há uma infinidade de golpes e combos que o jogador pode experimentar e a parte mais legal é descobri-los enquanto joga. Cada um dos personagens possui uma característica específica dentro das habilidades: força, velocidade, alcance e pulo. São exatamente quatro disponíveis logo de início, o jogador pode escolher o que mais se encaixa com o seu estilo ou preferência na hora de jogar.


O título apresenta um visual bem retrô e uma estética vintage que fará qualquer jogador que passou pelos arcades delirar de nostalgia. Ainda é possível mudar o filtro do jogo para que pareça estar em uma televisão de tubo, tudo para tornar a experiência ainda mais nostálgica.

O único ponto negativo nesse título está na entrada dos inimigos nas arenas: eles sempre aparecem nas laterais das telas, o que é totalmente normal, porém, mandá-los para fora do campo visível na tela é bem fácil e acaba que toda a ação se fecha nas bordas da tela, enquanto o meio das arenas ficam vazias. Mas é só avisar seus amigos a não correrem desesperados para as bordas da tela, sempre haverá alguém para descer o braço, nem que seja seu amigo.

Por fim, não há muito o que acrescentar sobre Mother Russia Bleeds, é aquele jogo que reúne a galera para zerá-lo, pois a dificuldade é tremenda, mas suas mecânicas e dinamismo tornam a jogatina frenética e seu bom humor nada inocente unido da bagunça levam ao rosto dos jogadores um sorriso bangela.

Prós

  • Estilo arcade nostálgico bem executado;
  • Nível de dificuldade desafiante;
  • Foco em jogatina multiplayer;
  • Movimentos bem adaptados aos controles do Switch;
  • Localização para vários idiomas, incluindo o português.

Contras

  • Falta de modo online;
  • Problemas com a disposição dos inimigos na ação.
Mother Russia Bleeds - Switch/PC/PS4 - Nota: 8.0
Versão utilizada para análise: Switch
Revisão: Vinícius Rutes
Análise produzida com cópia digital cedida pela Developer Digital
Victor Carozzi escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook