Jogamos

Análise: Assault Android Cactus+ (Switch) — quebrando tudo em um shoot’em up frenético

Controle androides cheias de personalidade e tente sobreviver nesse intenso jogo indie de ação.


Muitos inimigos e destruição por todo lado permeiam os estágios de Assault Android Cactus+, título de tiro e ação do gênero twin stick. Conceitos simples muito bem aplicados e uma boa variedade de estilos de jogo são os seus destaques, sendo que a experiência oferece opções tanto para os jogadores casuais quanto para os mais dedicados. Lançado anteriormente para outros consoles, Assault Android Cactus chega ao Switch em uma versão com novidades.

Destruindo robôs para acabar com problemas

No jogo acompanhamos Cactus, uma androide policial que vai para uma nave após receber um pedido de socorro. Lá ela descobre que algo deu errado com o sistema central de controle, fazendo com que os robôs ficassem completamente descontrolados. Sendo assim, a policial explora o local com a ajuda de outras androides a fim de tentar resolver o problema.

Na cabeça de Cactus “resolver problemas” é sinônimo de “destruir tudo”, e é essa a ideia central do título. Em cada uma das fases, o objetivo é derrotar várias ondas de inimigos por meio das armas das heroínas, sendo que o jogo é um representante do gênero twin stick shooter de visão aérea, ou seja, uma alavanca move o personagem e a outra controla a mira. O conceito principal é bem simples e intuitivo, bastando alguns poucos minutos para entender os comandos.


O grande diferencial do jogo é seu sistema de armamentos. Cada uma das personagens está equipada com duas armas: a principal tem munição infinita e não é muito poderosa; já a secundária apresenta algum projétil poderoso diferenciado, porém seu uso é limitado. Um detalhe importante vem do fato de que as androides se tornam invencíveis enquanto estão alternando entre as armas, o que permite escapar de perigos se o movimento for utilizado no momento certo — dominar essa técnica é imprescindível para conseguir superar as fases mais complicadas.

Fases repletas de inimigos e perigos significa morrer bastante, no entanto Assault Android Cactus conta com uma abordagem diferenciada em relação a vida das heroínas. Ser derrotado não resulta no fim imediato do estágio: a personagem pode ser revivida ao apertar repetidamente o botão de tiro, no entanto, o contador de combo é reiniciado e todas as melhorias de armas são perdidas. A vida de fato é a bateria da personagem, que é drenada lentamente no decorrer da fase, e para recuperá-la é necessário coletar novas baterias derrubadas pelos inimigos. Sendo assim, para sobreviver, é importante acabar com os robôs rapidamente.


A diversão no meio da ação caótica

“Empolgantemente frenético” seria como eu descreveria Assault Android Cactus. Cada um dos estágios do jogo é uma experiência de ação intensa, com inúmeros inimigos e balas preenchendo a tela — é divertido e recompensador conseguir derrotar os robôs ao mesmo tempo em que mantemos um combo longo. Há uma constante sensação de novidade com a adição de novos inimigos e perigos que nos forçam a aprender novos truques, como cachorros robóticos que prendem as heroínas, uma água-viva que lança peixes que nos perseguem, um robô grandalhão que ataca pulando e muito mais.

A característica mais interessante do título é a variedade de estilos de jogo proporcionada pelas diferentes protagonistas: cada uma das nove androides contam com armas e mecânicas distintas. Cactus, por exemplo, é fácil de usar com sua metralhadora simples e seu lança chama poderoso. Já Peanut lança magma à média distância e tem uma broca poderosa que arrasta inimigos como arma secundária. Shiitake ataca de longe com um rifle poderoso, mas tem dificuldade ao lidar com grandes grupos. Os tiros de Lemon cobrem uma grande área ao custo da redução do seu poder. A experiência de jogo muda consideravelmente de acordo com a personagem escolhida e me diverti bastante testando e dominando as várias opções disponíveis.

A aventura de Cactus e suas amigas é bem acessível e tranquila, mas sem deixar de ser interessante para aqueles que gostam de desafio. No geral, o jogo não é muito difícil, principalmente por causa das melhorias abundantes e da mecânica de vida. Claro, há momentos mais complicados, como algumas fases mais para o final da campanha e os chefes, que apresentam até momentos de bullet hell. Terminar as fases não exige muita técnica, porém a situação muda completamente quando tentamos boas notas nos estágios e nos placares online: para conseguir as classificações mais altas é imprescindível destreza e conhecer muito bem as habilidades de cada personagem.

A ação caótica é frequente no jogo e é divertido destruir tudo, no entanto existem alguns problemas. Em alguns momentos, há tantos elementos na tela que é até difícil entender o que está acontecendo. Os projéteis dos inimigos, em particular, são muito difíceis de ver: de cor azul, eles se perdem no meio da ação e é muito fácil ser atingido sem perceber. Acredito que utilizar coloração diferente, como vermelho ou laranja, ajudaria  na clareza das balas dos inimigos. Outro detalhe que incomoda são os estágios: em sua essência, eles são basicamente arenas com características diferentes. Algumas pouquíssimas fases apresentam conceitos distintos, como uma em que precisamos avançar por salas para prosseguir, porém elas não são suficientes para amenizar a leve sensação de repetição que o jogo transmite.


Muitas opções na hora de jogar

Fora a campanha, Assault Android Cactus tem vários outros modos para serem conferidos. No Boss Rush enfrentamos os chefes em sequência, o Infinity Drive conta com um estágio em constante transformação com ondas infinitas de inimigos, já o Daily Drive oferece um desafio diário único que só pode ser tentado uma  vez. Todas as modalidades de jogo podem ser aproveitadas por até quatro jogadores simultâneos (o que resulta em ainda mais caos).

Além disso, vários bônus e modificadores podem ser comprados com dinheiro obtido nos modos. Alguns são somente cosméticos, como filtros visuais, uma opção para fazer a música acompanhar a intensidade da ação e visão isométrica. Já outros oferecem modificações mais profundas: um modo de visão em primeira pessoa (o que muda completamente a experiência de jogo), equipamentos secundários alternativos baseados nas armas básicas das heroínas, e mais. Há até uma galeria com imagens, vídeos e informações dos personagens.


Lançado anteriormente para outros consoles, Assault Android Cactus chega ao Switch em uma versão melhorada, o que explica o Plus do título. Além de ajustes gerais e balanceamento, a edição para o console da Nintendo conta com opções de acessibilidade, como um esquema de mira automática (o que permite jogar com um único Joy-Con) e facilitadores (como reviver as heroínas automaticamente). Com a inclusão desses recursos, o título pode ser aproveitado até mesmo por quem não tem muita habilidade.

A novidade mais interessante e significativa da edição Plus é o modo Campaign+, uma versão mais difícil da campanha. Nela, inimigos poderosos aparecem já nos primeiros estágios e eles são mais agressivos. Para efeitos de comparação, mesmo já dominando muito bem o jogo, tive muita dificuldade em passar dos estágios da primeira área — são tantos inimigos e situações complicadas que qualquer erro é praticamente fatal. A modalidade Campaign+ é uma excelente adição, principalmente para aqueles que procuram uma experiência mais desafiadora.


Um shoot’em up viciante

Muitas explosões e ação ininterrupta fazem com que Assault Android Cactus+ seja uma experiência intensa e muito divertida. Controlar as androides é fácil por causa das mecânicas simples, no entanto há muita complexidade na forma de diferentes tipos de estágios, inimigos e chefes — e conseguir as melhores classificações é uma tarefa complicada. Às vezes a ação fica confusa por causa da quantidade de elementos na tela e a estrutura pode ser um pouco repetitiva, no entanto  diferentes modos ajudam a amenizar os problemas. A versão Plus deixa a experiência mais robusta com a inclusão de uma campanha alternativa, opções de acessibilidade e vários ajustes, o que a torna a edição definitiva do título. No fim, Assault Android Cactus+ é um shoot’em up excepcional, seja sozinho ou com amigos.

Prós

  • Comandos simples e intuitivos;
  • Mecânicas que oferecem diversão para diferentes tipos de jogadores;
  • Grande variedade de estilos de jogo distribuída entre nove personagens;
  • Boa variedade de modos;
  • Opções como mira automática tornam o jogo mais acessível.

Contras

  • Estrutura de estágios pode se tornar repetitiva;
  • Confusão visual atrapalha em alguns momentos.
Assault Android Cactus+ — Switch — Nota: 8.5
Revisão: Vinícius Fernandes
Análise produzida com cópia digital cedida pela Witch Beam

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de boardgames, game music, fotografia e livros.

Comentários

Google
Disqus
Facebook