Jogamos

Análise: Strawberry Vinegar (Switch): uma pequena visual novel de dar água na boca

Uma garota cínica experimenta um pouco do doce sabor da amizade.


Desenvolvido por ebi-hime, Strawberry Vinegar conta a história de uma garota de nove anos e seu contato com uma demônia jovem que subitamente aparece em sua casa. Com várias comidas (doces e salgadas) e uma história simples sobre amizade, o relacionamento entre as duas irá se desenvolver de acordo com as escolhas do jogador.

Uma boa relação se constrói com boa comida


Rie Sakuraba estava fazendo alguns cookies em casa e esperava passar uma semana tranquila sem nada demais acontecendo. No entanto, seu cotidiano corriqueiro é interrompido pela chegada de uma criança demônio chamada Licia Dia Ivlis, que ameaça levar sua alma se não receber comida diariamente.

Esse encontro esquisito se desenvolve aos poucos em uma amizade que pode ser fundamental para a protagonista. Muito séria e responsável, Rie é o tipo de garota que tem dificuldade em se enturmar e que acredita ser muito madura para a sua idade. Um tanto rígida, ela acaba tendo dificuldade para lidar com Licia, que é uma garota muito doce e amável. Esse é o principal ponto do jogo, oferecendo ao jogador formas de agir que irão refletir na relação entre as duas.


Além das duas, o pai e a mãe de Rie também têm bastante espaço na história. Um tanto frágil e submisso, ele cuida da casa, fazendo todos os afazeres enquanto a mulher trabalha como uma atriz semifamosa e bastante popular na região por seu charme e atitude imponente. A maior parte dos outros personagens não apresenta artes próprias, sendo especialmente composta por colegas de Rie, os quais a jovem nem sequer lembra o nome.

Com um elenco reduzido, o jogo investe em artes animadas, com mudanças de expressão, olhos que piscam e roupas diferentes de acordo com a cena. Mesmo com uma história curta para o gênero, o título também conta com várias ilustrações, fazendo até mesmo pequenas animações para elas. Há um enfoque especial nas imagens das refeições, com 22 pratos de comida de dar água na boca, sendo boa parte deles baseados na culinária típica japonesa.

Já nas ilustrações de personagens é interessante ressaltar que o estilo do traço é bastante suave. Isso adiciona leveza às cenas mais relevantes da história e faz com que elas pareçam mágicas, remetendo à pureza da infância. A trilha corrobora com esse tom, mas não faz nada memorável ou que chame atenção em particular. Porém, ainda vale ressaltar a interface gráfica (UI), que oferece uma variedade de opções para a caixa de diálogo, todas apelando para a fofura.


De forma geral, Strawberry Vinegar é uma visual novel cujo conceito é uma amizade que surge pela gula e se desenvolve quando as personagens compartilham refeições. Apesar da escolha de crianças como protagonistas causar algum receio inicial, a obra aborda a pureza da amizade e do amor na infância com classe e de forma bastante honesta. Vale bastante a pena para quem quer uma visual novel curtinha com belas ilustrações e comidas de dar água na boca.

Prós

  • Relacionamento entre as garotas se desenvolve de forma pura e sensível;
  • O traço utilizado reflete bem a pureza do setting;
  • Ilustrações de comida dão água na boca;
  • Opções fofas para a caixa de diálogo.

Contras

  • Trilha sonora não chama a atenção.
Strawberry Vinegar — Switch/PC/PS4/XBO — Nota: 8.0
Versão utilizada para análise: Switch
Análise produzida com cópia digital cedida pela Ratalaika Games
Revisão: Icaro Sousa

é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.


Disqus
Facebook
Google