Jogamos

Análise: Creepy Tale (Switch) é uma aventura curta e pouco memorável com atmosfera de fábula sombria

Com puzzles simples e uma história curta, o jogo tenta se destacar com sua atmosfera, mas não consegue.


Desenvolvido por Deqaf Studio, Creepy Tale é um jogo de aventura focado na resolução de pequenos puzzles para avançar. Apesar da atmosfera de fábula sombria ser bem executada, o título não oferece nada que o torne particularmente interessante.


Um passeio por uma floresta sombria


Enquanto caminhavam pela floresta, o protagonista vê o seu irmão ser levado por criaturas sombrias. Agora ele terá que encontrar uma forma de resgatá-lo. Para isso, será necessário se infiltrar em áreas perigosas, aprendendo a se esconder e usar o que está no cenário para progredir.

O que mais chama a atenção é o tom da obra. O visual é mais marrom, com um aspecto desenhado à mão cujos traços lembram ilustrações de fábulas antigas. A trilha sonora também corrobora com essa perspectiva, com bom uso de silêncio e pequenas músicas que acentuam o tom sombrio da obra.

Infelizmente, nenhum outro aspecto do jogo é particularmente interessante. Trata-se do esperado de uma obra de aventura tradicional: cada área tem alguns pontos interativos e o jogador irá avançar quando pegar todos os itens e concluir as tarefas necessárias.


Apesar do jogo contar com múltiplas opções de línguas, os únicos textos presentes são os títulos dos capítulos e o menu. Para saber o que fazer, o jogador conta com pequenas dicas visuais, seja através de elementos do cenário ou de pequenos balões que podem aparecer na cabeça do protagonista.

Nem sempre isso é suficiente, então indicadores de quais são os objetos com os quais o jogador pode interagir são importantes para evitar o problema comum do gênero de ficar perdido pelo cenário. Para lidar com isso, o jogo oferece em suas configurações um sistema opcional de “dicas”, que são justamente esses indicativos de interação. Curiosamente, o jogador não pode alterar nenhuma opção fora do menu inicial, o que faz com que seja necessário sair do jogo para ativar as dicas ou mexer no som.

Como o jogo é bastante simples, com poucas situações mais complicadas próximo do final, o natural é que o jogador gaste por volta de 1 hora para concluir tudo, sendo possível concluí-lo em uma única partida. Apesar de não contar com um sistema de save, é possível selecionar um capítulo para continuar o jogo no menu.


De forma geral, apesar de Creepy Tale representar de forma razoável o gênero e não ser um jogo ruim, ele também não apresenta nada de especial. Seus puzzles são simples demais e sua atmosfera sombria não é suficiente para tornar o jogo minimamente memorável.

Prós

  • Atmosfera de fábula sombria;
  • Dicas não-textuais servem como bons guias.

Contras

  • Puzzles simples demais;
  • Impossibilidade de mudar as opções dentro do jogo.
Creepy Tale — Switch/PC — Nota: 6.0
Versão utilizada para análise: Switch
Revisão: Jorge Neto
Análise produzida com cópia digital cedida pela No Gravity Games

é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.


Disqus
Facebook
Google