Pokémon Blast

Pokémon Diamond/Pearl x Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl — Diferenças entre o remake e o original

Fique por dentro das diferenças entre as versões base da quarta geração em relação aos remakes do Nintendo Switch.

Se você acha que ainda é muito cedo para falarmos sobre o tema, enganou-se. Com o material apresentado, especialmente no segundo trailer exibido no Pokémon Presents, temos uma excelente noção do que esperar dos remakes. As versões Diamond/Pearl (DS) foram lançadas no ano de 2006 no Japão e completam 15 anos em 2021. A comemoração de debutantes está marcada com o lançamento do remake, Brilliant Diamond/Shining Pearl.

Embora haja um abismo técnico entre o Nintendo DS e o Switch, alguns elementos do portátil de duas telas são bem construídos e, de certa forma, tão úteis para a jornada que não imagino como a ILCA irá adaptá-los para o híbrido. Pensando nisso e usando como referência o material presente no site oficial, montamos um comparativo entre as versões. Preparado? Agora, vá em frente, salte para o mundo do Pokémon! Boa leitura!

Nintendo DS x Nintendo Switch

A primeira e talvez maior diferença entre as versões é o console em que serão lançadas. As versões Diamond/Pearl foram construídas para extrair o potencial máximo do console e, com isso, grande parte de suas mecânicas, como a de batalha, por exemplo, era um de seus principais atrativos.


Até a terceira geração, toda a cena ocorria em apenas uma tela, mas com a chegada do Nintendo DS, a divisão dos golpes passou a estar na tela inferior, evidenciados pela cor do tipo de ataque e facilitando a jogabilidade dos mais novos, perdurando até a sétima geração. No Nintendo Switch teremos o padrão de Let’s Go e Sword/Shield, mostrando todos os golpes dispostos no rodapé direito da tela.

Sinceramente, já estamos acostumados com esse padrão de HUD, e não será uma grande surpresa para os jogadores mais novos da franquia, ainda que os veteranos (como eu) possam sentir falta desse recurso, isto não vai influenciar a maneira como vamos jogar.

Um conto de fadas

Um dos fatores que irá mudar completamente como jogaremos os remakes é a presença do tipo FAIRY. Criado em 2013 para as versões X/Y (3DS), monstrinhos já conhecidos da franquia como Togekiss, Mr. Mime, Gardevoir e Clefable agora fazem parte do grupo das fadinhas. Inclusive, uma das bolas rosas de Kanto deixou de ter o tipo NORMAL e passou a ser um Pokémon puramente do tipo FAIRY.

Dessa forma, os Pokémon do tipo POISON e STEEL novamente receberão um lugar ao sol na quarta geração, pois foi justamente em Sinnoh que  a quantidade de golpes desses tipos foi aumentada e tivemos a divisão de categoria dos golpes. Quem não gostou muito disso foi o grupo dos Pokémon do tipo DRAGON. Para variar, nossa campeã Cynthia tem como Pokémon de referência o poderoso e temido Garchomp.


E não são apenas os Pokémon do tipo FAIRY que farão uma “bagunça”: há golpes que foram convertidos para esse tipo, sem falar nos golpes tradicionais como Moonblast e Play Rough. É bom que esteja preparado para essa mudança, pois todos os tipos que possuem resistência ao tipo FAIRY são fracos contra o tipo GROUND. E adivinha qual Pokémon forte dessa região é do tipo GROUND?

Big Blind, Small Blind

Há algum tempo não temos mais a presença do Game Corner na franquia Pokémon. Só de pensar que já faz 10 anos… é muita coisa! São ao todo quatro gerações (Unova, Kalos, Alola e Galar) que abdicaram dessa característica. A última presença dele aconteceu em Sinnoh.

A mentalidade dos desenvolvedores mudou e o mundo também mudou nesses últimos 10 anos. O termo Pokémon está constantemente associado às crianças e não é bom “influenciar” os baixinhos com o que se pratica nos cassinos.


Com isso, esses estabelecimentos foram removidos da franquia e deram lugar a construções diferentes. Nos remakes, em vez do Game Corner teremos o Metronome Style Shop, onde poderemos adquirir roupas novas para o nosso personagem. Não só há estilos novos, também poderemos alterar o tom de pele do protagonista. Isso por si só já deveria ter sido implantado desde a primeira geração.

A inclusão de diferentes tipos de pessoas é fundamental para o desenvolvimento de toda a sociedade. Lembra de quando estávamos na primeira geração? Era somente o personagem masculino no console chamado “Game Boy”. Por que não poderíamos ter uma protagonista feminina no console “Game Girl”? 

Mesmo a versão Crystal (GBC) permitindo pela primeira vez tal feito, demorou um pouco para podermos escolher o visual completo. Para nossa sorte (e alegria), os tempos mudaram e agora podemos optar pelo visual que mais se aproxima com a nossa pessoa, seja para os meninos como para as meninas.

O passar das gerações

Como o título sugere, a chegada de novas regiões trouxe para a franquia diversas mudanças que afetam como os remakes são produzidos. Basta ver que em Heart Gold/Soul Silver (DS), nas suas versões originais, não existiam habilidades e nem a metade dos golpes presentes na quarta geração.

 
O mesmo vale agora para Brilliant Diamond/Shining Pearl, pois diversos pontos (não só da trama principal) serão adaptados por conta das diferenças entre a quarta e oitava geração. Para exemplificar, veja alguns pontos que certamente mudarão nos remakes:

  • Os climas definidos por habilidades como Snow Warning não são mais “eternos” (tendo a mesma duração de Hail, por exemplo), permanece por cinco turnos, podendo aumentar para até oito com o item Icy Rock;
  • As formas alternativas do Rotom agora carregam o tipo da aplicação que ele representa e não mais ELECTRIC/GHOST para todas;
  • Leafeon e Glaceon agora evoluem através da Leaf Stone e Ice Stone respectivamente. Não sabemos ainda se a Moss e Ice Rock voltarão nos remakes;
  • Adaptação nos movesets para conter golpes recentes, incrementando o potencial de Pokémon até então deixados de lado por não terem acesso às ferramentas úteis.

Underground e Super Contest

Duas funcionalidades que estão presentes nos jogos originais estarão de volta, porém, de uma forma diferente.

Começando pelo Underground, houve uma grande adaptação na rede de túneis subterrâneos, que agora contam com diversos desdobramentos chamados de Pokémon Hideaways. Aqui, segundo a apresentação, teremos acesso a Pokémon que não aparecem normalmente na região de Sinnoh e, logo em seguida, um Houndoom é visto. Curiosamente, o cachorro infernal de Johto faz parte da Pokédex da versão Platinum.


Outro detalhe sobre Pokémon Hideaways é que os monstrinhos presentes aparecerão com base nas estátuas presentes em nossa Secret Base. Deste modo, obtê-las será uma das tarefas dos treinadores durante a jornada, a fim de que possam montar uma boa equipe para superar os desafios da região de Sinnoh.

Partindo para o próximo, temos o Super Contest, um minigame de certa forma deixado de lado pelos jogadores, pois não é tão atrativo como as batalhas. Agora, com o remake e o esquema de estátuas, é possível que algumas delas (importantes inclusive) possam ser obtidas ao vencer uma das categorias existentes.

 
Nas versões originais, há três competições: apresentação com itens de decoração no Pokémon, dança e exibição de golpes para os juízes. Por conta da tela de toque ser o principal ponto dessa mecânica, no Nintendo Switch teremos uma “pequena” adaptação nessa funcionalidade. Pelo trailer, não foi possível identificar os comandos de dança ou as instruções para soltar os golpes, então, imaginamos que seja algo em tela nos padrões Dance Dance Revolution.

A polêmica da Pokédex

Todos os jogadores que tiveram o prazer de jogar a quarta geração sabem do que estamos falando. Porém, se você que não jogou está boiando e não aprendeu Surf, a gente explica: em Diamond/Pearl, há apenas 150 registros na Pokédex regional, ou seja, há poucas amostras de Pokémon para montarmos uma equipe forte.

Além da falta de monstrinhos, a quase inexistência de Pokémon do tipo FIRE é um dos pontos negativos mais marcantes dessas versões, que felizmente foi corrigido em Platinum, adicionando algumas espécies e permitindo que Flint (membro da Elite Four e especialista em Pokémon desse tipo) pudesse ter uma equipe inteira com Pokémon do tipo FIRE.

A partir de algumas cenas presentes nos dois trailers, diversos Pokémon que não estão presentes na Pokédex das versões Diamond/Pearl aparecem, indicando que será possível obtê-los durante a campanha e isso, com certeza, será um dos fatores cruciais para uma boa experiência nos remakes.

Referências: Bulbapedia/Site Oficial
Revisão: Cristiane Amarante


Fã de carteirinha dos monstrinhos de bolso desde os oito anos de idade, teve seu primeiro contato com a franquia no Game Boy Color e desde então, são mais de 20 anos de alegria. Fanático por vídeo-games, gostaria de poder jogar mais tempo do que trabalha.


Disqus
Facebook
Google