Hands-on

BGS 2022: Mario + Rabbids Sparks of Hope (Switch) traz mais dinamismo ao crossover entre Nintendo e Ubisoft

Testamos o novo jogo da Ubisoft, que chegará ao Nintendo Switch no dia 20 de outubro.

Mario + Rabbids Sparks of Hope

Em 2017, a ideia de um jogo misturando os mundos de Super Mario e dos Rabbids parecia um sonho febril de um gamer descolado da realidade. No entanto, esse crossover tornou-se realidade com Mario + Rabbids Kingdom Battle (Switch) e, para a surpresa geral da nação, foi um sucesso. A repercussão foi tão boa que garantiu uma sequência com Mario + Rabbids Sparks of Hope, que chegará ao Nintendo Switch no dia 20 de outubro.


O título estava disponível antes de seu lançamento oficial no estande da Nintendo na Brasil Game Show 2022 e, embora registros fotográficos e em vídeos estivessem proibidos, conseguimos experimentar os primeiros minutos da aventura, que já evidenciam o quão diferente está esse novo capítulo. Tente imaginar as cenas conosco.

O início

A demonstração começa com Mario e Rabbids no pátio do castelo da Peach, curtindo a vida. Porém, a situação está complicada para Rabbid Mario, que perdeu seus macacões e está preso atrás de um arbusto, envergonhado de sair. Temos, então, a primeira missão: achar as roupas perdidas.

Já nesse início, é possível reparar algumas coisas. A primeira é a liberdade de movimento e de câmera. Ao invés de estar preso em um caminho linear, com ângulos pré-definidos, o jogador pode andar para onde quiser dentro do cenário, movendo a câmera enquanto isso.

A segunda é a localização em português, inédita para o crossover e feita com bastante qualidade. Em momento algum há erros de português ou expressões que não se encaixam no perfil dos personagens. No entanto, vozes de personagens permanecem em inglês.

Por outro lado, no aspecto gráfico, o game mostra a idade do Switch, com alguns elementos de menor complexidade – como árvores com texturas de baixa qualidade –, visuais um pouco borrados e efeitos quadriculados. No entanto, o resultado é bastante positivo no geral. Em movimento, o jogo parece um filme, com animações e taxas de quadros por segundo bem fluidas.

Mario + Rabbids Sparks of Hope


As batalhas

Passadas essas formalidades de início de jogo, os personagens são apresentados aos Sparks, seres híbridos de Rabbids e Lumas que estão sendo perseguidos por uma arraia espacial amedrontadora. Após Rabbid Peach ser raptada pelo ser maligno, Mario e Bip-O vão ao seu resgate e começam as batalhas tutoriais.

Na primeira, Mario é introduzido à locomoção em campo de batalha em turnos. Aqui, embora a essência de se esconder atrás de barricadas e atacar inimigos com armas de maneira estratégica se mantenha a mesma, a movimentação é bastante diferente. Em vez de andar em uma malha, os personagens agora têm liberdade para se posicionar onde quiserem dentro de um limite de distância.

O dinamismo passa a ficar mais evidente a partir da segunda batalha. Nela, as armas do bigodudo e da recém-resgatada Rabbid Peach param de funcionar e o jogador aprende sobre as investidas, ataque presente no jogo anterior. Porém, essas entradas corpo a corpo não precisam ser decididas no começo do turno nem consomem pontos de ação. O personagem pode investir, imediatamente se proteger atrás de um obstáculo e atirar contra os inimigos.

A mecânica de salto em equipe também foi repaginada, permitindo que se escolha livremente onde o personagem cairá dentro de um espaço limitado.

Isso traz elementos de ação à série que antes focava mais em táticas e estratégias. Por exemplo, no tutorial, deve-se derrubar ovos do mal com investidas e arremessá-los contra olhos da arraia. Uma dinâmica puramente de ação que traz um frescor à experiência.

As próximas duas batalhas às quais tivemos acesso colocaram nosso conhecimento à prova. Em uma, foi preciso entender as características de cada arma para derrotar adversários em uma luta simples. Na outra, Goombas que devem ser eliminados com investidas são apresentados junto aos inimigos comuns, que são mais facilmente vencidos com tiros.

Pode parecer que, com liberdade de movimento, as disputas tornam-se menos desafiadoras. Porém, houve situações em que nosso foco nos aspectos de ação fez com que nos acabássemos em uma posição equivocada, resultando em danos inimigos. Assim, os primeiros minutos do título apresentaram um gameplay que aprimora e evolui o do primeiro jogo.



Outros detalhes

Em termos de acessibilidade, o menu de configurações apresenta poucas opções, pelo pouco que conseguimos ver. Não há opções de remapeamento de botões ou alterações visuais. O máximo que é possível fazer é alterar o modo de pular as cutscenes.

Além disso, durante a demonstração, recebemos moedas e Star Bits tanto nos cenários quanto como recompensas de batalhas. Mas não conseguimos ver quais suas utilidades. Também não nos aprofundamos muito na história, sem sabermos mais sobre a vilã Calamita.

Vale também ressaltar que os personagens possuem especiais de ataque e defesa que, ao serem ativados, iniciam uma animação que lembram bastante a cutscene não utilizada de Kingdom Battle que Davide Soliani, diretor do game, compartilhou em seu Twitter.

Mario + Rabbids Sparks of Hope está com pré-venda aberta em versão digital na Nintendo eShop e em versão física em revendedores nacionais.

Jornalista, analista de mídias, PcD e entusiasta de games desde que jogou Pokémon Azul no Game Boy Color nos anos 90. De lá para cá, tenta aproveitar ao máximo todos os consoles no pouco tempo que a vida adulta permite. Se não está escrevendo para o Blast ou demorando anos para zerar um jogo, está no Twitter (@DanielMorbi) e no Instagram (@danielmorbi_)
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google