Meus jogos favoritos de 2022 — Karina Morais

Os redatores do Nintendo Blast falam sobre os títulos que mais curtiram entre os lançamentos deste ano.


Em 2022, houve muitos lançamentos que aguardei ansiosamente, mas, infelizmente, não tive o tempo necessário para conseguir jogar todos que queria. Foquei em jogar títulos que havia comprado anteriormente ou títulos clássicos que ainda estava devendo experimentar. De qualquer forma, gostei muito das experiências que consegui ter este ano, sejam elas lançamentos novos em folha ou clássicos estabelecidos do passado. O ano passou muito rápido e espero que ano que vem consiga jogar mais e trazer mais impressões para vocês!

Sem mais delongas, meus jogos favoritos de 2022 foram…

13 Sentinels: Aegis Rim

Em 13 Sentinels, 13 estudantes aparentemente sem grandes conexões têm sua rotina destruída após a invasão de criaturas gigantescas na Terra conhecidas como Kaiju. Acompanhamos a história de cada um desses personagens, sendo eles todos jogáveis e cada um apresentando um diferente ponto de vista sobre a situação. Em alguns casos, os vemos confrontando diretamente os monstros em robôs gigantes e, em outros, vemos os personagens apenas tentando descobrir mais sobre o novo mundo no qual se encontram.

A história é narrada em um estilo fragmentado, com cada personagem contando uma parte da história maior por trás dos eventos, se complementando.  13 Sentinels é uma incrível aventura sci-fi e somente por sua trama já vale a experiência. Fico muito contente que o jogo recebeu uma versão para Switch, pois, infelizmente, sua versão de PlayStation Vita foi cancelada, mas finalmente o título pode ser jogado em sua versão portátil.

13 Sentinels possui uma das melhores construções de reviravoltas que já vi em jogos. Mas, não se contentando apenas em ser uma ótima leitura, o jogo também é um banquete aos olhos. Como típico de sua produtora, Vanillaware, seus gráficos são, em minha opinião, uma das experiências mais impactantes que temos nesta geração de consoles, com cenários e personagens altamente animados, em um estilo que remete a um desenho digital vivo. 
 
Sendo um híbrido do gênero adventure e estratégia em tempo real, sua imersão é ótima para o jogador, que pode controlar seus personagens como se realmente estivesse vivenciando as batalhas e investigações que ocorrem no jogo. Me alegra saber que, em 2022, o jogo finalmente está se tornando mais conhecido e continuo ansiosamente aguardando os próximos anúncios da Vanillaware, uma de minhas produtoras de jogos favoritas.

Dragon Quest X: Rise of the Five Tribes Offline




Dragon Quest X é famoso por ser um título numerado da franquia de difícil acesso para jogadores ocidentais. Até antes de 2022, ele estava restrito a seu formato de MMORPG em servidores exclusivamente japoneses, sendo necessária uma série de estratégias para que moradores de fora pudessem experimentá-lo. 
 
Infelizmente, o título continua disponível apenas em japonês, porém, de certa forma, se tornou muito mais acessível para aqueles que conhecem o idioma. Com o lançamento da versão offline do jogo, finalmente pude ter acesso a ele sem dor de cabeça.

Jogar Dragon Quest em modo portátil, no conforto da minha cama, é muito gostoso, ainda mais acompanhado pela doce nostalgia que o título traz, graças a seus gráficos com personagens chibi, remetendo aos primeiros lançamentos da franquia, e, ao mesmo tempo, ainda se atualizando com novos modelos e cenários 3D. 


O jogo é longo, então ainda tenho muito a ver, porém, tudo que já experimentei até agora foi agradável e merecedor de um lugar entre meus favoritos do ano. É sempre interessante ter um jogo no qual diversas raças existem no mundo e mal posso esperar para, futuramente, escrever a análise completa de minha experiência.

Em 2023, um novo episódio será lançado como conteúdo extra e sigo torcendo para que muitos outros venham a seguir. Quem sabe teremos algum dia todas as suas seis versões do MMORPG disponíveis para o jogo offline por meio de pacotes adicionais? Quem sabe o jogo se torne disponível em outros idiomas, se tornando assim a experiência definitiva para fãs da série? Admito que tenho poucas esperanças de que isso aconteça, mas não custa sonhar, não é?

GrimGrimoire OnceMore




Sempre sonhei com uma nova versão ou remasterização de GrimGrimoire, meu jogo favorito de estratégia em tempo real. Não acreditei quando este ano, repentinamente, tive meu desejo realizado. Por enquanto, o jogo está disponível somente em japonês, mas já foi anunciado pela NIS America sua localização em 2023. Por entender o idioma, pude experimentá-lo um pouco mais cedo.
 
Esta é uma nova versão muito necessária para o título, pois o original, lançado em 2007, sofria gravemente com a falta de dispositivos de alta resolução. Com isso, muitas de suas belíssimas artes pareciam borradas e confusas. Mesmo assim, seus desenhos que se assemelham a uma pintura impressionaram até na época, e não há forma de descrever minha felicidade de finalmente ter tido a experiência de ver com clareza todos os seus detalhes.
 

Não se engane pensando que GrimGrimoire se trata apenas de visuais: sua trama é viciante e envolvente e instiga a curiosidade a cada momento. Recomendo começar a história sem saber de nada, pois a experiência será mais impactante dessa forma. Mesmo que você não se interesse tanto por boas histórias, não há nada igual a sua jogabilidade e lhe garanto que, caso goste de jogos de estratégia, se divertirá muito com o GrimGrimoire no ano que vem.

Pokémon Legends: Arceus




Há alguns anos, estava um pouco desanimada com a franquia Pokémon e admito que pegar este jogo em seu lançamento foi uma decisão de última hora, já que eu fiquei decepcionada com os trailers aparentemente “vazios” e sem muitas informações do que seria possível fazer no jogo além de capturar os monstrinhos. Foi ótimo ter mordido a língua e errado completamente em minhas primeiras impressões!

Pokémon Legends Arceus se tornou um dos meus títulos favoritos da série. Eu simplesmente subestimei quão divertido é andar pelo mundo capturando Pokémons na antiga Sinnoh, conhecida como Hisui. A história do jogo me cativou muito e guardo com carinho os personagens do jogo, como se os NPCs não tivessem apenas acolhido a protagonista Akari em um novo mundo, mas a mim também.



Pokémon Legends: Arceus é meu jogo de conforto e, sempre que estou estressada, busco passear em Hisui, relaxando com sua incrível ambientação, enquanto tento completar minha Pokédex... Mal posso esperar para que a Game Freak se empolgue e desenvolva algo do tipo Pokémon Legends: Kyurem...

Splatoon 3




Minha primeira experiência com um jogo da franquia. Desde o anúncio do primeiro jogo no Wii U eu já tinha interesse em conhecê-la, porém, somente em 2022, finalmente consegui jogar algo da série. Ouvi muitas coisas sobre o modo história não ser tão interessante quanto seu modo multiplayer, mas, sinceramente, estou impressionada. 
 
Amei o modo single player de Splatoon 3, talvez até mais que seu modo online. O humor da história é incrível, as fases propostas são variadas e divertidas de se completar, além dos mapas do jogo incentivarem a exploração de cada um de seus cantos. Nunca foi tão divertido destruir bolotas gigantes de pelo.



O design dos personagens é ótimo e, pessoalmente, amei o novo trio do jogo, Deep Cut, composto por Big Man, Frye e Shiver, além de, é claro, as já conhecidas idols Callie e Marie. 
 
Eu talvez não teria dado tanta atenção a esses personagens e detalhes se tivesse ignorado esse modo do jogo e me concentrado apenas no online, que também é ótimo por sinal, mas não troco por nada a experiência que tive no Hero Mode de Splatoon 3, isso sem falar de seu final épico e maluco! 
 
Ainda tenho que jogar mais do modo Salmon Run e as batalhas ranqueadas, mas posso sentir que este jogo ainda me trará muita diversão nos próximos anos.

Menções honrosas:

Houve muitos outros títulos que também joguei este ano e gostei, porém, como se tratam de lançamentos antigos ou jogos que não vi o suficiente para comentar, deixo aqui apenas um pequeno destaque para dois que mais me marcaram.

Cendrillon Palika


Um dos primeiros jogos otome lançados para o Switch e um trabalho que deveria ser mais lembrado pelos jogadores fãs do gênero. A trama conta a história dos habitantes de uma cidade amaldiçoada, na qual seus moradores não podem sair, correndo o risco, caso o façam, de se transformarem completamente em peças de vidro. Isso pode ser impedido vestindo algum acessório de vidro no corpo, como brincos ou sapatos. 
 
Um belo dia, a protagonista recebe, na porta de sua casa, um autoproclamado mago, que lhe diz que conhece um meio de acabar com esta maldição, mas que precisa de sua cooperação para isso...
Já deu para perceber que a trama promete, não é? Caso saiba japonês, recomendo fortemente.

Jack Jeanne



Mais outro otome game disponível apenas em japonês, mas que felizmente será lançado em inglês em 2023. O jogo conta a história de Kisa Tachibana, uma mulher que tinha como seu sonho estudar em uma renomada escola de teatro, porém há muito tempo desistiu desse desejo, pois somente homens são permitidos na instituição. 
 
Já sem esperanças e se conformando em levar uma vida pacata sem seguir sua aspiração, Tachibana por acaso se esbarra com o diretor da escola. Este, interessado na protagonista por ela se tratar da irmã de um dos grandes ex-alunos da instituição, lhe convida a entrar na academia em segredo, porém com uma condição: ela deve se disfarçar de homem e se tornar, após um ano, uma das estrelas da escola, sem que tenha seu segredo descoberto por ninguém. 
 
Jack Jeanne é uma linda história de autoconhecimento, crescimento e sobre não desistir de fazer o que você gosta. Espero que muitas pessoas consigam jogar o título no próximo ano e se apaixonarem também por sua trama.

Expectativas para 2023:



2022 foi incrível e 2023 também é muito promissor, com lançamentos para os quais estou muito ansiosa: Atelier Ryza 3: Alchemist of the End & the Secret Key, Fire Emblem Engage, The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom e Akai Ito & Aoi Shiro HD Remaster. Mal posso esperar para poder jogá-los.

Considerações finais

2022, em especial, ficou marcado para mim como o ano dos relançamentos e atualizações. Fico muito feliz de ver séries antigas e de outras plataformas receberem uma nova chance de serem reconhecidas. Quem imaginaria que, em 2022, veríamos novamente títulos dormentes, como Live A Live, GrimGrimoire e Monster Rancher, entre outros, receberem novos lançamentos? Ou até mesmo mais adaptações improváveis, como NieR Automata e 13 Sentinels, chegando ao Switch?
 


Reviver o passado é muito bom, porém, os lançamentos também não ficaram para trás em questão de qualidade. Me diverti muito com minha experiência em Splatoon 3 e as novidades que Pokémon Legends Arceus trouxeram para a franquia. O Nintendo Switch já se tornou meu console/portátil favorito e só tenho esperanças de que terei muitos outros ótimos momentos em 2023. Só posso torcer para que, no próximo ano, eu tenha mais tempo e que possa jogar mais!
Revisão: Juliana Paiva Zapparoli

Fascinada pela cultura japonesa dos anos '80, '90 e '00. Ama livros, mangás, sua gata maluca, mahou shoujo e jogos. Em especial Dragon Quest, Fire Emblem, Famicom Detective Club, Okami, JRPGs, retrô, Bishoujo & Otome games. Sempre em busca de jogos estranhos ou com propostas inusitadas. Estuda japonês nas horas vagas para conhecer mais obras do tipo.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google