Nintendo promete um aumento salarial de 10% e revisa sua previsão de vendas

O aumento vem em consonância com as propostas do primeiro-ministro japonês diante do aumento da inflação no Japão.


Conforme publicado pelo site da agência de notícias, Reuters, apesar de a cotação do iene ter forçado uma redução em sua previsão de lucro para este ano, a Nintendo revelou na terça-feira (07/02) que planeja aumentar o salário base dos seus funcionários em 10%.

O primeiro-ministro Fumio Kishida pediu para que as empresas japonesas paguem mais aos trabalhadores consoante o aumento da inflação enquanto o Japão se prepara para uma rodada anual de negociações trabalhistas após anos em deflação e salários estagnados. 

Diante desse contexto econômico, o presidente da Nintendo, Shuntaro Furukawa, afirmou durante um briefing de ganhos financeiros que proteger a força de trabalho da empresa é importante para o crescimento de longo prazo. 

Além disso, ele alegou não ter planos para aumentar os preços dos softwares e consoles no momento, mas consideraria se fosse necessário. Por fim, Furukawa se recusou a comentar ao ser perguntado se a empresa estaria trabalhando em um sucessor para o Switch.

A Nintendo já alterou alguns aspectos financeiros previstos ao cortar seu lucro operacional em 4% equivalente a 480 bilhões de ienes (R$18,76 bilhões convertidos em relação ao iene) até 31 de março. Sua previsão de lucro era de 582 bilhões de ienes (R$ 23,09 bilhões).

A empresa também revisou sua previsão anual de vendas:
  • Software — Redução de 210 para 205 milhões de unidades;
  • Switch — de 19 milhões para 18 milhões de unidades.
Segundo a Reuters, salários mais altos podem atrair talentos, já que a queda na taxa de natalidade e a baixa imigração deixam o Japão com séria escassez de mão de obra.

Fonte: Reuters

é analista de componente curricular formado em Artes/Teatro; artista e autor de projetos artísticos. O redator escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google