Dossiê Breath of the Wild (Wii U/NX): Tudo o que sabemos sobre o novo Zelda

Os últimos dias foram repletos de novidades sobre o tão aguardado jogo.


Há pouco mais de dois anos, o mundo foi apresentado ao que prometia ser uma revolução na franquia The Legend of Zelda. Naquele dia 10 de junho, a apresentação da Nintendo na E3 de 2014 se desenrolava com anúncios interessantes, como a revelação dos amiibo e a confirmação de Splatoon e Hyrule Warriors, porém a maneira como a Big N encerrou seu evento digital foi o que causou a maior quantidade de reações. Um vídeo de um garoto de capuz azul cavalgando por vastas planícies e depois sendo perseguido por uma grande criatura robótica foram os primeiros vislumbres que tivemos daquilo que por muito tempo foi chamado de Zelda U.


Depois desse trailer, pouco foi divulgado sobre a próxima jornada de Link. A falta de informações acabou criando terreno fértil para especulações e rumores a respeito do que poderíamos esperar da aventura. No meio dessa onda de boatos, uma das poucas notícias oficiais acabou caindo como um balde de água fria sobre os fãs: o adiamento do lançamento de 2016 para 2017. Entretanto, tivemos a certeza de que a espera valerá a pena depois de tudo o que foi mostrado na E3 deste ano. No evento, o novo Zelda viu o “U” ser trocado pelo subtítulo definitivo: Breath of the Wild. O nome não foi a única confirmação feita pela Nintendo, muitos outros detalhes do projeto também foram revelados. A seguir, reuniremos tudo o que sabemos sobre o tão aguardado título.

Quando será o lançamento?

Ainda não há uma data certa para o jogo chegar ao mercado. A única confirmação é que as versões para Wii U e NX devem ser lançadas simultaneamente, em algum momento de 2017.

O jogo será o mesmo no Wii U e NX?

Desde que Breath of the Wild foi confirmado para Wii U e NX, a pergunta que muitos se fazem é se o jogo será o mesmo nos dois consoles. A questão foi levada para Eiji Aonuma durante a E3 e a resposta foi um vago: “Os jogadores terão a mesma experiência em ambas as plataformas”. Porém, o jornalista Tom Phillips, do portal Eurogamer, revelou em seu Twitter que conversou com o produtor no evento e ouviu dele que: “A experiência será a mesma, mas os gráficos diferentes”.

É provável que o hardware do NX permitirá que o visual do jogo fique mais bonito, entretanto é muito improvável que as versões apresentem algum tipo de conteúdo exclusivo ou diferenças na jogabilidade.


Onde Breath of the Wild se encaixa na linha do tempo?

Ainda não há um posicionamento oficial da Nintendo sobre essa questão. Uma teoria interessante que vem circulando nos fóruns da internet é que o jogo se passa na mesma linha do tempo de Wind Waker, Phantom Hourglass e Spirit Tracks. Segundo essa tese, o Great Sea secou por alguma razão e Breath of the Wild acontece em uma Hyrule que havia sido destruída pela inundação. Isso explicaria as ruínas vistas durante as demonstrações e a presença dos Koroks. É importante destacar que tudo isso não passa de suposições e não há nada confirmado sobre o assunto.

O jogo será linear?

A exploração é o principal destaque e diferencial de Breath of the Wild. Existirão diversos objetivos a serem cumpridos durante todo o jogo, mas aqueles mais afobados poderão ir direto enfrentar o chefe final logo após a introdução de Link despertando na Shrine of Resurrection. Segundo Aonuma, é possível finalizar a aventura sem descobrir nenhum detalhe da história. “É claro que esse não será o jeito certo de se jogar”, completou.

Os caminhos escolhidos pelo jogador e as formas como ele resolverá os quebra-cabeças influenciarão diretamente na maneira de entender o enredo. Quem quiser conhecer todos os detalhes, por exemplo, o motivo de Link estar dormindo na Shrine of Resurrection, terá que ir superando cada desafio de uma vez.


Qual será o tamanho do jogo?

A demo apresentada na E3 tinha um vasto mapa a se perder de vista. Para quem já achou muita coisa aquilo que foi mostrado, fique sabendo que a Nintendo confirmou que se trata de apenas 1% do jogo completo. “Queríamos criar algo único. Se 100 pessoas se aventurarem por Breath of the Wild, serão 100 experiências diferentes e únicas. Se a mesma pessoa jogar hoje e depois amanhã, também serão duas experiências distintas", comentou Aonuma.

O produtor também falou que os fãs terão que dedicar muito tempo para conseguir coletar todos os itens. “Ninguém da equipe de desenvolvimento conseguiu atingir esse feito ainda. Podem existir alguns jogadores mais qualificados que consigam o 100% rapidamente, por isso, eu realmente não posso dizer qual o tamanho total do jogo, mas é muito grande”, afirmou. Quando ele diz que ninguém da equipe de desenvolvimento conseguiu atingir esse feito ainda, é bom levar em conta que o novo Zelda tem a maior equipe de profissionais que a Nintendo já reuniu para trabalhar em um único projeto.

Iremos ouvir a voz de Link pela primeira vez?

O trailer apresentado na E3 começava com uma mulher dizendo “open your eyes” e essa não deve ser a única voz que ouviremos durante o jogo. Na jornada, teremos diálogos dublados e também aqueles no formato de texto. Porém, o personagem principal da aventura deverá permanecer mudo. "Temos recebido muitos pedidos dos fãs que querem ouvir a voz de Link. Apesar de, às vezes, eu sentir que pode ser bom ter um jogo em que ele fala, parte de mim também sente que esse ar orgulhoso de independência que ele tem porque não fala é uma parte importante da sua individualidade como personagem ", explicou Aonuma.

Linkle estará presente em Breath of the Wild?

Muito se falou sobre a questão da customização de Link, sendo possível, inclusive, alterar seu sexo. Mas essa opção está totalmente descartada. "Nós pensamos muito e decidimos que, se era para termos uma protagonista feminina, seria mais simples utilizar Zelda como a personagem principal. Porém, se tivermos a princesa como protagonista e lutando, o que então Link faria? Levando isso em conta, e também a ideia de equilíbrio da Triforce, decidimos que o melhor era manter o conceito original", comentou Aonuma.


Veremos Link com a tradicional túnica verde?

No primeiro vídeo sobre o novo Zelda, o protagonista vestia uma roupa azul. Já nas demonstrações da E3, vimos que o guarda-roupas do herói será bem mais recheado, com uma série de vestimentas e armaduras. Quem ainda não deu as caras foi a inconfundível túnica verde. Aonuma foi questionado sobre a presença ou não da tradicional roupa e a resposta foi um misterioso: “Eu não sei… Estou pensando”.

Influências do clima

As vestimentas não servirão somente para mudar o visual de Link. Em áreas cobertas de neve, ele precisará de roupas mais quentes ou poderá usar uma tocha para se aquecer. Comer alimentos que mantenham a temperatura do corpo elevada é outra tática para explorar ambientes gelados. Já nos desertos, será preciso ter atenção ao calor extremo. O protagonista também precisa ter cuidado durante as tempestades, pois, se estiver equipado com materiais de metal, acabará atraindo raios para cima de si.

Acharemos corações e rupees na grama?

Link largará a profissão de jardineiro em Breath of the Wild. Cortar os matinhos espalhados pelo cenário não renderá nem corações e nem rupees. A energia do herói será reestabelecida através de alimentos que podem ser encontrados no campo, como maçãs ou cogumelos, ou adquiridos através da caça. Ao se movimentar pelos cenários, existirá um marcador sonoro que indica a quantidade de barulho que está sendo emitido. Quanto maiores os ruídos, mais difícil será capturar os animais selvagens. Também será possível misturar os ingredientes e cozinhá-los, o que resultará em pratos com diferentes efeitos, tais como a resistência ao frio ou ao calor por um período de tempo limitado. Já o dinheiro será conquistado através de negociações, por exemplo, será possível coletar um pouco de lenha na floresta e vendê-la em algum mercado ou cidade.


Armas e combate

O jogo contará com uma diversidade enorme de armas, muitas delas nunca vistas antes na franquia. Os equipamentos dos inimigos também poderão ser coletados, mas vão se desgastando com o uso. Hyrule estará habitada por criaturas com as mais diferentes formas e tamanhos, sendo que cada uma delas tem seu próprio método de ataque e armas, por isso, será preciso pensar rapidamente e desenvolver estratégias adequadas para derrotá-las. Durante os combates, Link terá a possibilidade de deixar o tempo mais devagar para poder atacar ou se defender. Uma das novidades no arsenal será a flecha azul mostrada no primeiro trailer do jogo. “Essa flecha é, definitivamente, uma parte importante do jogo, e consegui-la é fundamental. Não quero falar muito sobre isso agora, pois seria um spoiler”, destacou Aonuma.

Quem são os Guardiões?

O grande robô que vemos perseguindo Link no primeiro trailer do jogo é chamado de Guardião. Segundo Aonuma, a inspiração para essa criatura veio do Octorok existente no primeiro Zelda. “Esse foi o primeiro inimigo que criamos e, no início, era apenas um polvo gigante. Mais tarde, decidimos deixar o visual dele mais tecnológico e isso influenciou diretamente no enredo e em outros elementos que foram adicionados no jogo”, afirmou o produtor.


Habilidades de Link

O salto automático que marcou os últimos episódios da série não estará presente em Breath of the Wild. Haverá um botão que faz Link pular e essa mudança aconteceu para melhorar as possibilidades de exploração. “Nós realmente queríamos que o protagonista subisse em algumas paredes, mas não era divertido através de uma função de escalada automática. Seria melhor dar ao jogador a possibilidade de controlar o movimento de subida, por isso precisávamos introduzir o salto, para que Link pulasse em direção à parede e começasse a escalada”, explicou Aonuma.

Além de brincar de Homem-Aranha, o herói também poderá correr. Todos os esforços físicos dependerão da estamina do personagem, marcada em um gráfico na tela.

Tchau “Hey, listen”!

Não teremos mais que nos preocupar com os barulhos chatos de Navi ou outros ajudantes. Dessa vez, Link estará sozinho em sua missão e os conselhos virão de alguns personagens espalhados pelo cenário.

Santuários e runas

Existirão mais de 100 santuários espalhados por Hyrule e encontrar alguns deles pode se revelar um grande desafio. Explorando esses locais, Link encontrará as runas que lhe darão poderes especiais, como atrair e arremessar objetos metálicos, congelar a água formando plataformas e paralisar objetos no cenário.

Compatibilidade com amiibo

Breath of the Wild já conta com três amiibo próprios: Link, Link cavalgando e o Guardião, que será a primeira figura com partes móveis. Além disso, o boneco de Wolf Link, que foi lançado junto com Twilight Princess HD, será compatível com o novo Zelda. Com ele será possível transportar a forma de lobo de Link para ajudar sua versão humana durante a aventura.


Além das informações já divulgadas, a equipe do NintendoBlast que esteve em Los Angeles cobrindo a E3 2016 teve a oportunidade de experimentar Breath of the Wild. Quer saber o que achamos do jogo? Clique aqui e descubra.
Revisão: Luigi Santana
Vinicius Veloso é jornalista e obcecado por games (não necessariamente nessa ordem). Seu vício começou com uma primeira dose de Super Mario World e, desde então, não consegue mais ficar muito tempo sem se aventurar em um bom jogo. Está no Facebook ou Twitter.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais