Os jogos preferidos de Super Nintendo — Pedro Vicente

Os redatores do Nintendo Blast celebram o Super Nintendo e seus jogos.

No último mês de agosto, o Super Nintendo completou seus 25 anos no mercado ocidental a partir de seu lançamento norte-americano. Muitos conheceram o console e seus jogos por volta desse momento, outros alguns anos para frente. Alguns jogaram na máquina da Nintendo, outros conheceram os títulos emulando o SNES. Existem aqueles que jogaram em casa, ou na casa de algum parente ou amigo, até mesmo nas antigas locadoras, que o diga o Ítalo Chianca. O fato é que esse um dos principais consoles que existiram, se não o mais importante.


É natural que um sistema que tenha recebido tantos, e tão bons, jogos permaneça na lembrança e nas carinhosas memórias dos jogadores. Ao longo desse mês de setembro, nós aqui do Nintendo Blast iremos dividir nossas listas pessoais com vocês. Não se trata de uma apreciação e análise apurada de quais seriam os melhores ou mais influentes jogos, mas apenas aqueles que tocam nossa memória e nosso coração. Ora, na minha lista, por exemplo, não estão jogos como The Legend of Zelda: A Link to the Past, Earthbound e Donkey Kong Country. Games que admiro, mas que por um motivo ou outro não me tocaram como os que eu elenquei.

Convidamos vocês para embarcar nessa lembrança com a gente ao longo desse mês e, claro, a dividirem conosco nos comentários quais jogos ou momentos são os mais importantes para vocês individualmente.

Chrono Trigger

Vou deixar algo bem claro desde já: Chrono Trigger é o motivo pelo qual eu continuei me interessando muito por jogos. Eu brincava no Nintendinho do meu irmão, e jogando um bom punhado de coisas com nosso Super Nintendo, eu era, como muitos, uma criança que gostava bastante de jogar. Chrono Trigger foi a obra que me fez mergulhar de cabeça em um game, que continuou me interessando ao longo dos anos e que me trazia algo diferente a cada momento da minha vida, e conforme meu interesse por jogos foi se aprofundando.

É até difícil colocar em palavras o que CT representa. Ele é um daqueles principais jogos da história da mídia, mas para além disso, continua interessando, tocando e divertindo novos e antigos jogadores. Seu ritmo beira a perfeição, seus personagens cativam fora e dentro das batalhas, sua trilha sonora complementa e leva além cada personagem e cenário, e suas opções de design são tão acertadas olhando para a obra como um todo que chega a assustar.

Você vai ver ele em muitas das listas dos nossos redatores, até pelo motivo de que é fácil se apaixonar pro Chrono Trigger. O bom é que cada um o faz à sua maneira.

Super Mario World

Que os jogos do Mario são um encanto absoluto para qualquer criança que goste minimamente de videogame, imagino que não restam muitas dúvidas. Sendo assim, eu ficava realmente feliz quando podia, finalmente, jogar quando meu irmão saia. Claro que meus reflexos de jovem ainda estavam sendo apurados aos poucos, e mesmo um jogo relativamente tranquilo como SMW representava um grande desafio para mim.

Passear pelos mundos do jogo era sempre uma atividade de prazer e encanto. Lembro que eu ficava especialmente feliz em usar a capa e coletar moedas nos céus do reino do cogumelo. Nessa época, quando íamos à praia, eu costumava pegar a canga da minha mãe e sair correndo, com alguma esperança de que eu iria voar. Boas memórias!

Seiken Densetsu 3

A sequencia direta do simpatíco Secret of Mana é um dos meus jogos preferidos de Super Nintendo. Escolher um dos personagens e ver a história específica que se desenrolava para elas só não era mais interessante que o fluído sistema de batalha. O visual também figura na minha cabeça como uma das coisas mais avançadas do sistema.

Tinha uma especial atração pelos simpáticos animais que serviam de transporte para nossa jornada, e sobretudo pelos interessantes cenários. Esse foi um que joguei um pouco mais velho, mas com o coração leve a aberto como de uma criança.

Super Metroid

Eu só joguei Super Metroid pela primeira vez no ano passado. De lá para cá acabei jogando muitos outros jogos da franquia, o que fez com que se tornasse uma das minhas séries favoritas. A série também se confunde com momentos complicados da minha vida, e talvez o tom e a atmosfera já estavam dados dentro de mim quando fui, finalmente, jogar Super Metroid.

Não há muito a dizer sobre a importância do game, falamos bastante disso dentro da série de textos que publicamos em agosto em comemoração aos 30 anos do primeiro Metroid. Resta apenas a admiração e a certeza de que, seja qual for o futuro da franquia, Super Metroid é um dos jogos essenciais do SNES e da minha vida.

Final Fantasy VI

Não, FF VI não é o meu Final Fantasy preferido, mas isso não impede de que ele esteja em segundo lugar e que ocupe os mais importantes lugares no meu coração jogador. O que fazer depois de conhecer e se apaixonar por Chrono Trigger? Ir atrás de outros jogos similares. Foi então que me deparei com Final Fantasy VI e Dragon Quest IV, e me tornei fã absoluto das duas séries e do tal gênero dos JRPGs.

Eu ainda não sei se foi a abertura de tirar o fôlego, se foi a cena da ópera, a tentativa de suicídio da Celes, a destruição do mundo nas mãos do Kefka, o fantástico grupo de heróis ou tudo isso junto e misturado, o fato é que FF VI é pedra fundamental na minha vida, e traz um dos mundos em que eu mais embarquei durante esses anos.

International Superstar Soccer Deluxe

Mais ou menos na época que ganhei meu PlayStation e pude assim continuar jogando meus RPGs japoneses, eu também estava viciado em gastar meu dedo contra meus amigos no ISSD. Na verdade a gente jogava o famigerado Ronaldinho Campeonato Brasileiro 98, uma das versões modificadas do jogo (pense em precursores do Bomba Patch).

Tardes e mais tardes de jogatina, que se transfeririam para o PlayStation com a série Winning Eleven, mas que trouxeram nossas últimas alegrias naquele console.

Star Ocean

A essa altura da lista eu já professei meu amor por JRPGs, e mesmo que eu não o tivesse feito vocês teriam percebido qual a tendência da lista. A verdade é que eu fui me tornar um jogador mais eclético do PS para frente, nos meus primeiros anos de jogador alucinado eu ficava é jogando RPGs no SNES e Adventures no computador de casa (quando ele estava disponível, é claro).

Essa é uma das minhas séries favoritas, e o mais engraçado disso é que ela só se mantém como tal por conta dos dois primeiros jogos, já que os três últimos me agradaram bem menos. Star Ocean é um jogo que estava na ponta de lança da tecnologia, com atuação vocal e uma infinidade de sistemas e mecânicas. Era, sobretudo, uma linda viagem pelo tempo e pelo espaço.

Super Mario Kart

Quem não gosta de Super Mario Kart bom sujeito não é. Alguém me responda, por favor, como não amar um jogo (e série daí em diante) no qual você pode sacanear os personagens do universo Mario e, principalmente, os seus amigos? As vezes a coisa evoluia para violência física, mas nada que assustasse (já que a pancadaria que se originava no futebol era bem maior). O importante é que SMK é um gerador de boas memórias de amizade e competição "saudável".

Nessa época a Rainbow Road ainda era meio quadradona, mas a diversão era redondinha. Ainda bem que, em algum dia, o pessoal da Nintendo resolveu juntar os personagens e criar algo tão leve e divertido.

Fire Emblem: Seisen no Keifu

Esse é o jogo da lista que joguei mais recentemente, até pelo fato de que ele não foi lançado para o ocidente na época (aliás, mesmo quem gostava do gênero não costumava saber da existência de Fire Emblem). O que encontrei foi uma experiência refinada, com uma batalha estratégica sólida, que trazia acontecimentos no curso de uma grande batalha, e na qual cada capítulo represntava uma grande guerra que ocorria.

Também estavam ali, em forma germinal, os pareamentos entre personagens para gerar filhos, e o triangulo de armas da série. Genealogy of the Holy War (como ficou conhecido em inglês) é um dos mais interessantes jogos da série Fire Emblem que, felizmente, conseguiu se manter e ressurgir no 3DS.

Super Mario RPG: The Legend of the Seven Stars

Como é bom ver os cenários clássicos dos mundos de Mario representados de uma forma diferente. Aliás, como é legal poder pular em cidades e dungeons em um RPG, ou pelo menos é isso que SM RPG me fez acreditar. Não se trata apenas de um jogo simpático e com pitadas de humor, mas também de uma obra muito bem pensada, como ideias de cenários e batalha que impressionavam.


Também haviam os engraçados mini-games e toda a palhaçada envolvendo a turma, incluídos aí os novos Geno e Mallow. Esse é outro que se fincou nas minhas memórias de maneira ímpar.

~
Esses sãos os meus dez jogos preferidos do Super Nintendo, é claro que muita coisa boa (e outras nem tanto) ficaram de fora. Ao longo do mês nossos redatores vão abrir um pouco de suas memórias e gostos com vocês, então não deixe de comentar com a gente. Você também tem um carinho por um desses que eu falei? Quais são os seus preferidos?
Imagens: Mario
Pedro Vicente é um homem sem qualidades. Para se esquecer das décadas de fracassos de sua vida real, resolveu passar parte do seu dia jogando. Iniciado nos games por Adventures e JRPGs, hoje em dia joga de tudo. Gosta muito de escrever sobre jogos, mas só dá nota 10 para games em que você pode dar Suplex em um trem.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais