Jogamos

Análise: The Legend of Zelda: Spirit Tracks (DS)

  O anúncio de The Legend of Zelda Spirit Tracks talvez tenha sido o mais surpreendente da E3 2009 (rivalizando com a versão Wii de... (por Gustavo Assumpção em 26/12/2009, via Nintendo Blast)

 SpiritTrackslogo

O anúncio de The Legend of Zelda Spirit Tracks talvez tenha sido o mais surpreendente da E3 2009 (rivalizando com a versão Wii de New Super Mario Bros.). Surpreendente não só por ser um novo Zelda para o DS apenas dois anos após Phantom Hourglass. mas principalmente pelo novo elemento inserido na jogabilidade e até então impensado: trens. 

the-legend-of-zelda-spirit-tracks-20091105050742956_640w"O que trens tem a ver com a série Zelda?" foi a pergunta que muitos fizeram. Alguns acharam de cara a idéia deslocada, rendendo discussões acaloradas em fóruns pela internet. Fato é que pouquíssimas vezes vimos uma mudança tão drástica apontada pelos seus criadores em uma série consagrada. E era a segunda vez que isso acontecia, já que em Wind Waker a mecânica girava em torno do uso de barcos. Miyamoto chegou a dizer que a a mudança teria acontecido porque “jovens gostam de trens” (vai lá entender o que se passa pela cabeça de Mestre Miya).

Pois bem, o game foi anunciado, novidades vieram aos montes, o lançamento aconteceu no início de dezembro e aqui estou após completar toda a jornada principal. Acho que de cara já posso afirmar sem medo algum: esse é o melhor Zelda portátil já criado.

  • É o mesmo... só que diferente

SpiritTracksTrainBasta ligar o DS, ver a apresentação e jogar os primeiros minutos para perceber que algumas alterações foram feitas na estrutura que estamos acostumados a ver em um Zelda tradicional. A série sempre primou pela jogabilidade em detrimento da história, com enredos chavões e sem muita novidade. Seguindo na direção contrária, aqui a Nintendo tomou um cuidado muito maior com o enredo. São várias pequenas alterações, como a quantidade de diálogos e a narrativa muito mais profunda e detalhada, sem contar as várias cut-scenes conforme o jogador avança, responsáveis por contar uma história rica, surpreendente e cativante.

Essa preocupação com a história resultou em um ganho de importância bem grande para a princesa Zelda, que até então era subaproveitada na série. Em Spirit Tracks ela atua do início ao fim como uma parceira das peripécias de Link, sempre dando conselhos e sugestões - além claro de ajudar entrar na aventura e ajudar nosso herói nos puzzles.

O enredo conta a história das tais Spirit Tracks, enormes correntes que foram usadas no passado para aprisionar um Demon King que ameaçava o reino de Hyrule. Elas permaneceram intocadas por mil anos, tanto que eram usadas como trilhos para os habitantes do local viajarem com seus trens. Só que é lógico que há uma trama orquestrada pelos vilões da trama para libertar novamente o Demon King.

Interessante é ver que logo nos primeiros momentos de jogo, a princesa Zelda perde o seu corpo (um eufemismo para afirmar que ela morre haha) e seu espírito passa a ajudar Link em sua jornada. Essa acaba se tornando a grande sacada da jogabilidade: a capacidade da princesa “possuir” inimigos e ajudar na resolução dos puzzles. Além de dinamismo, esse esquema torna os objetivos variados e cheio de esquemas inovadores – fora a inserção de novos itens.

O controle da princesa é feita de forma semelhante ao modo multiplayer de Phantom Hourglass ou ao controle do bumerangue: o jogador desenha a trajetória que ela vai seguir na tela de toque. O sistema é funcional e tem um quê de estratégia muito bem vindo.

O novo elemento de jogabilidade – o trem – funciona como o principal meio de locomoção entre as dungeons e cidades. Seu controle é feito por meio de cursores posicionados na tela de toque. Através deles é possível andar rápido ou devagar, frear ou ativar a marcha ré. Na tela superior um mapa indica a presença de outros trens pelo caminho. Se por acaso seu trem se chocar com outro, o jogador é obrigado a recomeçar o caminho. Mas não são só outros trens que serão empecilhos. Alguns inimigos como pássaros e porcos no caminho serão dificuldades a mais no seu destino. Eles podem ser facilmente espantados pelo apito do trem que é ativado quando o jogador “puxa” o ícone em forma de corda na tela de toque – simples e ao mesmo tempo bastante inovadores.

large (1) large (3) SpiritTracksDungeonjpeg

  • Variedade de ações

Uma preocupação da Nintendo foi usar todos os recursos possíveis do DS . Dessa vez o microfone, por exemplo, possui uma importância muito maior na jogabilidade. Alguns acham cansativo ter que ficar realizando ações de movimentação e assopro simultaneamente, mas não há motivo para preocupação – já que o uso aqui é bem natural. Os novos itens criados especialmente para Spirit Tracks adicionam movimentos e funções inéditas na série, aprimorando a experiência proporcionada e criando novas possibilidades.

Em Phantom Hourglass, muitos reclamaram da falta de precisão nos controles em alguns momentos, o que eu não senti aqui em Spirit Tracks. O esquema original já era ótimo e aqui ele se tornou ainda mais variado graças aos novos itens e a uma variedade maior de utilizações. É como uma ampliação do original, já que o mesmo já utilizava um esquema bastante simples de controle e combate.

  • Uma fábula linda aos olhos e ouvidos

Visualmente, Spirit Tracks está entre os mais belos games do DS. Além de uma construção poligonal próxima da perfeição, há uma variedade impressionante de localidades e ambientes. Mas o destaque fica mesmo para as animações e a vivacidade dos personagens e inimigos. Além de várias expressões faciais, os personagens possuem características ricas em roupas e na maneira como se portam. A Nintendo empregou vários efeitos que poucas vezes foram vistos no portátil, principalmente nas cutscentes usadas para ilustrar os momentos chaves do enredo.

A trilha sonora é mais uma vez impressionante. Apesar de seguir o padrão Zelda, é possível perceber acordes diferenciados para as mesmas melodias. A música tema de Zelda, por exemplo, ganhou ares de sons característicos de trens na abertura. A música do castelo em Hyrule e o tema dos chefes também parecem conhecidos aos ouvidos dos fãs.

  • Uma pequena obra prima

Spirit Tracks é um game sem defeito algum. Pelo menos ao longo de suas várias horas de jogo eu não percebi nenhum defeito mais grave. Acho que o único parêntese que talvez deva ser feito é que mais uma vez a jornada é bem curta e fácil – principalmente para quem terminou Phantom Hourglass. Mas a jornada é simplesmente encantadora e transborda o carisma e a diversão dos melhores games Zelda. Jogue o quanto antes!

504x_spirit_tracks_preview

The Legend of Zelda: Spirit Tracks – NDS – Nota Final: 9,2

Gráficos 9,5 Som: 9,0 Jogabilidade: 9,0 Diversão: 9,0


Estudante de Jornalismo, apreciador de rock britânico, pouco cuidadoso com as palavras, rico de espírito, triste com as relações nesse mundo e esperançoso com o futuro.

Comentários

Google
Disqus
Facebook


  1. (sem spoiler rs)Muito legal o texto, tenho preguiça de ler, mas esse eu li! Hahauahuah.

    E acho que concordo com tudo, só acho que não tem parênteses nenhum na questão de defeitos, já que eu achei o jogo MUITO LONGO pra um console portátil, e também difícil e muito desafiante em várias partes, principalmente as finais.

    É o melhor Zelda portátil mesmo, mas... se o jogo não tem defeitos muito consideráveis, por que tirou 9,2?

    Por que tanto 9 e não 10? Justifique a nota, colega :*

    ResponderExcluir
  2. Bom, pra mim nenhum 10 por ele não ter revolucionado a fórmula. Acredito que um 10 é coisa pra aqueles games que conseguem ir além - o que não é o caso.

    Digamos que é uma evolução natural bem competente, mas não é um game revolucionário. Nesse sentido 9,2 me parece coerente.

    Independente das notas, esse é um jogo OBRIGATÓRIO e é o que importa :)

    E obrigado por ter lido tudo!

    ResponderExcluir
  3. Olha, nunca fui fã de Zelda (podem me chamar de ET se for o caso), mas confesso que quando li seu texto Gustavo, me deu vontade de jogar esse jogo!

    Um dia aparecerá um jogo dessa franquia que realmente me encante - por enquanto continuo me aventurando com o encanador de pança grande, Mario :)

    Boa análise, texto muito bem escrito!

    ResponderExcluir
  4. Tô jogando esse ai!É ótimo!Dungeons dignas de um game Zelda!Mas o quesito gráfico eu tenho que descordar com vc.Tendo em vista a capacidade gráfica do DS,principalmente com Mario 64DS e Nintendogs,acho que os gráficos desse Zelda estão meio "caidinhos".Olha os Zeldas de SNES e N64,gráficos perfeitos pra plataforma!Bom...é só minha opinião,claro,ninguém precisa concordar,afinal Zelda é Zelda,com ou sem gráficos maravilhosos!!

    ResponderExcluir
  5. Game perfeito so falotu o modo online que nem tinha no Pahntom Hourglass.

    ResponderExcluir
  6. Eu queria jogar, mas o R4 não permitiu. Tenho o anterior original, mas como era curto ( até d+ ) parecia que paguei demais por menos, valia a pena baixar o Spirit Track, como se tivesse completando o jogo anterior, terei que procurar uma versão patheada

    ResponderExcluir
  7. É um jogo que quero jogar, mais meu nintendo DS ta na assîstência técnica, maldito microfone.

    ResponderExcluir
  8. eu não consigue entrar no jogo mas deve ser muito legal
    ROCK!!! JUSTIN BIEBER lindo

    ResponderExcluir
  9. uma coisa que eu reclamo dos Zeldas de DS é sua escassez de itens, coisa que no A Link to the Past tem cerca de 20 itens enquanto os de DS tem + ou- uns 7

    ResponderExcluir
  10. Excelente análise, esse é compra certa.

    ResponderExcluir