Blast from the Past

Blast from the Past: Metroid Fusion (GBA)

(por Rafael Neves em 04/09/2010, via Nintendo Blast)

box-lO primeiro Metroid para o Game Boy Advance marcou muito os fãs da série. Não falo exatamente pelo jogo em si, mas por que ele representou uma nova tomada de esperança, uma vez que a série Metroid caiu no esquecimento por oito anos. Durante a época do Nintendo 64, Samus só apareceu no Super Smash Bros., mas não recebeu nenhuma missão nova durante muito tempo. Eis que, com o novo portátil da Nintendo, abrem-se as portas para mais uma aventura da caçadora, lançada no dia 18 de Novembro de 2002 nas Américas e 14 de Fevereiro de 2004 no Japão.  Metroid Fusion veio às lojas junto a Metroid Prime, se tornando um sucesso do GBA, com mais de 1 milhão de cópias vendidas no Japão e na América.

Infecção X

mfsApós os acontecimentos de todos os outros jogos, incluindo Metroid: Other M, Samus recebe uma outra missão. No momento, a galáxia vive uma época de maior tranquilidade, logo, a tarefa designada a Samus não é extinguir Metroids nem estourar os miolos de Space Pirates, mas sim dar cobertura a uma equipe de pesquisa que explorava o planeta SR388, que foi palco das aventuras. Mas, após derrotar uma criatura do planeta, um estranho ser gelatinoso sai do cadáver, avançando em Samus. Inicialmente, a caçadora não sofre nada com o que parecia ser um ataque, mas, após partir do planeta, ela perde a consciência. Sem controle, a nave de Samus choca-se com asteróides, destruindo o veículo, mas o mecanismo de segurança ejeta a Bounty Hunter antes do impacto. Quando socorrida, é evidenciado que o que infectou Samus no planeta foi um parasita chamado X, um ser altamente perigoso que leva seus hospedeiros à morte e é capaz de reproduzir com exatidão tudo o que já infectou uma vez na vida. A infecção força os médicos a injetarem o DNA r  etirado do bebê Metroid de Super Metroid em Samus como única forma de salvar a caçadora, já que a espécie é predadora do X. Ao que consta o manual do jogo, os Metroids são criaturas feitas em laboratório pelos próprio Chozo (povo que salvou e treinou Samus após a destruição de seu lar) feitas com o propósito de eliminar o X em SR388. A operação salva Samus por pouco, sendo a segunda vez que o bebê Metroid salva a vida caçadora, mas ela não tem tempo de se recuperar direito pois precisa partir urgentemente para a base espacial de pesquisa BSL. Na estação espacial, uma invasão do X fez com que o lugar tornar-se uma zona de quarentena, afinal, é lá onde estão várias criaturas hostis. Com o X por lá, tudo foi infectado pelo parasita e clonado por ele. A missão pode parecer difícil, e realmente é, pois a armadura de Samus teve de ser retirada e mandada para BSL para que facilitasse no tratamento, em seu lugar foi colocada uma Power Suit modificada que, cá entre nós, não é tão poderosa quanto a original,: a Fusion Suit.

MetroidFusion1234Adentrando-se na base espacial infectada com uma nave nova, Samus é instruída pela inteligência artificial Adam, que leva o nome de um antigo comandante da Galact Federation que, no passado, se sacrificou para salvar Samus (os detalhes da relação entre os dois serão explicados em Metroid: Other M). Com a ajuda de Adam, Samus consegue recuperar muitos de seus antigos power ups, como tiros, mísseis, upgrades para a Fusion Suit e outras funções. Muitos são os inimigos clonados pelo X, como o vilão Ridley, o monstro Nightmare e a SA-X. SA-X é uma dopelganger da Samus, reconstruída pelo X e roubando a Power Suit de Samus que foi a enviada a BSL. Após descobrir que a própria Galact Federation clonava Metroids em segredo em BSL, Samus sente-se traída, o que leva-a a dar início ao sistema de auto-destruição da estação chocando-se com SR388. Prestes a evacuar BSL, Samus encontra-se com o Omega Metroid, uma forma evoluída da criatura que muito lhe deu trabalho no passado. Mas, quando as esperanças de Samus estão quase desaparecendo, SA-X reaparece e salva Samus, sacrificando-se no processo. Samus então absorve o parasita X que sai do cadáver de SA-X (por ter o DNA Metroid em seu sangue, Samus também se torna predadora do X), o que lhe propicia o Ice Beam, tiro perfeito para acabar com Omega Metroid. O desfecho deixa sérias dúvidas sobre quem realmente iniciou manualmente o sistema de evacuação da nave quando o Omega Metroid ameaçou destruí-la (O próprio Adam? Ou quem sabe as criaturas alienígenas de Super Metroid que aparecem dormindo na nave?) e como a galáxia reagirá à opção de Samus por destruir BSL e, no choque com o planeta, SR388 também…

Fusão de Conceitos

m_790screen001Se há algo que defina a experiência de jogo de Metroid Fusion é a sua fusão de características tradicionais do game com novas adições. O game ainda é um sidescrolling repleto de ação e exploração, onde cada parte dos vastos cenários esconde um Power up. Itens como Morph Ball, mísseis, bombas e Wave Beam estão de volta, é algo praticamente completo quando se fala na biblioteca de habilidades de Samus. Mas, por outro lado, algumas coisas originais desembarcaram em Metroid Fusion o que infelizmente não foi tão benéfico para o game. A capacidade de se pendurar nas bordas das plataformas, o Ice Míssil e Difusion Míssil foram upgrades bem aceitos e reutilizados em outros jogos, mas a principal mudança você vê já na capa do game: Que raios de armadura é essa? Bom, a Fusion Suit faz Samus mais parecer um alien do que uma mulher numa armadura, mas ela dá um toque único ao game. A Fusion Suit não tem metade do poder da Power Suit, e o 710754-metroid_fusion_superDNA de Metroid implantando em Samus não só a ajuda a absorver parasitas X em troca de energia e mísseis, mas também a torna frágil ao seu clone: SA-X. A perversa cópia da Samus usa Ice Beam, o que é super efetivo em Samus, pois Metroids são vulneráveis ao gelo. Por boa parte do game você se sentirá um frágil ser em meio a uma imensidão de monstros, e isso dá um toque ainda mais obscuro e sinistro a Metroid Fusion. Mas, apesar de tudo, essas novas adições feriram um dos maiores pilares da franquia Metroid: a progressão. Nos demais jogos, o jogador avançava no game sutilmente através da exploração e uso de power ups que anteriormente não dispunha.

Mas em Fusion, é o computador Adam que dá ordens à Samus para que vá até determinado lugar e encontre informações, criaturas e novas habilidades lá. E o problema não é completamente causado pelo uso do computador, afinal, outros games da franquia também possuem essa funcionalidade e nem por isso são lineares como Fusion. O problema também é causado pelo uso de portas pré-determinadas. Nos outros games as portas são abertas por determinado tiro, logo, o jogador avança no jogo a partir de suas habilidades. No entanto, em Fusion é preciso ativar um mecanismo que abra uma determinada cor de porta, o que limita os espaços que se pode alcançar e faz o game seguir um roteiro minuciosamente planejado. Isso simplifica as coisas do game, fazendo com que o jogador não fique muito  tempo sem avançar no jogo, mas tira uma das características preferidas de todo fã de Metroid. Mas é em Fusion que Samus perde a mudez de vez, aquele relato da caçadora no início de Super Metroid não chega a ser uma fala. Há discussões com Adam profundas e algumas vezes capazes de impulsionar o jogador a continuar jogando. Veremos como continuará esses discursos de Samus e conversas com Adam (dessa vez em carne e osso) em Metroid: Other M(Wii) !

Os gráficos de Fusion são muito vívidos e usam-se de cores fortes para expressar cada criatura e cenários do game. É o mais bonito dentre os Metroids em 2D, mesmo que o jogo se passe numa estação espacial, o que limita a variedade de ambientes. A sonoplastia é composta por músicas exclusivas, mas nem por isso excelentes e também nem por isso ausentes de trilhas clássicas. É algo lindo de se ver, ouvir e jogar!

Conexões

fusion_primeO cartucho de Metroid Fusion é capaz de se conectar a outros games da série Metroid e garantir novas adições a cada um deles. Quando Fusion é conectado a Metroid Prime através da ligação entre o Game Boy Advance e o Game Cube, ambos os jogos saem no lucro. Em algumas versões de Fusion isso desbloqueia a possiblidade de jogar o primeiro Metroid (NES) no portátil e em Prime habilita a Fusion Suit na brilhante mecânica 3D do game (como você pode ver na imagem). Depois que Metroid Zero Mission foi lançado também para o GBA, a conectividade entre ele e Fusion foi garantida, agora mais simples e prático do que precisar conectar um GC a um GBA. Bastava um cabo entre os dois portáteis e Metroid Fuson era turbinado com artworks secretas e imagens extras do game. Na versão japonesa haviam ainda imagens do passado sombrio de Samus, a tragédia em sua colônia natal e a vida com o povo Chozo.


Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


  1. Chega de Blast From the bast do Metroid xD

    ResponderExcluir
  2. Muita boa essa coluna!
    Curti demais esse review, ainda lembro do tempo que eu passei jogando esse jogo.
    XD

    ResponderExcluir
  3. Podiam ter avisado que tem spoilers do Metroid: Other M!

    ResponderExcluir
  4. Joguei este e me borrava de medo quando via SA-X chegando perto. Vitality Sensor teria marcado uns 200 batimentos... hohoho.

    ResponderExcluir
  5. O climax do game é único.

    Seria ótimo poder ver o vírus X em mais jogos da franquia.

    ResponderExcluir
  6. O que são spoilers?

    ResponderExcluir
  7. devo ter zerado umas 4x bom demais

    ResponderExcluir
  8. É uma revelação sobre enredo de um jogo.

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google