Jogamos

Análise: Tom Clancy’s Splinter Cell: Double Agent (Wii)

A famosa série Splinter Cell é conhecida por mesclar os modos stealth, ação e aventura, além de ter seu roteiro baseado na obra de um dos p... (por Alex Sandro de Mattos em 08/12/2010, via Nintendo Blast)

Splinter Cell Box art A famosa série Splinter Cell é conhecida por mesclar os modos stealth, ação e aventura, além de ter seu roteiro baseado na obra de um dos principais escritores americanos: Tom Clancy. O primeiro game foi lançado em 2002 e de lá para cá, tem agradado muito em termos de mecânica e história, e o quarto episódio chega ao Nintendo Wii para fazer suas escolhas definirem o futuro. Ou quase isso.

De que lado você está?

Ser um agente secreto pode ser uma das missões mais ingratas possíveis. Você pode pensar em James Bond como ícone em atuar secretamente e também no lado “garanhão” que ele tem, mas com Sam Fisher a coisa é mais séria. Ele volta à cena em Double Agent, mas logo no começo do jogo, enquanto estava em uma missão, sua filha Sarah sofre um acidente de carro e morre. Fisher fica completamente abalado e se afasta do trabalho, recusa missões, entra em depressão e não quer fazer mais nada da vida. Depois de algum tempo, o agente aceita a nova missão de Irving Lambert de se infiltrar em uma organização terrorista para tentar destruí-la.

Como de praxe, após penetrar no centro norte-americano de operações da organização criminosa, Fisher deve impedir uma catástrofe mundial. Durante a partida, você viajará para diferentes lugares como, por exemplo, Shangai, Nova York, Los Angeles e outros. Mas para se diferenciar dos episódios anteriores, Double Agent apresenta uma das ideias mais interessantes da série: Sam deve manter seu disfarce e realizar os objetivos que lhe são atribuídos, mas cabe ao jogador escolher de qual lado o agente estará. Você estará dividido entre atuar pelo time do mal e ser fiel ao seu grupo, o Third Echelon.
image

Um agente que vale por dois

Fisher é enviado para uma prisão em Kansas e colocado na mesma cela que Jamie Washington, um membro da JBA (John Brown’s Army), a organização em que o agente deve se infiltrar. Ele ajuda o bandido a escapar da cadeia e é aceito no grupo terrorista. A partir desse momento, cada vez que você entrar em alguma missão, haverá dois objetivos diferentes: um para a NSA e outro para a JBA e ambas entram em conflito. Há ordens dos dois lados e você deve fazer a sua escolha, porém tem que equilibrar uma barra que aparece cada vez que se realiza um objetivo de determinada organização. Em cada extremo está o símbolo de uma das organizações e no momento em que se aproxima de um deles, começa a haver uma desconfiança. Caso atinja o extremo, você terá um limite de tempo para realizar uma determinada ação – que na maioria das vezes é encontrar um computador e enviar um e-mail – antes que falhe na missão e… é só. Diferentemente das versões para os outros consoles em que as suas escolhas afetam o final do game, aqui a coisa toda se restringe a isso. É claro que em certas ocasiões, algum detalhe muda. Por exemplo, você deve sequestrar um trem na Grand Central Station que carrega grande quantidade de jóias, dinheiro e ouro. Em determinado momento, você tem que optar em separar ou não os vagões do trem, se fizer, aparecerão dois homens armados que complicarão sua vida; se não, nada acontecerá e você poderá seguir em frente. Em outra parte do game, Sam é enviado para Cozumel, no México, para explodir um navio. O jogador pode fazer o objetivo, ou sabotar a explosão e ser espancado juntamente com sua parceira.
barra

Estátua e stealth

Certamente quem esperava que a versão do Wii fosse semelhante à do Xbox 360 e PlayStation 3 no quesito enredo, vai se desapontar. Mas o que não é correto comparar são os gráficos, que obviamente são inferiores devido às capacidades de cada um. A versão para o console branco da Nintendo é levemente melhor que a do PlayStation 2, mas nada muito surpreendente e com texturas abaixo do potencial do console. Com relação ao áudio, há diversos efeitos sonoros interessantes, a trilha sonora agrada nos momentos de tensão e o game é dublado, com destaque para os comentários cômicos de Fisher. Mas a principal característica de Double Agent que poderia diferenciá-lo dos concorrentes e tornar esta versão mais atrativa, acaba desapontando: os controles.
map Wii SC
No Wii, Double Agent é um híbrido da versão dos outros consoles e do PC. A falta de um segundo analógico pesou e sobrou para o cursor do Wiimote se virar com a câmera e com a mira das armas, portanto, cada vez que você colocar o cursor sobre o extremo da tela, ela irá girar para o lado correspondente. Até aí tudo bem, o ruim é ter que fazer isso nos momentos de ação, pois a câmera atrapalha e muito. Às vezes, ela chega a parar dentro da cabeça do agente! O pior é controlar a mira. Splinter Cell já é um game cadenciado e que exige muita paciência e dedicação dos jogadores para planejar e realizar ações, mas acredite, você deverá ter uma paciência budista duplicada ao manusear as armas. Atirar nunca foi tão complicado. Você prepara a arma, aponta e… a mira fica se movendo sem parar, mesmo se você achar que está mais parado do que uma parede. É comum errar e é preciso ser uma estátua para mirar corretamente e acertar o alvo. As únicas mecânicas funcionais com o Wii Remote são: destrancar portas, onde inclina-se o controle para os lados, precisando mantê-lo inclinado quando sentir a vibração, e desativar bombas, que após cortar o primeiro fio, o jogador terá 30 segundos para alternar entre os fios, procurando aquele que fizer o controle vibrar mais e cortá-lo.
image
Enquanto o Wii Remote se atrapalha, o Nunchuk ficou com as missões mais fáceis: cuidar dos pulos e dos encostes nas paredes. Mover o controle para a esquerda ou direita próximo a uma parede faz o agente se esgueirar; movê-lo para cima, o faz pular e dependendo do local, ele pode dependurar-se em ferros ou canos e até ficar no alto, com um pé de cada lado da parede, se o corredor for estreito. O resto fica para o pressionamento de botões. Para os mais preguiçosos, ter que esticar o dedo até o botão 2 para trocar de arma, é um sofrimento.

Para quem gosta do gênero stealth, Splinter Cell Double Agent é agradável, cheio de ação e reviravoltas de enredo. Para os que não conhecem o estilo de jogo da série, o início pode ser legal, mas fazer as mesmas coisas acaba tornando o game repetitivo com o tempo. E se quiser jogar com um amigo, há o modo multiplayer. No geral, a ideia de dualidade nas missões estende o game e o faz menos cansativo, mas os controles mal planejados atrapalham a jogatina. Se quiser testar, é por sua conta e risco, mas aqui vai uma dica: treine bastante a imitação de uma estátua, você vai precisar.
 SCD SCDA
 sam Fisher
Tom Clancy’s Splinter Cell: Double Agent – Nintendo Wii – Nota Final: 5,5
Gráficos: 5,5 | Som: 6,0 | Jogabilidade: 4,5 | Diversão: 5,5

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


  1. Nossa! Os gráficos tão uma merda. O Spilinter Cell pra PS2 até que era daora, quando eu vi os negócios que podia fazer eu pirei.

    ResponderExcluir
  2. eu joguei uma parte no PS2, gostei bastante dele só não terminei pq vendi meu ps2 pra compra meu wii ^^

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google