Jogamos

Análise: Confira o retorno de Ryu Hayabusa à Nintendo com Ninja Gaiden 3: Razor's Edge (Wii U)!

A franquia Ninja Gaiden nasceu no Nintendinho, mas após um longo hiato sem lançamentos, retornou apenas para plataformas concorrentes. ... (por Unknown em 29/09/2013, via Nintendo Blast)


A franquia Ninja Gaiden nasceu no Nintendinho, mas após um longo hiato sem lançamentos, retornou apenas para plataformas concorrentes. Com exceção do excelente Ninja Gaiden: Dragon Sword (DS), os nintendistas foram privados de aproveitar Ninja Gaiden 1 e 2, jogos que se tornaram grandes clássicos nos consoles da Microsoft e da Sony. Entretanto, Ninja Gaiden 3, lançado no inicio do ano passado para PlayStation 3 e Xbox 360, foi uma grande decepção sendo considerado por muitos um dos piores jogos do ano. 


Com o lançamento do Wii U se aproximando, a Tecmo, desenvolvedora da série, viu no console uma chance de se redimir pelo fracasso de seu lançamento e anunciou Ninja Gaiden 3: Razor’s Edge, uma versão totalmente reformulada do terceiro título desta nova fase da franquia. E como esperado, o resultado foi muito positivo.

A “Grip of Murder”

No que tange o enredo, quase nada mudou em relação a Ninja Gaiden 3. Ryu Hayabusa parte para Londres para enfrentar terroristas que se auto-denominam Lords of Alchemy, liderados pelo misterioso Regent of the Mask. Depois de lutar incansavelmente, o braço direito de Ryu é amaldiçoado com um feitiço chamado Grip of Murder, que faz com que o herói tenha que matar desenfreadamente para sobreviver. Muito ferido, Ryu consegue escapar, mas descobre que o grupo terrorista pretende destruir todo o mundo caso todas as nações não se rendam. Com este pequeno problema nas mãos, e outro maior ainda em seu braço, o herói deve salvar o mundo das mãos do grupo e ainda salvar sua própria vida, que está sob enorme risco.

Wolverine, é você?
A única diferença entre Ninja Gaiden 3 e Razor’s Edge é que o segundo conta com missões extras em que o jogador deve controlar Ayane e buscar reconstituir o Black Spider Clan. Além de adicionar mais conteúdo ao jogo, as missões servem como uma segunda aventura que ajudam a dar mais variedade para o título.

Prepare-se para morrer!

Um dos pontos mais altos da franquia que acabou se perdendo em Ninja Gaiden 3 foi a impiedosa dificuldade dos títulos. Felizmente, no Wii U, Ninja Gaiden faz bonito com seu nível de dificuldade insana capaz de fazer o mais hardcore dos jogadores querer jogar seu controle contra a parede. E a dificuldade não se limita apenas aos chefes, que podem levar muito tempo para serem batidos, mas também no mais simples e comum dos inimigos. Portanto, se você não curte jogos com alto nível de dificuldade, passe longe deste título.

Os combos são recompensados com Karma Points, que podem ser trocados por novas habilidades
Apesar da dificuldade, controlar Ryu e Ayane pelos belos cenários da aventura é um deleite. Com comandos precisos e eficientes, enfrentar os inimigos é extremamente prazeroso e exige um timing impecável por parte dos jogadores. Ao contrário dos outros títulos da franquia, em que Ryu está limitado ao uso de sua Dragon Sword, em Razor’s Blade o personagem pode utilizar uma boa variedade de equipamentos, todos com movimentos únicos e adequados para momentos e lutas diferentes.

Ryu pode utilizar diversas armas diferenes
Durante a jogatina, a tela do GamePad apresenta a lista de movimento das armas e também é possível executar habilidades tocando-a diretamente. Contudo, apesar de ergonômico e leve, o GamePad não é o controle mais adequado para se jogar Ninja Gaiden. Com o Pro Controller a jogatina se torna mais fluida e prática, fazendo com que o controle seja o ideal para o jogo, já que ele exige rapidez e grande familiaridade com os comandos.

Ayane é uma boa adição para a aventura
Mesmo com a jogabilidade melhor do que Ninja Gaiden 3, Razor’s Edge fica devendo em relação a seus antecessores quanto à velocidade da ação. Isto não chega a ser um defeito, já que o jogo presenteia os jogadores com uma lindíssima e divertida carnificina, mas ainda assim muitos podem pensar que a série regrediu neste aspecto.

A linda carnificina

Desde o seu retorno triunfal no Xbox, Ninja Gaiden ficou famoso pelos seus gráficos incrivelmente belos e detalhados e no Wii U isto não poderia ser diferente. Ninja Gaiden conta com cenários muito belos e detalhados, além de personagens extremamente bem modelados. O visual colorido torna os combates belíssimos de serem assistidos e as animações, seja dos heróis como dos vilões, é muito fluida e bem coreografada. Para melhorar ainda mais a situação, o jogo quase nunca apresenta lentidões, o que para jogos do gênero é um pré-requisito que não vem sendo cumprido por boa parte das desenvolvedoras.

Prepare-se para ver muito sangue!
A trilha sonora do jogo é frenética e embala toda a carnificina presenciada nas cenas de ação de maneira que o jogador se sente cada vez mais estimulado a fatiar todos os inimigos que encontrar pelo caminho, mesmo que em vários momentos ocorra o inverso disso.

O bom filho a casa torna

Depois de muito tempo sem aparecer em consoles de mesa da Nintendo, Ninja Gaiden faz seu retorno triunfal à empresa com um jogo que melhora em todos os aspectos a versão lançada para Xbox 360 e PlayStation 3 no início do ano passado. Com uma jogabilidade precisa e fluida, gráficos belíssimos e missões completamente novas, Ninja Gaiden 3: Razor’s Edge marca uma era em que a Nintendo deixa de lado sua implicância com jogos adultos e os abraça para cativar um público ainda maior.

Prós

  • Jogabilidade fluida;
  • Gráficos belíssimos;
  • O retorno da alta dificuldade;
  • Missões com Ayane adicionam variedade ao título.

Contras

  • O GamePad não é o controle mais indicado para o jogo;
  • Mesmo com as melhorias, Ninja Gaiden 3 ainda não é o melhor da franquia;
  • Apesar de excelente, a alta dificuldade pode afastar alguns jogadores.


Ninja Gaiden 3: Razor’s Edge – Wii U – Nota: 8.0

Revisão: Ramon Oliveira de Souza
Capa: Vitor Nascimento

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google