Sabia que The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS) poderia ser uma sequência de Spirit Tracks (DS)?

As entrevistas de Satoru Iwata , o presidente da Nintendo, com os desenvolvedores sempre trazem curiosidades interessantes sobre os jogos... (por Alex Sandro de Mattos em 19/11/2013, via Nintendo Blast)


As entrevistas de Satoru Iwata, o presidente da Nintendo, com os desenvolvedores sempre trazem curiosidades interessantes sobre os jogos que são lançados nas plataformas da Big N. No mais recente Iwata Asks, o presidente conversou com a equipe responsável pelo desenvolvimento de The Legend of Zelda: A Link Between Worlds, título que será lançado para o 3DS em 22 de novembro. E uma curiosidade chamou a atenção: A Link Between Worlds começou como uma sequência de Spirit Tracks (DS) e não de A Link to the Past (SNES).


O desenvolvimento de A Link Between Worlds começou logo após a equipe concluir Spirit Tracks e o primeiro pensamento foi de que o game para 3DS seria uma sequência do jogo de DS, inclusive com Toon Link. Porém, como a maior parte da equipe estava trabalhando em Skyward Sword (Wii), apenas três pessoas começaram a trabalhar no próximo título portátil: o produtor Eiji Aonuma, o diretor Hiromasa Shikata e o diretor assistente Shiro Mouri. Ao mostrar a primeira ideia para Miyamoto, o lendário designer disse que "parecia uma ideia de 20 anos atrás".

Mas Shikata ficou impressionado com a ideia de Link ser capaz de se fundir com as paredes e poder mover-se nelas, apesar de não fazer muito sentido. Mouri gostou da ideia e fez um protótipo de como seria:

O protótipo de A Link Between Worlds ainda com Toon Link
Mouri: Tinha um outro programador que geralmente é uma pessoa bem-educada, mas Shikata, que tinha sugerido a ideia, estava tão indeciso sobre isso que o programador ficou bravo e disse irritado: "Eu acho que a ideia de entrar nas paredes soa incrível, então o que há de errado com ela!?"

Iwata: Apesar de ele ser bem-educado?

Mouri: Sim [risos]. Ele ficou ainda mais nervoso, dizendo: "Estamos como em uma bifurcação na estrada enquanto esse projeto está se perdendo ou não, então eu não vou mudar minha mente!" e "Nós estamos fazendo isso independentemente, então diga-nos que fazer!". Então Shikata disse "Talvez o ponto seja virar nos cantos das paredes..." sem qualquer confiança, por isso fiquei com muita raiva e retruquei: "Estou fazendo um protótipo!"

Iwata: Quando você fez esse protótipo, era uma visão top-down direta como em A Link to the Past?

Shikata: Não. Como em Spirit Tracks, com visão de um ponto de vista de cima de um ângulo.

Aonuma: Na época, nós estávamos pensando nisso como uma extensão dos jogos do DS.
A ideia de ser um sequência de A Link to the Past veio apenas após o fim da produção de Skyward Sword, quando Aonuma e e o assistente diretor Tominaga apresentaram a ideia para Miyamoto, que sugeriu para a equipe se basear em A Link to the Past.

Curioso, não?


Desde que aprendeu a jogar videogames com Yoshi's Island e Donkey Kong Country 2, sempre é visto com um controle ou portátil da Nintendo na mão. Descobriu o amor por The Legend of Zelda com Ocarina of Time e sempre está querendo mais Zeldas. Gosta de escrever notícias, análises e bobagens aqui enquanto não está sonhando com um novo Silent Hill.


Disqus
Facebook
Google