Jogamos

Análise: Yoshi's New Island (3DS) une carisma com um toque de déjà vu

Com muita nostalgia e pouco desafio, a nova aventura de Yoshi tenta, ao mesmo tempo, agradar velhos fãs e atingir um novo público no portátil.


Super Mario World 2: Yoshi’s Island, lançado para o Super Nintendo em 1995, foi e ainda é considerado por muitos fãs, um dos melhores jogos de progressão lateral da era 16-bits. Mesmo sendo um jogo do Mario, a aventura na ilha dos Yoshis apresentava uma forma diferenciada de jogabilidade, aliada a um visual belíssimo e carismático com uma trilha sonora inesquecível. Cá estamos, quase duas décadas depois, recebendo uma nova aventura dos dinossauros coloridos, desta vez para o Nintendo 3DS. Na realidade, Yoshi’s New Island não é exatamente “novo” em sua totalidade, mas carrega muito fofura. Hora de descobrir se vale a pena revisitar a ilha dos Yoshis e aturar novamente os choros de Baby Mario.

Nostalgia de duas décadas em duas telas

Foi em um descomprometido Nintendo Direct em abril do ano passado que o primeiro trailer do novo jogo de Yoshi apareceu. Era evidente que a aposta da Nintendo seria a de reviver a nostalgia dos velhos fãs e, ao mesmo tempo, trazer um título 2D diferente para um novo público. Foi somente durante a E3 2013 que descobrimos que o título se chamaria Yoshi’s New Island.

Yoshi’s New Island é uma sequência direta do primeiro Yoshi’s Island do Super Nintendo. Sim, nós sabemos que há a versão para DS, mas New Island começa exatamente após o final do título original. Aqueles que terminaram o jogo do Super Nintendo devem se lembrar que, nos créditos, a cegonha voa e entrega Baby Mario e Baby Luigi para os pais. Yoshi’s New Island começa exatamente aqui, revelando que a entrega foi na casa errada, já que o casal não estava a espera de bebês. Desesperada, a cegonha voa rapidamente para entregar os bebês aos verdadeiros pais, mas novamente Kamek ataca a pobre ave e rapta Baby Lugi, enquanto o Baby Mario cai em queda livre.



Baby Mario cai mais precisamente em Egg Island, uma ilha flutuante habitada por Yoshis e que foi dominada por Baby Bowser. O bebê de chapéu vermelho pode sentir telepaticamente a direção em que está Baby Luigi e decide engatinhar em busca do irmão. Mas os dinossauros coloridos não deixarão um pequeno bebê se aventurar pela ilha e decidem ajudá-lo nessa empreitada. E assim a jornada se inicia.

Desde o início, é claramente perceptível notar que New Island apela principalmente para a nostalgia. Quem jogou o título original vai reconhecer trechos familiares, velhos inimigos e os Winged Clouds (nuvens de “?”) para você arremessar ovos. Tudo está ali. A jogabilidade tradicional também foi mantida: você ainda utiliza os botões para dar linguada e engolir inimigos, pular e lançar ovos, podendo até configurar os controles ao seu estilo.



Outro fator que vai logo chamar a sua atenção é o estilo gráfico de Yoshi’s New Island. Possivelmente ele vai causar certa estranheza em um primeiro momento, mas logo você vai se acostumar com o colorido e o carisma dos ambientes. Os cenários ainda parecem ser desenhado a mão com gizes, enquanto os personagens, itens e inimigos em primeiro plano são pré-renderizados em 3D. E mesmo sendo um pouco serrilhados, logo você vai se impressionar com o belo visual do jogo. Mesmo que o efeito 3D do título não seja surpreendente, ele deixa perceptível as camadas dos cenários e causa um contraste bonito de se ver.

As músicas do jogo são pouco marcantes. Na realidade, as canções são uma variação do tema principal tocada com diversos instrumentos e logo você vai enjoar de ouvi-la, ignorando-a em algumas fases. O destaque fica para a canção no World Map. Cada mundo adiciona um novo instrumento para a música que é continuamente tocada. E acredite: até o choro de Baby Mario e mais ameno e suportável em New Island.

O maior atrativo e inovação de New Island é a inserção dos Eggdozers. Em algumas fases do jogo é possível encontrar um grande bloco de ovos ou um Shy Guy gigante que pode ser engolido por Yoshi. Assim, o dinossauro obtém um ovo gigante capaz de destruir o cenário ao seu redor, revelando novos caminhos e segredos. Mesmo aparecendo apenas em trechos específicos, o uso dos ovos gigantes é bem divertido e interessante.

Ovos gigantes nos céus e nas águas

Há dois tipos diferentes de ovos gigantes em New Island: os Mega Eggdozer e os Metal Eggdozer, cada um com habilidades distintas. Conheça as características de cada Eggdozer:
  • Mega Eggdozer

São ovos brancos e verdes obtidos em grandes blocos de ovos ou ao engolir um Giant Shy Guy. O Mega Eggdozer pode ser arremessado em qualquer direção e pode quebrar paredes. Se você causar uma destruição sequêncial ao arremessar um desses, pode ganhar até três vidas extras.

  • Metal Eggdozer

Os ovos metálicos gigantes são obtidos ao engolir algum Giant Metal Shy Guy. Por ser pesado, Yoshi não pula grandes alturas quando está com um Metal Eggdozer e só pode ser arremessado na horizontal. Esse tipo de ovo gigante também permite a Yoshi andar em áreas submersas.

O mal do “New”

Todos nós sabemos que a série New Super Mario Bros. oferece um “mais do mesmo” a cada novo título, mantendo um padrão e adicionando poucos elementos inovadores. Com Yoshi’s New Island não é muito diferente. Haverá muitos momentos que parece que você está jogando uma expansão da aventura original. Por exemplo, a fase 1-2 ainda traz os Chomps que saltam do fundo da tela e quebram o chão; o estágio 3-1 traz os macaquinhos sobre as árvores cuspindo sementes de melância; na fase 4-3, há balões de ar coloridos flutuando.

Essa familiaridade não é necessariamente ruim, mas vai levar os velhos fãs de Yoshi’s Island a fazerem comparações com o novo jogo e notamos que New Island deixa a desejar. As fases são extremamente curtas e a dificuldade é praticamente inexistente. Basicamente, as únicas formas de perder vidas no jogo é caindo no abismo, em espinhos ou na lava, ou seja, somente em situações pontuais. Há até mesmo um poder com as clássicas asas de Super Mario World que aparece após os jogadores morrerem muitas vezes na mesma fase .A série Island sempre foi diferenciada dos jogos principais do Mario por ser focada mais na exploração dos cenários, sem a presença do tempo como adversário, então tornar as fases excessivamente pequenas em Yoshi’s New Island mostra que o título é mais voltado para um público novo e casual do que para os fãs de longa data.



O título ainda segue o padrão de seis mundos com oito fases cada (sendo duas delas de castelo) e uma extra desbloqueável. Os estágios são divididos sempre em três seções, sem muitos desafios, e em uma ou outra há um trecho que Yoshi se transforma em algum veículo. Nesses momentos, a jogabilidade passa a ser pelo giroscópio do portátil, ou seja, você avançará pelas fases inclinando o seu 3DS. Das transformações presentes em Yoshi’s New Island, duas apresentam um terrível uso do giroscópio: helicóptero e submarino. Essas, especificamente, são usadas em trechos apertados e ainda há limite de tempo para a transformação, logo, a inclinação responderá muito mal e você ficará batendo ou preso em alguma parte da fase. Serão várias tentativas até você conseguir passar esses trechos. Apesar de muitas vezes serem opcionais, em algumas fases o uso das transformações é obrigatório para prosseguir e essencial para quem quer completar 100% do jogo.

É hora de morfar!

Os Yoshis possuem seis diferentes transformações em New Island. Conheça melhor cada uma delas:
  • Helicopter

A clássica transformação em helicóptero está de volta! Uma das mais difíceis de controlar em corredores. Pressionar qualquer botão faz o helicóptero recuar para evitar inimigos ou coletar alguma moeda que ficou pra trás.

  • Hot-Air Balloon

Uma das novas transformações em New Island é a de balão de ar. Inclinar o portátil define a direção do balão e pressionar um botão o faz subir mais lentamente. Use os impulsionadores verdes para subir mais rapidamente.

  • Mine Cart

A transformação em carrinho de mina é uma das mais divertidas e fáceis de controlar. A inclinação do portátil define a direção e apertar qualquer botão faz o carrinho pular para coletar moedas e evitar inimigos.

  • Jackhammer

Para quebrar blocos durante a descida, Yoshi se transforma em uma britadeira. É sempre importante quebrar blocos nos cantos da fase, pois muitos deles escondem moedas. Para quebrar blocos azuis é preciso pressionar o botão duas vezes.

  • Bobsled

Nada de usar gorro e pranchas para esquiar. Yoshi agora se transforma em um trenó de Bobsled para deslizar pela neve. Inclinar o controle para os lados movimenta o veículo e pressionar qualquer botão é útil para saltar e evitar inimigos.

  • Submarine

A transformação de submarino também retorna. Apertar qualquer botão dispara um míssil para retirar inimigos e blocos no caminho e pressionar o botão movimenta-o de ré. Controlar inclinando o portátil é um grande desafio.


E por falar em 100%, encontrar todas as vinte moedas vermelhas, as cinco flores e passar a fase possuindo 30 estrelas é o grande desafio de Yoshi’s New Island. Desta vez não é necessário coletar tudo para completar a fase em 100%, pois você pode coletar apenas todas as moedas uma vez e jogar novamente a fase para pegar o que deixou pra trás, facilitando um pouco o jogo. Apesar da maioria dos itens estarem visíveis, o segredo para pegar todos os colecionáveis é encontrar os balões de “?” invisíveis, o que transforma o jogo em uma caçada incessante a um mísero balão. Pense na seguinte situação: você possui 19 moedas, como encontrar a última? Pule como um maníaco para encontrar o maldito balão “?” que revela uma porta ou a própria moeda em algum canto suspeito da fase.

Até as batalhas contra os chefes são pouco inspiradas, com exceção dos confrontos contra Kamek que são variados e criativos. Yoshi’s New Island também traz minigames para serem jogados com mais um amigo, sendo que é preciso somente um cartucho. Os desafios envolvem engolir inimigos, estourar balões ou flutuar o mais longe possível. Mas os desafios são curtos e não serão jogados muitas vezes.

A ilha é nova. A sensação é de déjà vu

Yoshi’s New Island é um bom jogo 2D de plataforma para se jogar. Desenvolvido pelo estúdio Arzest, que possui membros que desenvolveram Yoshi’s Island DS, a nova aventura é uma tentativa da Nintendo para agradar velhos fãs e apresentar o título para um novo público, mostrando que a gigante japonesa ainda sabe fazer jogos 2D carismáticos. Ele se mantém fiel no quesito jogabilidade, mas apresenta fases curtas e ausência de dificuldade, sendo um título para ser jogado descompromissadamente. Se você procura desafio e jogos extensos do gênero, há opções melhores como Donkey Kong Country Returns 3D e Rayman Origins. Caso queira relembrar um dos grandes clássicos da era 16-bits sem exigir muito, revisitar a ilha dos Yoshis e aguentar os choros de Baby Mario valerá a pena.

Prós

  • Inserção interessante dos Eggdozers;
  • Visual ainda muito bonito;
  • Jogabilidade tradicional foi mantida.

Contras

  • Fases muito curtas;
  • Dificuldade baixa;
  • Péssimo uso do giroscópio em algumas transformações;
  • Músicas pouco inspiradas.
Yoshi’s New Island — Nintendo 3DS — Nota: 7.0
Revisão: José Carlos Alves
Capa: Diego Migueis


Fã da Nintendo, aprendeu a jogar com Yoshi's Island e Donkey Kong Country 2, mas descobriu o amor por The Legend of Zelda com Ocarina of Time. Gosta de escrever notícias, análises e bobagens aqui enquanto não está jogando games de puzzle, plataforma e de survival horror.

Comentários

Google
Disqus
Facebook