Blast from the Past

Pokémon Diamond and Pearl (DS): memórias de uma quarta geração lenta e icônica

Já são 12 anos desde a inauguração das aventuras em Sinnoh no Nintendo DS.


Lançado pela primeira vez no Japão em 28 de setembro de 2006, Pokémon Diamond and Pearl completaram 12 anos de história e de pesquisas sobre a melhor equipe para ser usada no game. Os games são marcos do início da quarta geração e foram os primeiros títulos da série principal a serem lançados para Nintendo DS. O RPG foi pioneiro nas conectividades via Wi-Fi Connection da franquia e se situa na famosa região de Sinnoh — extremamente recomendada, caso você não tenha jogado antes.


De Twinleaf para o mundo

A nova jornada começa na pacata cidade de Twinleaf. Os protagonistas da série são chamados Lucas e Dawn e o jogador, logo de cara, se depara com o professor Rowan, o responsável por apresentar como funciona o mundo Pokémon e por entregar o primeiro monstrinho. Assim, logo no começo do jogo, Barry, o melhor amigo e rival do jogador, e Lucas ou Dawn são atacados por dois Starly e, com isso, precisam escolher um dos três Pokémon iniciais: Turtwig, Piplup ou Chimchar.
Após a clássica introdução do contexto da série, o jogador tem a liberdade de seguir com sua jornada — cheia de contratempos por sinal. A tela touch screen do DS ganha funções bem interessantes ao decorrer da jogatina, visto que o conhecido Pokétch, recebido em Jubilife City, na tela inferior do console é manuseado pelo uso da Stylus. Além disso, a melhoria dos sprites é gigante se comparados com a terceira geração de Game Boy Advance, preservando as características únicas dos monstrinhos e entregando um carisma único apreciado até nos dias atuais.
Além do mais, os novos monstrinhos da geração — que somam mais de 100 — são em sua maioria bem interessantes e valorizados até nas gerações atuais. O interessante é perceber o resgate da quarta geração ao dar valor para Pokémon de gerações passadas, uma vez que são introduzidas muitas evoluções prévias, os chamados Pokémon bebê, e novas evoluções de monstrinhos já reconhecidos desde a primeira geração.

Com isso, Aipom evoluirá para Ambipom se ele aumentar de nível aprendendo o ataque Double Hit, Eevee poderá evoluir para Glaceon caso aumente de nível em uma rota específica ou para Leafeon caso aumente de nível perto de uma Moss Rock e nascerá um Budew caso seja gerado um ovo de Roselia com ela segurando um Rose Incense, por exemplo. Esses são apenas alguns exemplos da grande diversidade apresentada em Sinnoh, trazendo uma valorização apreciável aos Pokémon que não eram tão requeridos pelos jogadores.

Novas mecânicas também aparecem em Pokémon Diamond and Pearl. Além de novos ataques e habilidades, o chamado Sweet Honey, colocando mel nas árvores amareladas para atrair Pokémon específicos, e o famigerado Pokéradar, item disponível no pós game, agregam muito à jornada em Sinnoh, além de outras mecânicas conhecidas, como a Battle Tower, os Contests, os Pofins, os Swarming Pokémon, dentre outras.

Entretanto, algo que muitos jogadores reclamam sobre esses jogos é a respeito da velocidade aplicada no jogo. Assim, com ações lentas, escala de níveis exigente, principalmente pela dificuldade de encontrar um Lucky Egg, e narrativas demoradas tornaram o jogo um pouco cansativo, mesmo que isso não arruíne a grandiosidade do game. Também é válido mencionar o marco musical de Diamond e Pearl, principalmente por toques em sua maioria alegres e que retratam muito bem o capricho dos desenvolvedores pela franquia.
Em síntese, a história continua a mesma. O jogador tem que desafiar os oito ginásios espalhados pela região de Sinnoh e enfrentar a Elite 4 para ser nomeado Pokémon Champion. Depois de derrotar todos os quatro membros, o jogador luta contra a campeã da Sinnoh League, Cynthia. Contudo, a chamada Team Galactic interfere nessa cronologia e introduz contratempos bem interessantes sobre a história mitológica da quarta geração.

Mitologia é o que não falta

A história de Sinnoh é, sem dúvidas, uma das mais bem elaboradas da série. O protagonista encontra a equipe antagônica, Team Galactic, logo no início do jogo, mas os motivos da equipe não são claros a princípio. O protagonista encontra a equipe duas vezes antes dela tomar os três lagos de Sinnoh na tentativa de capturar os Pokémon MirageUxie, Azelf e Mesprit.

Logo após o jogador ganhar a sétima insígnia, a Team Galactic, liderada por Cyrus, captura o trio lendário e os aprisiona dentro do laboratório de ciências do edifício Team Galactic Headquarters, onde seus membros extraem cristais dos Pokémon para criar a Red Chain, um objeto que pode controlar o lendário Pokémon Palkia, em Pearl, ou Dialga, em Diamond. Depois de soltar o trio no laboratório, o protagonista consegue acessar o Spear Pillar, uma antiga ruína no topo do Mt. Coronet, onde o líder da equipe Galactic convoca Dialga ou Palkia.
Palkia tem a capacidade de distorcer o espaço, embora tenha sido dito que ele também cria realidades alternativas. Por outro lado, Dialga pode distorcer o tempo acelerando-o, diminuindo a velocidade ou parando-o completamente. Como Palkia e Dialga vivem em uma dimensão diferente, o estudo sobre o comportamento desses Pokémon é quase impossível. Após uma série de conflitos, o jogador então luta com Palkia ou Dialga, dependendo da versão, restaurando Sinnoh após distorções causadas por esses Pokémon míticos.
É preciso comentar também sobre outros Pokémon lendários que aparecem na geração IV. Giratina é capaz de viajar e controlar dimensões além daquelas do tempo e do espaço e é o Pokémon principal de Pokémon Platinum (DS). Giratina é altamente agressivo e territorial, além das lendas afirmarem que Giratina aparece em cemitérios e que supostamente foi banido por violência.

Por fim, acredita-se que Arceus tenha criado a região de Sinnoh e possivelmente todo o mundo Pokémon, os guardiões do lago — Uxie, Azelf e Mesprit — e o trio de criação Dialga, Palkia e Giratina. Por causa disso, Arceus é considerado uma das espécies mais longevas de todas as espécies Pokémon. Há também outros Pokémon míticos icônicos dessa geração, como Regigigas, Darkrai, Cresselia, Manaphy e Shaymin, que merecem um destaque especial futuramente.

Conectividade (quase) sem limites

Pokémon Diamond e Pearl foram os pioneiros da conexão sem fio interna do Nintendo DS, permitindo trocas e batalhas on-line, além de novos modos interativos com tais possibilidades. Além disso, os ovos recebidos em Pokémon Ranger (DS) são enviados via wireless e os jogos têm a capacidade de se conectar ao Nintendo Wii, uma vez que os jogadores podem copiar seus Pokémon para serem usados em Pokémon Battle Revolution (Wii) e em My Pokémon Ranch (Wii).
Diamond e Pearl também mantém compatibilidade com jogos da Geração III. O procedimento é simples: o Pokémon da terceira geração do jogador pode ser permanentemente transferido através do Pal Park, permitindo, também, que alguns Pokémon que anteriormente não poderiam ser pegos usando o modo de dual-slot — em que é inserido um cartucho dos jogos da terceira geração no Nintendo DS — sejam encontrados.

Referência para a época

Pokémon Diamond e Pearl foram criticamente bem recebidos, incluindo uma declaração da Nintendo Power chamando-os de "a melhor experiência Pokémon". A inclusão de recursos de Wi-Fi e o recurso de bate-papo por voz também foram elogiados. Porém, os jogos foram criticados por seus gráficos um pouco básicos, com a IGN comentando: "se você está procurando por visuais impressionantes, você não vai comprar este jogo". Assim, os títulos para Nintendo DS possuem uma classificação de 85,09% em média no GameRankings.


Além disso, em 27 de dezembro de 2006, foi anunciado que os dois jogos combinados se tornaram os primeiros jogos de Nintendo DS a atingir cinco milhões de unidades vendidas. Para se ter noção, nos Estados Unidos, mais de 533.000 pré-vendas foram feitas antes do lançamento e um milhão de cópias foram vendidas em cinco dias. No ano fiscal de seu lançamento, eles venderam 5,21 milhões de unidades — demonstrando o poder de Pokémon Diamond e Pearl que totalizaram 17,67 milhões de cópias em todo o mundo.

Enfim, é difícil resumir em poucos parágrafos a grandiosidade de Pokémon Diamond and Pearl e a importância dos títulos para a época. As boas memórias fixadas pela nostalgia desses jogos são, com certeza, lembranças que serão guardadas por muitos fãs da franquia.

Capa: João Pedro Finoto

Paulo Vinícius é estudante e apaixonado por games desde seu primeiro contato com Duck Hunt e Ice Climbers do nintendinho em 2002. Fanático por Pokémon e admirador de diversas franquias, reúne seu tempo livre para escrever e tentar colocar suas séries em dia. Está no Facebook e Instagram.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook