Pokémon Blast

As maiores inovações dos jogos da franquia Pokémon

Vamos listar as principais mudanças que a série recebeu ao longo de suas gerações.

Muito tempo já se passou desde o surgimento dos jogos de Pokémon. Desde os bons e velhos Pokémon Green (GB/3DS) e Pokémon Red (GB/3DS), várias novas mecânicas e recursos foram adicionados a cada nova geração de títulos. Mas dentre essas inovações que vimos ao longo de tantos anos, quais poderiam ser consideradas as mais significativas? Neste Top 10, vamos listar as maiores novidades que tivemos até a geração atual. Então pegue suas Pokébolas, suba na sua bicicleta, traga suas poções e vamos lá!

Antes de começarmos

Primeiramente, cabe aqui explicar alguns pontos importantes. Todas as gerações da série principal foram analisadas para a criação do Top 10. A relação considera cada uma delas em si, sem levar em conta “variações internas” (Gold, Silver e Crystal, por exemplo). E, por fim, lembremos que a primeira geração não conta, afinal foi ela que permitiu que as inovações surgissem. Feitos estes comentários, vamos começar a lista.

10 - TMs tem uso infinito - Geração V

Abrindo a lista temos uma inovação que acabou com uma dúvida muitas vezes cruel: quais Pokémon deveriam receber os TMs coletados ao longo do jogo. Com a chegada da Geração V, os itens com os golpes do tipo Technical Machine se tornaram de uso infinito. Assim, ficou mais fácil montar equipes competitivas durante a campanha sem abrir mão de algum membro com ataque poderoso.
Gerenciar os recursos para os TMs ficou mais fácil com a Geração V

9 - Pokémon em 3D - Geração VI

Inicialmente, jogar Pokémon em três dimensões era uma exclusividade de títulos como Pokémon Stadium (N64) e Pokémon Colosseum (GC). Foi então que na Geração VI tivemos o início dos gráficos 3D, onde podemos ver os nossos companheiros em toda a sua glória tridimensional. Além de proporcionar batalhas mais emocionantes, este recurso permitiu aos jogadores conhecerem melhor as características de cada Pokémon.

8 - Batalhas em dupla - Geração III

O sistema de luta nos jogos de Pokémon é bastante sólido e competente, o que garantiu sua manutenção ao longo dos anos. Buscando trazer uma nova mecânica para as disputas, a Geração III trouxe as batalhas em dupla. Embora elas não sejam uma unanimidade, é inegável que esta nova opção exigiu novas estratégias e possibilitou combates inovadores.
Muito mais estratégia nas batalhas em dupla
Aqui, manter a sinergia entre os membros da equipe, sobretudo dos dois Pokémon em campo, é tão importante quanto ter níveis elevados ou golpes poderosos. Tudo porque vários movimentos (novos e antigos) afetavam ambos os inimigos e companheiros. Vale lembrar que o VGC (Video Game Championships), competição oficial da Pokémon Company, é realizada com disputas em dupla.

7 - HMs removidos - Geração VII

A necessidade do jogador carregar na sua equipe Pokémon com HMs específicos para avançar no game sempre foi um limitador. Seja pela necessidade de termos um “carregador de HMs” ou então sacrificar um dos quatro golpes de algum membro importante do time, esta mecânica, apesar de adicionar mais estratégia ao game, sempre atrapalhou os jogadores em um contexto geral.
Se bem que surfar com o Pikachu é divertido...
Logo, a remoção dos HMs na Geração VII foi muito interessante e merece seu sétimo lugar. Sem precisarmos gerenciar a equipe para comportar os Hidden Machines, que são normalmente pouco interessantes, equipes mais competitivas puderam ser montadas ao longo de todo o jogo. Além disso, a mecânica que substituiu os HMs, chamada de Poké Ride, é simplesmente muito legal!

6 - Tipo Fada - Geração VI

Toda mudança mais significativa nas mecânicas de batalha da série Pokémon sempre causou furor nas suas comunidades. E a inserção do tipo Fada na Geração VI não foi uma exceção. O seu propósito principal é claro: de se tornar uma nova ameaça ao “intocado” tipo Dragão, até então com fraqueza somente ao tipo Gelo e a si próprio. Vários movimentos e criaturas foram reclassificadas como Fadas, que foram acompanhadas pelo lançamento de elementos inéditos ao longo das novas gerações.
Várias estratégias novas surgiram com os Pokémon fada

5 - Mega Evolução - Geração VI

Anunciada com muito destaque, as Mega Evoluções chegaram na Geração VI trazendo uma mecânica inusitada. Através de um item especial, um único Pokémon da equipe pode realizar uma Mega Evolução que altera significativamente as suas características (tanto em termos visuais quanto de habilidades). Ampharos, por exemplo, adquire o subtipo Dragão e tem um aumento no status ataque especial (entre outras mudanças).
Ampharos (esquerda) e Mega Ampharos
Vários Pokémon receberam Mega Formas, sendo que Charizard e Mewtwo têm duas diferentes, alcançadas de acordo com o item que cada um carrega. Mesmo com algumas críticas, tais como comparações depreciativas com a série Digimon, a possibilidade de mudar as características do seu Pokémon na partida foi bem recebida e é certamente uma inovação digna do quinto lugar.

4 - Conexão via internet - Geração IV

Desde os seus primórdios, um dos apelos dos jogos de Pokémon é a possibilidade da interação de dois jogadores. O famoso Cabo Link é um dos primeiros recursos disponibilizados para se realizar trocas e batalhas com o seu amigo. Na Geração IV, tivemos a estreia da conexão via internet e sem fio local, que tornou tudo mais fácil: através da Nintendo Wi-Fi Connection, batalhas, trocas e eventos ficaram mais fáceis, rápidos e acessíveis para toda a comunidade Pokémon.

3 - Tipos Escuridão e Metal - Geração II

Se o tipo Fada foi uma mudança interessante, o que dizer da estreia dos tipos Escuridão e Metal na Geração II? Motivada principalmente pela supremacia dos Pokémon Psíquico e Normal na primeira geração, ela trouxe novas resistências, vantagens e movimentos para o metagame. Nomes como Scizor e Umbreon se tornaram muito populares, tanto pelo apelo visual quanto pela capacidade de luta, sendo que mais e mais criaturas destes tipo foram lançadas até as gerações atuais.
Bisharp (e sua pré-evolução) são do tipo escuridão/metal

2 - Habilidades e naturezas - Geração III

Desde o seu lançamento, a série Pokémon tentou deixar claro que cada criatura era “única”. Para isso, elementos como EVs (Effort Values) e IVs (Individual Values), que são gerados aleatoriamente, foram utilizados nas duas primeiras gerações. Foi então que na Geração III tivemos a adição de mais um nível de individualidade: as habilidades (ability) e naturezas (nature).
Swampert com habilidade Torrent e natureza Brave
A primeira confere alguma capacidade extra ao Pokémon, quase como um “golpe passivo”. Intimidate, que diminui o ataque do oponente, e Sand Veil, que aumenta a evasão durante o movimento Sandstorm (além de imunidade a este ataque), são alguns exemplos clássicos. Já as naturezas podem conferir pontos extras em um determinado status ao custo de perda em outro. Por exemplo: a natureza Adamant aumenta o ataque físico, mas diminui o ataque especial.

Com estes novos elementos, capturar e treinar um Pokémon começou a exigir ainda mais cuidado. Afinal, além de EVs e IVs fortes, ter uma habilidade interessante e uma natureza adequada ao tipo e características de batalha da criatura poderiam torná-la ainda mais poderosa. Ou seja, uma mudança digna do segundo lugar da nossa lista.

1 - Divisão de golpes entre físicos e especiais - Geração IV

Uma das maiores injustiças nas três primeiras gerações foi a categoria dos tipos de golpes. Água e fogo, por exemplo, eram considerados do tipo special, enquanto pedra e normal do tipo physical. Embora esta divisão seja intuitiva, ela acabou prejudicando (e muito) vários Pokémon com atributos “incompatíveis” com o seu tipo. E certamente um dos melhores exemplos é o Gyarados.
Gyarados recebeu uma nova chance com esta divisão
Presente desde a primeira geração, seu alto ataque físico não combinava com o seu tipo água, cujos movimentos levavam em conta o quesito special. Com a Geração IV, tivemos uma nova divisão: além do tipo elemental, cada golpe também é dividido entre físico e especial. Com esta mudança profunda, mas justa, vários Pokémon finalmente tiveram oportunidade de brilhar, mas sem prejudicar (significativamente) o status geral dos games. Devido ao seu grande impacto tanto no cenário casual quanto no competitivo, esta inovação leva o primeiro lugar do nosso Top 10.

Menções Honrosas

Além das inovações listadas, várias outras mudanças bastante interessantes também merecem ser lembradas. Na Geração VI, tivemos acesso visualmente dentro do jogo aos chamados EVs e IVs, até então ocultos ao jogador e que determinam as características dos Pokémon. Embora pouco lembrada, a divisão do menu de acesso aos itens através dos bolsos de uma mochila, na Geração II, foi uma grande evolução em relação aos jogos originais. O Pokémon World Tournament, os Z-Moves e a customização visual do personagem principal, apresentados respectivamente nas gerações V, VII e VI, são outras menções importantes.
Novos "movimentos" com os Z-Moves
E você, leitor? Gostou do Top 10? Quais inovações você gostaria de ver em Pokémon Shield e Pokémon Sword? Deixe a sua opinião?

Revisão: André Carvalho

é redator do site GameBlast desde maio de 2018 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, COD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank.

Comentários

Google
Disqus
Facebook