Pokémon Blast

O caminho de um mestre: as participações de Ash Ketchum na Liga Pokémon [Parte 3]

Todos os caminhos trilhados pelo treinador de Pallet o levam para competir na liga, onde ele busca, algum dia, alcançar o título de Campeão.


Na primeira parte desta série o nosso herói comprovou o quão difícil é uma Liga Pokémon, ficando apenas entre os 16 melhores da região de Kanto. Por outro lado, seu desempenho nas ilhas Laranja foi formidável, tornando-se campeão após uma intensa batalha contra o Dragonite de Drake. Mesmo tendo provado o seu valor, Ash continua em sua jornada pela região de Johto para poder competir na Conferência de Prata. Nessa competição um antigo sonho dos fãs foi realizado: Ash Vs Gary. Após um difícil confronto entre Blastoise e Charizard, a vitória sorriu para o protagonista.

Já na segunda parte Ash tentou a sorte na Liga de Hoenn. Porém, seu desempenho foi um dos piores até então, descartando qualquer tipo de estratégia para lutar de uma maneira impulsiva. Logo após a derrota na Conferência de Ever Grande o herói conheceu um torneio pouco divulgado, a Batalha da Fronteira. Para esta competição a personalidade do nosso herói em Hoenn desapareceu, dando lugar a um personagem com uma grande variedade de técnicas. Agora, o treinador de Pallet continua sua jornada pela região de Sinnoh, para realizar o sonho de se tornar um mestre Pokémon.

Liga Sinnoh

A Conferência do Lírio da Ilha Valley foi a competição com o menor número de inscritos que Ash já participou, com apenas 64 treinadores. A Liga Sinnoh foi dividida em duas partes: as Rodadas Preliminares que definem o Top 64, Top 32 e Top 16,e as Rodadas Finais, que definem o Top 8, Top 4 e a Grande Final. Além disso, no episódio 35 da geração Diamante e Pérola, o treinador Lucian, da Elite 4, diz que o vencedor dessa competição se torna apto para competir na Liga dos Campeões, com a possibilidade de enfrentar os quatro membros da elite (Aaron, Bertha, Flint e Lucian) e, caso saia vitorioso, a campeã Cynthia.  


Ao contrário das outras ligas das quais Ash participou, em Sinnoh não houve destaque para a pira que ilumina a competição, sendo revelado apenas que a chama pertence à ave lendária Moltres. O episódio que normalmente retrata a cerimônia de abertura da conferência destaca a relação do protagonista com seus Pokémon. Para a Liga Sinnoh o treinador optou por fazer uma rotação entre os antigos monstrinhos. Assim, figuras como Totodile, Snorlax e Bayleef deram as caras depois de muito tempo. No entanto, o destaque desse reencontro foi Cyndaquil que, enquanto frustrava os planos da equipe Rocket, evoluiu para Quilava, aprendendo o movimento Erupção. 
O reencontro com os antigos Pokémon foi um dos momentos mais divertidos da Liga Sinnoh

O primeiro desafio de Ash é contra um rival que o nosso herói conheceu no começo da jornada por Sinnoh, o treinador menestrel Nando. Durante a fase preliminar, as disputas são de três contra três e os Pokémon escolhidos pelo músico são Roserade, Armaldo e Kricketune. Já o treinador de Pallet optou por Staraptor, Quilava e Heracross. A batalha foi equilibrada, com os treinadores derrotando dois Pokémon um do outro. No entanto, o combate entre o Kricketune de Nando e o Heracross de Ash foi uma surpresa que se tornou o maior duelo entre Pokémon do tipo inseto da história do desenho. O destaque da batalha foi o protagonista ter ensinado ao seu Pokémon o movimento Sleep Talk, que contornou a Canção de Ninar de Kricketune, possibilitando Heracross atacar enquanto dormia. Após uma partida difícil, Ash leva a melhor e se classifica para a próxima fase das Rodadas Preliminares.
Os dois Pokémon travaram a batalha mais épica dos tipo inseto
A segunda partida de Ash na fase preliminar não foi exibida no anime. O único momento revelado é a vitória de Snorlax sobre o Grumpig de uma treinadora desconhecida, o que concedeu ao herói a vitória pelo Top 32. Por outro lado, a batalha pela última etapa da Rodada Preliminar recebeu um destaque muito maior, pois o adversário da vez é Conway, um treinador muito inteligente que, assim como Nando, cruzou o caminho do protagonista durante a jornada por Sinnoh. Para a partida Conway escolheu Shuckle, Licklicky e Dusknoir. Já Ash optou por Noctowl, Donphan e Gible. 

A partida se iniciou com o movimento truque da troca de Shuckle, que permitiu ao Pokémon trocar o status de defesa pelo de ataque. A estratégia surpreendeu Ash e fez com que ele realizasse diversas trocas, revelando todos os Pokémon que utilizaria na batalha. Apesar da aparente dificuldade, o treinador de Pallet vence os dois primeiros Pokémon de Conway em sequência. No entanto, a situação se inverte quando Dusknoir entra em campo. Com uma estratégia impressionante, o Pokémon fantasma derrota o time de Ash com um único golpe, restando apenas Gible. Se o plano de Conway envolvia diversos movimentos cuidadosos, o nosso herói foi pelo caminho oposto, pois ele ordena que o Pokémon dragão engula o soco das sombras de Dusknoir para utilizar o movimento Meteoro do Dragão à queima-roupa, subvertendo a estratégia do adversário.


Então é chegada a hora do momento mais esperado na liga Sinnoh: Ash contra Paul. A batalha entre os dois rivais, além de ser a mais longa do anime, foi a mais intensa da história do desenho. Para a partida, o nosso herói optou por reproduzir o último confronto com o treinador de Veilstone, mesmo tendo saído derrotado. A justificativa do protagonista foi em dar o sabor da revanche para os seus Pokémon, e para isso Ash utilizou Pikachu, Infernape, Buizel, Staraptor, Torterra e Gliscor. Já Paul optou por Aggron, Gastrodon, Drapion, Ninjask, Froslass e Electivire. No início, a partida parecia estar a favor do nosso herói, pois ele derrubou dois Pokémon do adversário com aparente facilidade. No entanto, tudo fazia parte da estratégia de Paul para saber quais monstrinhos o treinador de Pallet utilizaria e, consequentemente, a estratégia que adotaria para a batalha. Então, Drapion entrou em campo para virar o jogo, derrotando três Pokémon do protagonista em sequência. Somente Gliscor, um oponente também do tipo venenoso, foi capaz de derrubar a aparente invencibilidade de Drapion.


Ao longo da batalha, o restante do time de Ash estava muito cansado e foi facilmente derrotado pelo Electivire de Paul. Porém, quando Infernape retornou para o campo, uma das batalhas mais tensas na história do anime aconteceu. Enquanto lutava, flashbacks de quando era um pequeno Chimchar tomaram conta da tela. Após receber uma série de golpes de Electivire, o macaco de fogo se encontrava no limite, podendo ser derrotado por qualquer golpe. Foi neste momento de desespero que a habilidade especial de Infernape, que eleva o poder dos golpes de fogo quando a saúde está baixa, foi ativada. Isso permitiu ao nosso herói reverter o jogo, saindo vitorioso da batalha. Após finalmente ser derrotado pelo treinador de Pallet, Paul reconheceu o valor de Ash e o potencial de Infernape, nascendo assim um respeito de igualdade entre os dois treinadores. 


Após a batalha contra Paul, digna de ser considerada uma final, Ash se vê no maior desafio de sua vida: enfrentar Tobias, conhecido por vencer todas as partidas usando, apenas, um Darkrai. A disputa foi cruel para o nosso herói, pois o Pokémon mítico derrubou metade de seu time com apenas um movimento. A única faísca de esperança veio apenas quando Sceptile superou o movimento devorador de sonhos do adversário, finalizando com a lâmina de folha. No entanto, algo que ninguém esperava aconteceu, pois além do Darkrai Tobias possuía o Pokémon lendário Latios, que derrubou a outra metade do time de Ash com extrema facilidade. O único que segurou as pontas foi Pikachu que, em um embate entre Investida Trovão e Luster Purge, foi nocauteado junto do lendário, levando ao fim a jornada do treinador de Pallet em Sinnoh. 


OPINIÃO: Apesar de ter sido novamente derrotado, a campanha de Ash na Liga Sinnoh foi uma de suas melhores, pois ele fez uso constante de trocas para se favorecer da vantagem dos tipos, utilizou o terreno a seu favor e, principalmente, montou uma estratégia rotacionando seus Pokémon atuais com os antigos. A batalha com Paul, além de ser a mais longa da história do anime, foi tão épica quanto a disputa contra Gary na liga Johto, com momentos de tensão que só o desenho é capaz de proporcionar. Além disso, ver como aquele pequeno Chimchar abandonado por Paul se tornou tão forte ao ponto de derrotar o poderoso Electivire foi um dos momentos mais épicos da série.

Ash acaba sendo derrotado por um treinador superior, mas, no caso dessa liga, a diferença de nível beira o absurdo. Possuir um Pokémon poderoso como Darkrai é compreensível, pois traz um ar de desafio para a competição, mas usar também um Pokémon lendário como Latios foi uma maneira bem preguiçosa de tirar o Ash da competição. De acordo com vários fóruns da comunidade Pokémon, o treinador de Pallet era o favorito para vencer a liga, com Pokémon fortes e uma estratégia sólida, e a única maneira encontrada pelos roteiristas para derrotá-lo era criar um obstáculo impossível de ser superado. Acredito que mesmo se Ash levasse seus Pokémon mais fortes capturados até hoje, ele não seria capaz de vencer a batalha, pois há a possibilidade dos outros Pokémon de Tobias também serem de extremo poder. 

Liga Unova

Conhecida como Conferência de Vertress, a Liga Unova se inicia quando Freddy O'Martian, um famoso narrador de batalhas Pokémon, salta de um helicóptero para anunciar a abertura oficial da competição, em que a Oficial Jenny acende a pira com a chama de Moltres. As disputas são divididas em três etapas: as Rodadas Preliminares, que consistem em batalhas de um contra um; as Rodadas de Qualificação, que definem o Top 64, Top 32 e Top 16; E as Rodadas Finais, que definem o Top 8, Top 4 e a Grande Final.


A primeira batalha do nosso herói foi contra ninguém menos do que Trip, o principal rival do protagonista na região de Unova. Os dois terem sido selecionados para se enfrentar logo de cara foi algo surpreendente para quem acompanha a série, pois todas as batalhas de Ash contra rivais demoram para acontecer, normalmente em partidas de seis contra seis. Apesar do confronto ser uma surpresa, os Pokémon escolhidos foram previsíveis. Trip enviou Serperior, enquanto Ash optou por Pikachu, reproduzindo a primeira batalha que os dois tiveram no início da jornada.

A sede por vencer de Ash era mais do que evidente, pois, em quatro partidas, o protagonista nunca venceu Trip. O rival novamente controlou toda a partida, com cada movimento do seu Serperior acertando Pikachu. O rato elétrico nem teve a chance de aplicar algum golpe que prejudicasse o adversário, pois o Pokémon serpente utilizou a cauda para enforcar o mascote da franquia. Com a partida próxima do fim, Trip vê o jogo virar contra ele, a partir de uma nova técnica criada por Ash, que misturou Esfera Elétrica com Cauda de Ferro, para vencer o confronto. 
O potencial de Trip foi desperdiçado durante a competição
As disputas de Ash pelo Top 64 e Top 32, que consistem em partidas de dois contra dois, tiveram pouco destaque, sendo revelado apenas que o Scraggy do protagonista derrotou o Darumaka de um adversário desconhecido. O anime pula então para a rodada das oitavas de final, cujas batalhas são de três contra três. O adversário do nosso herói é Stephan, um treinador que se tornou amigo de Ash durante a jornada por Unova.

Para a partida Stephan escolheu Liepard, Zebstrika e Sawk. Já Ash optou por Krookodile, Palpitoad e Leavanny. A batalha entre os dois foi bem equilibrada do início ao fim, mas, sem nenhum momento marcante digno de uma disputa contra um rival na liga Pokémon. O único destaque foi o Krookodile ter aprendido o movimento Ás dos Ares, que se tornou um trunfo para derrotar o Sawk de Stephan.


Ash alcança as quartas de final da Liga Unova e seu oponente é Cameron, um treinador desorientado que ficou amigo do protagonista um pouco antes do início da Conferência de Vertress. Os Pokémon utilizados por Ash foram Boldore, Oshawott, Pignite, Unfezant, Snivy e Pikachu, enquanto o time de Cameron foi Hydreigon, Ferrothorn, Samurott, Swanna e Riolu (sim, ele levou apenas cinco Pokémon!). Antes de começar a batalha, o adversário do herói havia comentado que levaria uma “arma secreta” para a partida, que viria a ser Hydreigon. Como previsto por Cameron, o Pokémon dragão causou um estrago na equipe de Ash, derrotando Boldore e Oshawott com extrema facilidade. 

No entanto, o jogo virou quando Pignite entrou em campo e, após uma mistura de golpes lutadores e de fogo, a vitória finalmente sorriu para o treinador de Pallet. O confronto entre os dois treinadores teve três momentos de destaque que tiram completamente o mérito de estar em uma liga Pokémon. Logo após perder Hydreigon para Pignite, Cameron envia Ferrothorn para a batalha que, por sua vez, tem uma super desvantagem contra golpes de fogo. A consequência disso foi a derrota do Pokémon planta e metal com um único lança-chamas de Pignite. Mas não bastou fazer apenas uma escolha terrível, pois, novamente desconsiderando os tipos, o adversário de Ash escolhe Swanna para enfrentar Pikachu, que possui grande vantagem em relação ao Pokémon cisne.


Após perder Swanna, Cameron novamente se provou um treinador completamente despreparado, pois ao enviar Riolu, seu último Pokémon, ele descobre que uma batalha total é com seis Pokémon, e não com cinco como havia pensado. No entanto, para a surpresa de todos que assistiam a partida, o Pokémon lutador se mostrou um oponente extremamente difícil para Ash, derrotando Unfezant sem levar dano algum. Na luta seguinte, contra Snivy, o parceiro de Cameron inesperadamente evolui para Lucario, tornando a batalha ainda mais complicada para o protagonista. Assim, Lucario derrota dois Pokémon de Ash em sequência, e toda a esperança de vitória está em Pikachu. Apesar de ter travado uma batalha difícil, o rato elétrico não suporta e é derrotado, fazendo com que o herói terminasse entre o Top 8 da Conferência de Vertress.
A Liga Unova foi a pior campanha do protagonista nas competições
OPINIÃO: De todas as ligas disputadas por Ash, a edição de Unova é a mancha negra da sua história em competições. É difícil acreditar que ele tenha passado até mesmo da primeira batalha, contra Trip, pois a todo momento o rival estava no controle da situação e bastou a apenas um golpe para virar o jogo. Ficou claro que os roteiristas queriam forçar a vitória de Pikachu sobre Serperior, que foi superior ao mascote durante toda a jornada por Unova. Por outro lado, se o herói venceu as preliminares graças ao protagonismo, a derrota nas oitavas de final foi quase tão forçada quanto em Sinnoh (quase), pois apesar dos seus momentos de inconsequência, Ash é um treinador superior a Cameron, e só porque um Riolu evoluiu para Lucario não justifica levar três Pokémon em sequência com facilidade. O que torna Unova um momento tão ruim para o anime é o fato de Ash ter um desempenho pior que na liga anterior, com Pokémon muito mais fracos se comparados com o time de Sinnoh. 

Liga Kalos

Conhecida como Conferência de Lumiose, a Liga Kalos teve o mesmo número de participantes da Liga Sinnoh, com 64 treinadores. A competição se dividiu em apenas duas partes:  as duas primeiras partidas com batalhas de três contra três e as duas últimas com batalhas completas. Ao contrário das ligas anteriores, em Kalos não há uma pira que deve ser acesa durante a cerimônia de abertura. No lugar disso, para simbolizar o início do evento, a campeã da região, Diantha, pronuncia algumas palavras que servem de inspiração para os aspirantes ao título. 


As duas primeiras batalhas de Ash nessa competição receberam muito pouco destaque, com breves momentos das partidas. A primeira disputa foi contra o treinador Titus, que utilizou um Altaria para enfrentar o Greninja do protagonista, mas assim que a forma Ash-Greninja foi ativada (uma espécie de mega evolução do inicial de Kalos), o adversário teve a menor chance, sendo nocauteado com um único golpe. Depois disso o desenho salta para o final da segunda partida de Ash, contra a treinadora Astrid. O diferencial da adversária é que ela possui um Mega Absol que, infelizmente, foi muito pouco aproveitado na batalha, aparecendo apenas nos últimos segundos de um confronto com o Hawlucha do nosso herói.


Classificado para as semifinais da Liga Kalos, Ash foi sorteado para enfrentar Sawyer, um treinador que, ao conhecer o protagonista durante a jornada, passou a admirar o seu estilo de luta. Pouco antes de se iniciar a Conferência de Lumiose, os dois se enfrentaram em Snowbelle, com a vitória sorrindo para o rival. Na época eles prometeram que se enfrentariam novamente, na Liga Pokémon. 

Se as batalhas da primeira etapa receberam pouco tempo de tela, o confronto entre os dois rivais foi exatamente o oposto, tornando-se uma das mais intensas da história do anime. O time de Sawyer contou com Slaking, ClawItzer, Aegislash, Salamence, Slurpuff e Sceptile. Já a equipe de Ash foi formada por Hawlucha, Talonflame, Pikachu, Noivern, Goodra e Greninja.


Sawyer pode ser considerado o treinador com o maior poder de observação que Ash já enfrentou, pois em todas as batalhas entre os dois, ele anotava as técnicas usadas pelo protagonista, aprendendo com os erros para saber como se adaptar contra todos os Pokémon do  colega. Porém, tentar prever os movimentos do nosso herói nem sempre acaba funcionando, graças a sua capacidade de improvisação. Com estilos de luta completamente diferentes, sendo Sawyer mais calculista e Ash mais impulsivo, o confronto poderia ter qualquer desfecho, tanto que duas lutas terminaram em nocaute duplo. 

Apesar de toda a partida ter sido de tirar o fôlego, o momento mais memorável aconteceu quando o Greninja de Ash se tornou Ash-Greninja e o Sceptile de Sawyer mega evoluiu. A batalha entre os dois foi épica, e em alguns momentos arrepiante, pois durante toda a jornada Sawyer admirava Ash e seguia seus passos para poder se equiparar ao treinador de Pallet. No momento da luta final, os dois deram tudo de si, como uma disputa entre mestre e aprendiz, e apesar da derrota, Sawyer ficou feliz com seu desempenho, pois alcançou um patamar que antes achava impossível: enfrentar Ash de igual para igual.


Com a vitória sobre Sawyer, Ash concretiza sua melhor classificação em ligas Pokémon, alcançando a disputa final. Porém, o último desafio do nosso herói seria o mais difícil de todos. O adversário da Grande Final é Alain, um treinador misterioso obcecado por enfrentar Pokémon que tem a capacidade de mega evoluir. Antes do confronto, pouco se sabia sobre a estratégia do adversário de Ash, pois todas as batalhas foram vencidas com apenas um mega Charizard X. Mas, para a final, Alain deixou o inicial de fogo como último recurso, revelando assim o restante do seu time: Tyranitar, Weavile, Bisharp, Unfezant e Metagross. Já Ash utilizou os mesmos Pokémon da batalha contra Sawyer. 

Apesar de ser uma final de liga, a batalha contra Alain teve poucos momentos espetaculares que a tornariam uma disputa marcante. Apenas Pikachu provou ser extraordinário ao derrotar Tyranitar e Metagross, dois Pokémon semi-lendário. Por outro lado, a batalha que todos mais esperavam era entre Mega Charizard X e Ash-Greninja, pois durante toda a competição da Liga Kalos os dois provaram ser, aparentemente, imbatíveis. Apesar da vantagem, o Greninja do nosso herói não foi capaz de suportar o calor do Blast Burn de Charizard, colocando um fim no sonho de Ash de finalmente se tornar campeão.


OPINIÃO: A Liga Kalos foi a melhor participação de Ash até hoje, pois o time do protagonista estava muito forte, com Greninja sendo um dos Pokémon mais poderosos que o ele já teve. Ao contrário das outras ligas, como em Hoenn e Unova, nesta geração vemos nosso herói mais maduro, com uma visão de batalha muito mais ampla, criando estratégias inteligentes para contornar as dificuldades. O único problema da competição não foi culpa do Ash, mas dos roteiristas que, novamente, decidiram criar um oponente invencível. Assim que restaram apenas Greninja e Charizard na batalha, imaginei que finalmente Ash ganharia a liga, pois além do Pokémon aquático estar no mesmo nível do Charizard, ele tinha a vantagem do tipo. Mas, apesar de receber diversos golpes super efetivos o inicial de fogo resistiu, virando o jogo rapidamente ao seu favor. Mesmo com a derrota, Kalos foi a melhor campanha de Ash na história do anime, estando muito próximo da vitória. Resta apenas acreditar que nas próximas gerações o desempenho do protagonista só melhore, tornando-se campeão e, consequentemente, mestre Pokémon.

Liga Alola

No universo dos jogos a região de Alola foi a geração que mais trouxe mudanças na fórmula de se jogar Pokémon, com a substituição dos oito ginásios por quatro Kahunas que devem ser derrotados para o treinador provar as suas habilidades na região. Além disso, em Alola não existia uma liga Pokémon da maneira tradicional criada nos jogos Red e Blue, fazendo com que o jogador se tornasse o primeiro campeão da região. O anime seguiu a mesma lógica do jogo, o que nos levou a questionar se a competição realmente aconteceria. 


Enquanto o desenho se caminhava para o seu desfecho, foi revelado que a primeira edição da liga Pokémon em Alola seria organizada pelo professor Kukui, que sempre sonhou em trazer a competição para a região tropical. Foi mencionado que qualquer um poderia participar das batalhas, dando um tom mais democrático à competição. A cerimônia de abertura consistiu em um grande banquete para criar uma confraternização entre os treinadores. Com todos reunidos, o professor Kukui deu os primeiros avisos sobre como seria a liga. De acordo com ele, a primeira etapa consistiria em um Battle Royal (um tipo de competição de todos contra todos) cujo objetivo é sobrar apenas 16 treinadores dos 151 inscritos. Após a primeira etapa, iniciam-se as rodadas finais, com as oitavas e quartas de final sendo batalhas individuais (um contra um). Já nas semifinais as partidas seriam de dois contra dois e a Grande Final uma disputa com três Pokémon. Aquele que se tornar campeão será apto para enfrentar Royal Mask, o treinador mais forte da região de Alola.


Como todo Battle Royal, a batalha foi uma grande bagunça, com raios elementais percorrendo todo o campo. Para essa primeira etapa, Ash e seus amigos da região de Alola (Kiawe, Sophocles, Lana, Malon e Lilie) decidiram se ajudar para que todos se classificassem para as oitavas de final. Apesar de não vermos todos os detalhes dessa primeira fase, foi revelado que Ash e Pikachu derrotaram, pelo menos, seis Pokémon: Poliwrath, Araquanid, Clawitzer, Sudowoodo, Gyarados e Skarmory. Quando o último treinador caiu, restaram apenas Acerola, Sophocles, Faba, Samson, Gladion, Guzma, Hau, Jessie, James, Kiawe, Lillie, Ilima, Mallow, Lana, Mina e Ash.
Com um único golpe, Pikachu derrotou dois Pokémon no Battle Royal

Em seguida, foram definidas as chaves para as oitavas de final, e Ash foi sorteado para disputar a primeira batalha contra Faba, um funcionário da fundação Aether que ajudou os heróis no combate às ultra beasts. O adversário do protagonista envia Hypno e o ordena trazer a pokébola de Meltan para a batalha, pois na noite anterior ele inspecionou os Pokémon para descobrir qual seria o mais fraco. No entanto, o tiro sai pela culatra, pois o mítico, além de aplicar diversos golpes poderosos, devora metade do pêndulo de Hypno, tornando-o incapaz de aplicar golpes de hipnose. Sem muito esforço, Ash avança para as quartas de final.
Meltan derrota Hypno comendo o pêndulo do Pokémon psíquico
Ash alcança as quartas de final da Liga Alola e seu adversário é Hau, neto do Kahuna Hala. Antes de começar a competição houve um breve momento que revela a inexperiência do rival em batalhas, pois seu avô diz que só recentemente ele venceu o desafio da ilha Melemele. A partida foi uma disputa entre o Rowlet do protagonista contra o Decidueye do adversário, que foi marcada do início ao fim pela superioridade em velocidade e força da forma evoluída.

Quando os dois Pokémon colidiram após um embate entre Sky Attack e Brave Bird, Rowlet se encontrava desmaiado e Hau foi declarado vencedor. A expressão no rosto de Ash revelava uma perplexidade parecida com quando foi derrotado por Ritchie na Liga Índigo. Porém, Hala faz uma objeção sobre o ocorrido. A pré-evolução de Decidueye não estava fora de combate, apenas dormindo. Ao acordar, a batalha foi retomada e o trunfo de Ash foi um novo movimento que Rowlet aprendeu, a Feather Dance. Além de abaixar o status de ataque do adversário, o golpe permitiu o inicial de planta realizar uma substituição inesperada, invertendo o jogo contra Decidueye. 


Classificado novamente para uma partida de semifinal, o adversário de Ash agora é Guzma, o líder da Team Skull. Até o momento que esse texto foi escrito a batalha entre os dois ainda não foi concluída, mas a partida se encontra extremamente favorável para o nosso herói. O primeiro Pokémon lançado pelo vilão foi Scizor, já Ash optou por Torracat. Sabendo da desvantagem aos tipos fogo, o líder da Team Skull utilizou o movimento U-turn, para trazer Golisopod ao campo. Com diversos Fire Blast, o inicial de Alola reduziu muito a saúde do Pokémon de Guzma, forçando que ele usasse a habilidade Saída de Emergência. Isso fez com que Scizor voltasse para a batalha, sendo nocauteado pelo golpe de fogo.  


PREVISÃO: Após superar as quartas de final e as semifinais, a última batalha de Ash na Liga Alola vai ser entre Ash e Gladion. Acredito que os principais destaques da batalha vão ser a disputa entre os Lycanroc dos treinadores, seguido por um confronto de Pikachu com Zoroark. E, para a partida final, o lendário Silvally contra o recém-evoluído Melmetal. 

Infelizmente não há nenhuma evidência que comprove a vitória de Ash, mas há uma grande chance do nosso herói sair vitorioso e ganhar sua primeira liga. Pois, o campeão vai ter a oportunidade de enfrentar Royal Mask, o treinador mais forte de Alola. Acredito que pode ser uma batalha de cinco contra cinco (pois Ash não tem um time completo), com a possibilidade de Torracat evoluir para enfrentar o Incineroar do adversário. Nesse Ponto a sequência de vitórias do protagonista chegaria ao fim, terminando sua campanha por Alola como vitorioso na liga, mas derrotado na batalha final. 



Qual a opinião de vocês sobre a jornada de Ash? Será que o nosso herói vai ganhar a sua primeira liga? Deixe nos comentários.

Revisão: Davi Sousa

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook