Jogamos

Análise: New Super Lucky's Tale (Switch) é carismático e garante horas de diversão e variedade

Divirta-se em uma aventura empolgante com cenários elaborados, muitos colecionáveis e um protagonista ágil e simpático.


New Super Lucky’s Tale é um belíssimo plataformer 3D que aterrissa oferecendo um rico mundo multicolorido com diferentes tipos de fases e mecânicas, personagens para conhecer e desafios estimulantes para vencer. O jogo apresenta a história de Lucky, uma simpática raposinha que se vê presa dentro de um livro mágico que também funciona como portal para outras dimensões. Ele precisa encontrar as páginas perdidas deste tomo e achar seu caminho de volta pra casa, ao lado de sua irmã e seus amigos Guardiões. Para atingir seu objetivo, Lucky viaja por diferentes locações e conhece outras vítimas das maldades do mago Jinx e sua família de felinos malfeitores. Ele faz novos amigos que o acompanham e o ajudam a buscar as páginas roubadas do Livro das Eras e a restabelecer a ordem em cada um desses universos.

A viagem mágica dentro do Livro das Eras

O mago Jinx e seus afilhados felinos têm o objetivo de roubar o Livro das Eras para absorver seu grande poder mágico e dominar os outros universos contidos nele. Mas ao tentar pegar o Livro das mãos dos Guardiões — guerreiros protetores do livro e mantenedores da ordem dos mundos — dezenas de páginas se soltam e vão parar em outras dimensões dentro do próprio livro e Lucky acaba sendo levado junto delas nessa confusão. Agora sozinho num universo desconhecido, Lucky precisa se provar capaz de recuperar as páginas sozinho e trazer a ordem de volta enquanto os outros guardiões estão incapacitados de ajudar.


O primeiro desses mundos é Sky Castle, lar dos golems, seres feitos de pedra e magia, auxiliares da Ordem dos Guardiões a várias gerações. Neste mundo somos apresentados às várias mecânicas do jogo, tanto às habilidades de Lucky quanto à exploração e progressão dentro e fora das fases. A partir da resolução de tarefas específicas de cada mundo, da conclusão de quebra-cabeças temáticos e do atingimento de objetivos específicos em cada estágio, nos é dada uma página do Livro das Eras que quando somadas destravam a porta que liga este ao próximo mundo. É basicamente dessa forma que se dá a progressão dos estágios no jogo: cumpra objetivos, atinja metas nas fases, junte um número mínimo de páginas e então viaje para o próximo universo.

Cada mundo tem um clima único e fases bem elaboradas

New Super Lucky's Tale é muito bem-sucedido quando o assunto é variedade de temáticas entre os mundos do jogo. Cada um deles é único, tanto na ambientação e estágios quanto nos NPCs (personagens não jogáveis) e missões secundárias. A ambientação deles é muito bem produzida, com belos modelos, paisagens de fundo e músicas divertidas, que se encaixam com o clima geral daquele ambiente. Cada um desses universos apresenta uma área principal que pode ser explorada livremente em busca de moedas e cristais secretos, de alavancas e botões, ou ainda para interação com vários personagens, além de também ser onde fica localizada a lojinha do Geovani, um golem amigo que vende vários figurinos diferentes para Lucky em troca de moedas de ouro.


Nessas áreas temos várias portas grandes de madeira que representam cada uma das fases. Nas portas estão estampados quatro símbolos que significam os quatro objetivos que você pode cumprir para conquistar uma página do Livro por cada um deles. Esses símbolos se acendem toda vez que cumprimos um requisito. São eles: coletar no mínimo 300 moedas em cada fase; encontrar todas as letras do nome de Lucky (L, U, C, K, Y escondidas pelo estágio, bem ao estilo Donkey Kong Country); encontrar uma página roxa secreta, que geralmente envolve algum quebra-cabeças ou o descobrimento de uma passagem escondida; e, por fim, a página dourada, que é a premiação final por chegar no final daquele estágio. Espalhados por todos os mundos existem ainda entradas (que parecem bueiros) para câmaras subterrâneas onde devemos resolver um puzzle alternativo para ganhar mais páginas secretas. Os puzzles são divertidos e variam entre posicionar estatuetas em pedestais, rolar em uma bolinha por uma série de obstáculos (estilo Super Monkey Ball) ou outras atividades temáticas relacionadas ao Chefes.

Aventure-se por uma variedade de atividades

Além da exploração padrão em cada mundo, a quantidade de atividades e objetivos a serem cumpridos é grande e variada, seja nas fases ou nos quebra-cabeças. Mas não são totalmente obrigatórios: o jogador pode se adaptar e simplesmente ignorar os que menos gostar, visto que o número mínimo de páginas necessárias para abrir o portão para o próximo mundo é bastante baixo. Pessoalmente me diverti muito fazendo todos eles e em momento algum senti a pressão ou cansaço pelo esforço extra, pelo contrário, foi agradável e recompensador, visto que a única maneira de juntar moedas o suficiente para adquirir os novos visuais para Lucky é jogando o máximo de estágios possível.


Algo interessante é que existem também fases com histórias próprias, como se fossem mundos dentro de um mundo, onde temos objetivos específicos que levam à resolução de problemas de um personagem ou a libertação de alguém que estava aprisionado. Além disso, há ainda a variação de mecânicas: existem fases que se assemelham a jogos plataforma 2D, com monstros, moedas, alavancas e outros elementos distribuídos em diferentes níveis; fases de “corrida” 2.5D, onde Lucky corre automaticamente e você deve pular e executar manobras nos momentos certos para pegar os objetivos do estágio; existem ainda fases labirínticas, onde seu senso de direção e memória são postos à prova; e por fim as de exploração tridimensional, que apresentam várias áreas dentro de um mesmo estágio. Tanta variação assim traz um frescor a cada estágio ou mundo viajado, renovando o gás do jogador e estimulando o cumprimento dos objetivos à sua maneira.

Raposa toupeira acrobata lutadora?

Sim, Lucky é um pouco de tudo isso. Nosso protagonista gente fina pode saltar duas vezes no ar (Botão B), executar um mergulho no ar (Botão ZR), escavar pelo solo (ao manter o ZR pressionado após o mergulho aéreo) e golpear inimigos e objetos com sua cauda (botão Y). Todas essas ações são utilizadas tanto em combate como para atravessar obstáculos dos cenários, especialmente a habilidade de mergulhar no solo, o que fornece a Lucky a habilidade de passar por baixo de barreiras e inimigos, acessando áreas secretas ou atordoando os monstros ao surpreendê-los com um golpe vindo do solo.


Um aspecto bacana sobre a proezas realizáveis por Lucky é que elas podem ser feitas quase que ininterruptamente, emendando uma acrobacia a outra, dependendo de sua necessidade: mergulhe no solo, emerja debaixo de um inimigo, acerte-o com sua cauda ou pule em cima dele, depois mergulhe novamente, repita a estratégia anterior ou simplesmente fuja a salvo do combate. Essa agilidade é aproveitada especialmente nas fases onde Lucky corre pelo estágio e você precisa realizá-las com precisão e alternância no tempo certo para matar os inimigos, coletar objetos de interesse e coletar o máximo de moedas de ouro possível.

Chefes interessantes, roupinhas colecionáveis e carregamentos muito longos

A trupe do Mago Jinx é composta por cinco outros gatos, discípulos excêntricos e executores atrapalhados das maldades do feiticeiro renegado. Cada um deles é o chefe final dos mundos do jogo, mas não somente. Estes personagens são cheios de personalidade e hora ou outra interagem com nosso amigo Lucky ou com outros NPCs do mundo atual, perturbando a vida de suas vítimas ou nos fazendo rir com suas personalidades exageradas. Mas o bacana é que cada um é único e suas lutas finais representam um bom desafio ao jogador. Me diverti em todas elas e gostei bastante do nível de dificuldade apresentado. A cada golpe contra os vilões, o número de inimigos na tela aumente, assim como a velocidade de seus golpes e as limitações do terreno onde a luta ocorre: raios laser, buracos, espinhos, etc. aparecem para “facilitar” as coisas.


Mas o que seria de tudo isso se você não pudesse comemorar a vitória com bastante estilo? Em New Super Lucky's Tale podemos comprar acessórios e roupas para compor um figurino único para nossa raposinha. Essas vestimentas são adquiridas ao trocar moedas de ouro na lojinha do Geovani, que fica sempre em algum ponto dos vários mundos do jogo. Ao coletar todas as páginas do Livro das Eras em um mundo e derrotar o chefe final daquele universo, você desbloqueia o figurino do vilão para comprar na loja, além de várias outras que vão aparecendo à medida que você progride na aventura.

Como nem tudo é perfeito, New Super Lucky’s Tale sofre com telas de carregamento desnecessariamente longas. Mesmo a transição entre áreas próximas pode demorar 30 segundos ou mais. A parte boa é que em toda tela de carregamento temos uma mensagem ou piada infame do nosso amigo Golem mensageiro, que certamente te fará rir ou se perguntar “qual o problema desse carinha?”.

Execução competente e aquele gostinho de quero mais

New Super Lucky’s Tale é uma bela adição à biblioteca do Nintendo Switch e com certeza uma grande homenagem aos jogos de ação e aventura do início dos anos 2000. O jogo traz elementos já consagrados em outras franquias do gênero plataforma e inova ao implementá-las de forma inteligente, criando um jogo ágil, rápido, com desafios opcionais, mecânicas variadas, história simples e divertida, numa ambientação multifacetada e com trilha sonora divertida.

Os pequenos problemas, como os longos carregamentos e o simples fato de o jogo não ter mais de um arquivo para salvamento, são pequenos em relação a todo o resto que ele proporciona. Torço para que esses defeitos sejam revistos e, claro, que uma sequência esteja em produção, pois temos aqui um grande potencial para que a franquia e o universo de Lucky e os Guardiões se expanda para muitos outros títulos.

Prós

  • Belo visual e ambientação cativante;
  • Mundos divertidos e variados, oferecendo exploração e interação;
  • Muitos objetivos e colecionáveis;
  • Estímulo à completude de desafios;
  • Quebra-cabeças inteligentes e divertidos;
  • Personagens bem-humorados e com personalidade;
  • Jogo possui diálogos e legendas em Português brasileiro.

Contras

  • Carregamentos desnecessariamente longos;
  • Raras, mas existentes quedas de framerate;
  • Jogo possui apenas um slot para salvamento.

New Super Lucky’s Tale — Switch — Nota: 8.0
Revisão: Farley Santos
Análise produzida com cópia digital cedida pela Playful Corp.

Estudante de Letras, apaixonado por vídeo-games e música. Gosta de conversar sobre hobbies em comum, receber dicas e recomendações e de capturar monstrinhos de bolso enquanto explora Hyrule.

Comentários

Google
Disqus
Facebook