Super Mario Bros. Wonder (Switch): o que o próximo Mario 3D pode aprender com o jogo?

Bons ensinamentos trazidos pelo título que um “Super Mario Odyssey 2” pode adotar.




Em nossa análise, classificamos Super Mario Bros. Wonder como o melhor jogo 2D de Mario, em parte devido às lições que os desenvolvedores aprenderam com as aventuras tridimensionais da série, como Super Mario Odyssey. Nesta matéria, faremos um exercício que explora o inverso: o que a Nintendo pode olhar de Wonder e aplicar no próximo título 3D principal do encanador?

Brasil-sil-sil!



É impossível não iniciar falando de um dos maiores destaques de Wonder nas terras tupiniquins: a localização em português brasileiro. Há pouco tempo, a Nintendo começou a traduzir seus jogos para o nosso idioma, prática que é quase padrão na indústria de videogames hoje em dia, a fim de ter uma maior presença no Brasil.

Em virtude disso, a nova aventura 2D de Mario recebeu uma das melhores localizações feitas pela empresa até então, com inúmeras referências a dialetos locais do nosso idioma e sem a sensação de estarmos jogando algo vindo do Google Tradutor, algo comum em traduções de pouca qualidade. As Flores Falantes ganharam uma dublagem bem dirigida e divertida, não tendo vozes robóticas ou com pouca emoção.

Considerando que a franquia é a peça mais fundamental da Nintendo, assegurar que o próximo Mario 3D tenha localização brasileira é crucial. Muitas crianças e pessoas não acostumadas com o inglês poderiam experimentar a aventura em sua totalidade, aumentando o alcance do jogo e atraindo novos fãs.

Com amigos é melhor!



Ainda não sabemos qual será a estrutura que o sucessor de Mario Odyssey adotará, mas caso os desenvolvedores invistam em uma linha mais sandbox e menos linear, o título poderia se beneficiar de algum sistema multiplayer. A estrutura online de Wonder, por exemplo, em que há pessoas ao redor do mundo jogando ao mesmo tempo e se ajudando indiretamente, tem potencial em um espaço tridimensional.

Investir em um sistema cooperativo local seria tão bem-vindo quanto, já que é algo que, na linha 3D, só esteve presente em Super Mario 3D World, uma aventura de formato mais linear. O novo Mario 2D contém um vasto elenco de personagens jogáveis, permitindo os jogadores escolherem seu herói favorito e aumentando consideravelmente a variedade no multiplayer, uma sensação legal que pode ser aplicada em um novo jogo 3D.

A série principal de games com estrutura sandbox pouco investiu em interação multijogador até então, e as poucas implementações que temos, como o controle de Cappy em Odyssey ou Bowser Jr. em Bowser Fury, são limitadas. Uma jornada em que navegamos por reinos largos e abertos, juntos de duplas como Mario e Luigi, ou algo mais único como Daisy e Toad, certamente teriam um alto potencial de diversão.

Atingindo um público maior



Ainda falando de múltiplos personagens jogáveis, Wonder consegue atrair jogadores pouco acostumados com o gênero plataforma ao trazer dois heróis invencíveis: Yoshi e Nabbit. O sucessor de Odyssey pode tentar buscar tal acessibilidade e implementar alguma mecânica similar.

Uma ideia é combinar o sistema de insígnias com os personagens invencíveis para tornar a habilidade de não levar dano como algo equipável. Desta maneira, um jogador iniciante pode se aventurar com qualquer personagem à sua disposição sem se preocupar com as dificuldades que encontrar pelo caminho.

Porém, se o mesmo sistema de insígnias de Wonder fosse implementado em um Mario 3D, sem muitas modificações, os benefícios já seriam inúmeros. Ao oferecer opções de alterar a jogabilidade ao jogador, cada um poderia enfrentar os obstáculos de diferentes maneiras, o que aumenta a rejogabilidade e o sentimento de liberdade, algo que The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom, por exemplo, realizou em grande escala.

Essa busca por uma maior acessibilidade e liberdade de escolha é indiscutível para deixar um “Odyssey 2” mais atrativo, assim como é importante não negligenciar os fãs de longa data que apreciam um desafio. Como outros Marios, a existência de seções de maior dificuldade, geralmente no pós-jogo, são fundamentais para que jogadores mais familiares não se sintam entediados ou deixados de lado com a experiência. Todos ganham, no fim das contas!

Maravilhas e odisseias do futuro



Super Mario Bros. Wonder trouxe diversas novidades à série 2D que nos deixa ansiosos para aguardar o que o time de Super Mario Odyssey está preparando para o próximo jogo principal da série. Certamente será uma experiência de qualidade, mas, enquanto isso não acontece, deixe nos comentários o que você gostaria de ver na próxima aventura do encanador nas três dimensões, e o que, especificamente, de Wonder gostaria que fosse implementado.

Revisão: Vitor Tibério

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google