Game Music

Por entre florestas ao sonoro toque de uma lenda! Assistimos ao The Legend of Zelda: Symphony of The Goddesses

The Legend of Zelda: Symphony of The Goddesses une a série The Legend of Zelda ao ambiente de concerto com uma apresentação memorável.

O grande momento esperado por muitos chegou no dia 12 de junho deste ano. Esta seria a data para mais um emocionante concerto focado na série The Legend of Zelda. Assim como ocorreu no ano passado, o The Legend of Zelda: Symphony of The Goddesses foi um show à parte, tanto por abraçar bem a comunidade de fãs que vieram de todos os locais por conta da E3 2013, que estava acontecendo nestes dias, quanto pelo belíssimo show que nos foi apresentado e que fez um tremendo sucesso mais uma vez. O concerto contou com apresentadores, cenas épicas nos telões, boa qualidade acústica do local, novidades, além é claro, de muitas músicas de sucesso, capazes de fazer até o mais machão dos marmanjos se comover em momentos dramáticos das orquestrações. Vamos aos detalhes deste show inesquecível e fiquemos na expectativa de vê-lo no Brasil em algum momento não muito distante.

Um local de proporções épicas

O concerto foi realizado no Greek Theatre, um enorme teatro ao estilo grego, por ter a forma de um semicírculo, com assentos se abrindo ao redor e também por acontecer ao ar livre. Localizado em uma área totalmente florestal, em uma subida que dá acesso ao tem um grafado como Griffith Observatory, outro grande ponto turístico da região de Los Angeles, o espaço tem capacidade para 5.700 pessoas e abraçou muito bem a comunidade de fãs que estavam no local.

Mais um show de Zelda com muitas características bem-vindas

E entramos correndo no teatro, afinal, tudo era mágico e a subida da serra para chegar ao show, depois do segundo dia de E3, nos atrasou alguns minutos. De fora já dava para ouvir os primeiros acordes e o vigor da orquestra tocando junto de um coral também espetacular. O tema da série estava tocando e isso já era motivo de muita alegria, pois o show estava apenas começando...

Visão geral do teatro e muitos fãs rodeando o lugar... uma maravilha de diversão.
As músicas nos foram apresentadas pela grande orquestra e coral do evento, conduzidos pela regente Eimear Noone, já atuante na E3 e nas gravações dos concertos de 25 anos da franquia. Também nos foram apresentados o produtor deste projeto e diversas piadas e sátiras sobre a série foram sendo contadas entre uma música e outra, tudo para animar quem estava assistindo ao show. O concerto foi iniciado com um repertório diferente do ano passado e trouxe muitas novidades em sua set-list.  O destaque foi para os belíssimos arranjos e improvisos feitos durante os medleys e que souberam captar bem o espírito da série Zelda.


Composta por grandes medleys dos principais títulos da série The Legend of Zelda, pudemos ouvir clássicos como a trilha sonora contagiante de muitos games portáteis, como Link’s Awakening e Spirit Tracks, bem como as memoráveis épicas músicas dos títulos mais conhecidos, como Ocarina of Time, ALink to the Past, The Wind Waker, Skyward Sword, como não poderia deixar de estar, além de Majora’s Mask, este último que arrancou gritos e suspiros de multidões que estavam presentes. Um pedido para uma continuação ou mesmo a demonstração de amor por este título mais do que brilhante, mas que ainda guarda um certo ar obscuro. Não sabemos ao certo, mas já adiantamos que se tratou de um espetáculo sonoro e visual do qual jamais iremos esquecer e que torcemos por assisti-lo novamente.


Imaginamos que muitos dos que estavam presentes estavam aproveitando a passagem pelo local, em época de E3, sendo que muitas pessoas de negócio, como produtores, jornalistas, expositores e fãs dos mais variados, também aproveitaram para dar uma conferida, e porque não, curtir um momento de lazer após muito trabalho durante o maior evento de games que estava ocorrendo. Isso incluía a equipe GameBlast, afinal, fã que é fã não poderia deixar de experienciar um dia sagrado de Link na terra dos anjos (confira os comentários no final da matéria).

Set-list do show

Confira na íntegra todas as canções que estavam presentes no show e saiba o porquê de tanta euforia e felicidade por parte de todos que estavam presentes: 
Primeiro Ato: The Legend of Zelda Theme; Link’s Awakening Medley (GB/GBC); Spirit Tracks Medley (DS); Ocarina of Time Medley (N64/GC/Wii/3DS); The Wind Waker Medley (GC/Wii U) 
Segundo AtoGerudo’s Valley from Ocarina of Time; Twilight Princess Medley (GC/Wii); Light and Dark World from A Link to the Past (SNES); Majora’s Mask Medley (N64/GC/Wii) 
Bis: Skyward Sword Medley (Wii)

Um dia de Hylian por entre fãs e cosplayers reunidos num só lugar

Por se tratar de um dia especial para qualquer fã hyruleano da série, o concerto não poderia deixar de trazer as tradicionais características dos eventos voltados para os fãs desta franquia. Camisas e pôsteres estavam à venda, mas ainda esperávamos por algo como a trilha sonora do evento, possíveis DVDs do show ou mesmo uma variedade maior de itens à escolha, algo que poderemos ver no Zelda Day, que ocorrerá em breve aqui no Brasil.


O local também foi palco de muitos cosplayers e gente de todo o tipo carregando os seus pertences à la Link. Camisas tematizadas, acessórios e bonecos de pelúcia estavam entre os mais presentes. Também vale citar que este foi um local muito propício para fazer aquele StreetPass esperto e conseguir completar aqueles achievments tão difíceis de se conseguir em qualquer outro lugar, como encontrar 5 Miis femininas seguidas em seu 3DS. Luzes verdes piscando era o que não faltava nos portáteis de quem estava ou não de gorro verde, e elas não poderiam estar mais contextualizadas.

Cosplays de todos os tipos estavam presentes, incluindo a princesa Zelda
Olha só quem apareceu para prestigiar o espetáculo
Cosplayers rules!

Conversa com o produtor do concerto

Ao final do concerto, pudemos bater um papo com o produtor do espetáculo musical, Jeron Moore, pegar autógrafos e fazer algumas perguntinhas. Em uma das conversas que tivemos, perguntamos sobre as propostas de expandir o evento para mais cantos do mundo, em especial para o Brasil, além de podermos falar sobre todas as características bem-vindas do evento e fazer aquele elogio pelos elementos muito bem utilizados no show.

Ainda não temos uma confirmação para o Brasil, mas Tommy Tallarico, idealizador da Video Games Live, estava lá e, se depender de sua animação com o Brasil, poderemos esperar por boas citações e quem sabe alguma parceria futura, mas isso ainda não passa de rumores. Por enquanto, podemos acompanhar o site com o cronograma das apresentações para sabermos ainda mais sobre as programações futuras.

Comentários épicos da turma que assistiu de perto o Symphony of 
The Goddesses

Danilo Passos

"Se algum dia eu duvidei que gostava da série Zelda, esta dúvida foi enterrada durante o concerto. Havia fãs de todas as idades lotando o Greek Theatre, com olhos marejados e vidrados na apresentação, compartilhando a mesma emoção e sentimento que o meu. O anfiteatro parecia estar em uma sintonia que vi poucas vezes em apresentações. Se na manhã do dia anterior pudemos pegar autógrafos com Eiji Aonuma e tirar fotos com ele, esta noite foi a chave de ouro, fechando o dia com muita nostalgia e música épica."

Ítalo Lourenço

"Ouvir um concerto inteiramente dedicado às canções que marcaram os principais títulos da série Zelda foi sensacional, foi bem legal ver algumas pessoas fantasiadas de vários personagens e também poder notar o quanto determinado jogo era especial para cada fã toda vez que começava uma nova música, tudo isso junto à atmosfera do Greek Theatre fez do concerto uma experiência única. Particularmente gostei bastante dos arranjos do Skyward Sword e do Wind Waker, regido com uma réplica da batuta original do jogo, melhor impossível."

Jaime Ninice

"Ouvir um concerto totalmente dedicado à série Zelda pela primeira vez foi um sonho realizado. Muitas das músicas que fizeram parte do meu cotidiano como jogador estavam lá, com belos arranjos que conseguiam exprimir muito de cada título. Fico pensando que esta forma de apresentação poderia ser seguida por outras séries, dando maior destaque aos títulos de sucesso no que tange a musicalidade de suas obras."

José Carlos Alves

“A trilha sonora é parte essencial dos jogos e, consequentemente, dos clássicos. Com Zelda não podia ser diferente. Eu cheguei a ficar parado em várias partes do jogo apenas para ouvir sua trilha sonora (Gerudo Valley, estou falando de você!). Quando foi anunciado que Skyward Sword viria com um CD da trilha sonora da série, comprei sem pensar, mesmo sem ter o Wii. Ouço praticamente todo dia. E estar presente num concerto dessas músicas e de novas, é impagável.”

Pablo Montenegro

"O show foi espetacular, com a apresentação incluindo um dos membros que idealizaram essa orquestra, e de quebra ainda vimos o Eiji Aonuma sentado ali no meio do povão, assistindo o show como se fosse mais um mero mortal."

Rafael Neves

"Mesmo já tendo comparecido ao espetáculo no ano passado, o repeteco me nutriu com mais paixão pela série Zelda. Seja pela atemporal qualidade da orquestra, seja pelos acréscimos pontuais na lista de músicas, a Symphony of the Goddessess me deixou com o sentimento de que cada Rupee gasto em seu ingresso foi muito bem recompensado. Minhas orelhas, na verdade, saíram pontudas como as de Link.”


Revisão: Luigi Santana
Capa: Daniel Machado
Jaime Ninice é cravista e mestre em música pela UFRJ. Sua paixão por games, eventos e revistas o levou a escrever e revisar artigos desde 2010. Hoje, além de participar do Nintendo Blast, é redator das publicações impressas sobre retrogames WarpZone. Pode ser encontrado no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook