Blast from the Past

Blast from the Past: Banjo-Tooie (N64)

Se com Banjo-Kazooie a Rare mostrou que era uma das produtoras que mais sabia utilizar o hardware do Nintendo 64, foi com Banjo-Tooie ... (por Gustavo Assumpção em 01/01/2011, via Nintendo Blast)

Banjo TooieSe com Banjo-Kazooie a Rare mostrou que era uma das produtoras que mais sabia utilizar o hardware do Nintendo 64, foi com Banjo-Tooie que foi possível perceber o apogeu dessa habilidade. Nenhum outro game da produtora é tão grande, complexo e belo quanto esse (talvez Conker’s Bad Fur Day quase chegue lá). E é essa incrível aventura que vamos relembrar no Blast from the Past de hoje:

Banjo-tooieO retorno de Gruntilda

Como continuação direta do primeiro game, a história de Banjo-Tooie (uma brincadeira entre a palavra two e Kazooie) começa exatamente onde o primeiro game termina. Na trama, alguns anos após o enterro da grande vilã Gruntilda no final do primeiro game, Mingella e Blobbelda, duas personagens ausentes em Banjo-Kazooie, conseguem ressuscitar a grande Gruntilda, que começa a espalhar o horror por todas as partes.

Com uma trama que parece retirada de um livro de histórias infantil, o game se desenrola de uma maneira extremamente prazerosa. Como em todo bom game de plataforma, o enredo só existe para ser pano de fundo para que o jogador explore cada uma das fases.

E, em Banjo-Tooie, esse acaba sendo o principal trunfo do game. Cada uma das nove fases foi construída com grande riqueza de detalhes e volume de segredos. Além de grandiosas, as temáticas escolhidas foram extremamente bem sucedidas. Abaixo você confere um resumo de cada uma delas:

270px-Mayahem_TempleMayahem Temple – A primeira e consequentemente mais simples fase de todo o jogo. Sua ambientação foi inspirada (obviamente) em um templo maia cheio de segredos. É logo nesse começo que o jogador aprende três novos movimentos (Egg Aim, Breegull Blaster e Grip Grab) e tem a possibilidade de treinar a perspicácia essencial para encontrar todos os itens perdidos.

 

270px-GlitterGulchMineGlitter Gulch Mine – A segunda das fases de Tooie se passa dentro de uma mina subterrânea –e mais uma vez guarda uma quantidade imensa de itens escondidos. Engraçado é que essa fase originalmente estaria presente no primeiro Banjo-Kazooie, mas foi excluída por não ter ficado pronta a tempo. É considerada uma fase fácil, apesar de exigir que o jogador fique atento aos objetos interativos que podem passar desapercebidos.

270px-Witchyworld_entryWitchyworld – Uma das melhores fases do game, Witchyworld é um parque de diversões dos mais complexos. O lugar, que é propriedade de Gruntilda, foi fechado pelas autoridades devido ao risco que representava. É dividido em quatro partes grandes: Space Zone, Haunted Zone, Wild West Zone e Area 51. Ou seja, teoricamente são quatro fases com ambientações diferentes dentro de um mesmo lugar.

270px-Jolly_Rogers_Lagoon_entryJolly Roger's Lagoon Jolly Roger’s Lagoon é uma espécie de cidade submersa cheia de mecanismos interativos – parecendo ser claramente inspirada no mito de Atlântida. O local é de propriedade do bonachão Jolly Roger’s, que chegou a fazer ponta em outros games da Rare como Banjo Pilot e o mais recente da game da série, Banjo-Kazooie: Nuts & Bolts. É um local onde vários itens importantes para a aventura podem ser adquiridos.

270px-Terrydactyland_entryTerrydactyland – Uma das melhores ambientações do título, esse é um mundo que possui uma temática meio pré-histórica, com a presença de dinossauros e homens da caverna. O engraçado é observar que aqui os dinossauros são tão evoluídos que até falam (!). Possui algumas das melhores batalhas contra chefes de todo o game. Ah, Terrydactyland ainda guarda um dos minigames mais viciantes, o clássico Inside Chompa's Belly Shootout.

270px-Grunty_Industries_entryGrunty Industries – O sexto mundo de Banjo-Tooie é a fábrica de Gruntilda, local onde a malévola produz tudo o que há de mau no jogo. É a fase que mais exige do jogador, já que contém longos 6 andares cheios de desafios e puzzles complexos. É considerado por muitos jogadores como o mais difícil de todos os mundos, tamanha é a grandiosidade das locações presentes aqui.

 

270px-Hailfire_Peaks_entryHailfire Peaks - Este é o mundo responsável por interligar dois ambientes diferentes do game – o fogo demoníaco e o gelo congelante. Talvez seja a fase mais sem graça do game, já que não possui uma ambientação tão definida quanto as demais. Mesmo assim, o desafio é alto, com o jogador sendo constantemente bombardeado por bolas de fogo/gelo vindas do alto. Um segredo está relacionado a isso…

270px-Cloud_Cuckooland_entryCloud Cuckooland – Outra grande fase de Banjo-Tooie, Cloud Cuckooland é uma enorme ilha flutuante sobre as nuvens, recheada de segredos. Para chegar até lá, é necessário utilizar uma bolha d'água (!). Vale ficar atento para a trilha sonora, que aqui é uma espécie de mistura entre a trilha do Banjo-Kazooie original com músicas novas presentes em Tooie. O resultado é uma fase bem nostálgica, principalmente para os fãs da série.

270px-CauldronKeepCauldron Keep - A última fase do jogo é mais curta, coesa e simples do que o jogador está acostumado. Essa é a única localidade onde não há Jiggies e nem itens para serem coletados – e você vai comemorar isso. É aqui que Banjo e Kazooie enfrentam Klungo e Gruntilda e suas irmãs em um quiz demoníaco. Após vencer, é hora da batalha final para salvar o mundo da maldade da bruxa afetada.

Ainda mais grandioso

536px-BanjoKazooieTooie4Se o primeiro Banjo-Kazooie conseguiu ser um dos mais longos e complexos games de plataforma feitos até então, Tooie superou o predecessor em todos os níveis. A base da jogabilidade continua basicamente a mesma: ainda é preciso coletar itens para abrir novas fases e chegar até a porcentagem perfeita. Só que aqui ainda é possível aprender vários novos movimentos especiais. Em cada uma das fases, ao menos um novo golpe/ ataque é aprendido.

Outra novidade interessante é que a jornada é muito menos solitária. É possível perceber a presença de mais de meia dúzia de personagens novos, responsáveis por momentos chave da trama. Além das irmãs de Gruntilda (Blobbelda e Mingella), ainda temos Humba-Wumba (a índia que cumpre o papel que era de Mumbo Jumbo no primeiro game); Jamjars (a nova marmota responsável por ensinar os movimentos novos aos jogadores); Rei Jingaling (o comandante dos Jinjos); Mestre Jiggywiggy (o líder dos pedaços de quebra-cabeça (?)) e Honey B (que concede energia extra aos nossos heróis.

banjo-tooie_002banjo-tooie_003banjo-tooie_004

Aliás, uma das maiores novidades aqui é que Mumbo Jumbo se tornou um personagem controlável em alguns momentos decisivos. É interessante observar que o design mais aberto e focado na variedade deixou o game muito menos repetitivo que o seu antecessor. São quarenta movimentos diferentes, várias novas transformações, a possibilidade de se controlar Banjo e Kazooie separadamente – isso sem contar que há momentos em que o game se torna um autentico FPS.

Para aqueles que gostam de multiplayer, ainda existia um modo de disputa com tela dividida para até quatro jogadores. Infelizmente, esse modalidade é bem simples e não era um atrativo assim tão grande.

Um universo vivo

Se existe algo em Banjo-Tooie que está acima de qualquer suspeita, isso é a trilha e os efeitos sonoros. Nenhum outro game do gênero conseguiu oferecer canções tão condizentes com o universo de jogo, melodias tão ricas e bem compostas. Some isso ao som hilário utilizado para emular a voz dos personagens e você terá uma trilha memorável do início ao fim.

gfs_41749_2_3_midgfs_41749_2_9_midgfs_41749_2_12_mid

Visualmente, esse é um dos mais belos games do Nintendo 64. Efeitos de luz e sombra, texturas e animações mostram que a Rare foi mesmo o time externo que mais conseguiu usufruir dos recursos do N64 – mesmo que aqui eles tenham utilizado o famoso expansion pack de 4MB (que já havia sido obrigatório em Donkey Kong 64).

O grande defeito de Banjo-Tooie acaba sendo o framerate. Com uma quantidade tão grande de detalhes, parece que a utilização do hardware foi um pouco além do que o console suportava. São constantes as quedas de framerate, principalmente em momentos chave como lutas contra chefes. É o grande problema do game, sem dúvidas.

No mais, Banjo-Tooie consegue – graças ao seu carisma – se tornar um dos melhores games do Nintendo 64. É gigantesco, desafiador e complexo na medida. Mesmo os probleminhas existentes não conseguem esconder o brilho dessa aventura. Dá saudade só lembrar…


Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook


  1. Ahh, eu fui rever vídeos das fases e fiquei morrendo de saudade! :( Queria jogar de novo, mal lembro das coisas >_> Mas pela minha memória eu acho o Kazooie mais legal que o Tooie! Haheuaheuahe xD

    ResponderExcluir
  2. Eu acho Banjo-Tooie mais melhor do que Banjo-Kazooie, tem mais coisas, itens, sapatos, ovos, mira em 1º pessoa...
    Estou jogando Banjo-Tooie ainda não zerei(estou em Grunty Industries), estou jogando no emulador(droga de emulador, o jogo fica travando toda hora) mal posso esperar meu Wii/3DS, ai vai ser o fim de jogar no computador HAHAHAHAHAHA(voz da Gruntilda,quando dá Game Over).
    Pena que a Rare não está mais na Nintendo, mas foi legal jogar BK e BT, são ótimos jogos. >,A,\/,>,A,\/ (Song of Time).

    ResponderExcluir
  3. manja a série crash bandicoot? É muito boa, mas é pura copiação de banjo-kazooie e banjo-tooie :)
    -
    Bons tempos :DD

    ResponderExcluir
  4. Cara... Já tirei meu N64 do armário, encontrei as 2 fitas do Banjo (Kazooie e Tooie) e a partir de amanhã vou jogar a saga com meu filho de 4 anos pra matar as saudades... Sensacional artigo, parabéns !

    ResponderExcluir
  5. Gustavo, só não concordo com quando você diz que o multiplayer tem pouco atrativo. Cada um dos vários mini-games do jogo vira um capítulo do multiplayer, nao me lembro de quntas horas perdi com meus amigos jogando isso.

    Outra coisa, acho que a opção de jogar contra os bosses a qualquer hora tambem deveria ser citada, no primeiro game fez falta e nesse review tambem.

    ;)

    ResponderExcluir
  6. Bem lembrado Rafael!

    Mas eu ainda acho as disputas multiplayer fraquinhas, fraquinhas...

    ResponderExcluir
  7. Devo concordar,esse jogo da um trabalho danado,irei rejogar quando puder..Modo batalhar contra os bosses,Multiplayer,acho que esse jogo foi bem pensado,as quedas de framerate são algo que eu não dava a minima,só queria e quero continuar jogando!

    ResponderExcluir
  8. Esse jogo era foda, eu achava muito dificil passar pelas missoes, daih um desses dias fui jogar ele pra 360 e vi que ta tao impossivel quanto antes e desisti de jogar.

    ResponderExcluir
  9. O que mais marcava nos jogos do Banjo era as vozes dos personagens. Uma mais engraçada que a outra. kkk'

    ResponderExcluir
  10. Ahh, lembro que eu tinha 5 aninhos, quando papai chegou com aquela pequena caixinha de papelão, toda colorida, e dentro o cartucho lindo...
    Joguei por horas e horas sem piscar ^^
    Esse jogo é com certeza um dos melhores que existem, apesar de ter um enredo bem infantil, é mto envolvente
    Francamente, a versão do 360 nem chega aos pés desse clássico xD

    ResponderExcluir
  11. desde que a Rare foi pra M$ aprontou terriveis,tirando que o remake do Conker ficou muito bom,realmente,Banjo,decaiu e afundou no mar!

    ResponderExcluir
  12. "Eu acho Banjo-Tooie MAIS MELHOR do que Banjo-Kazooie", sem comentários Super Mario Bros. HUAHSUHAUDGSAUD.

    ResponderExcluir
  13. Já jogaram o "Banjo" do XBOX 360 ?
    Tem gráficos super legais ,porém
    é muuuito chato !Digo pq tenho esse
    jogo des de que comprei o XBOX e nunca
    mais joguei,a RARE só se dava bem com
    a Nintendo mesmo !!!

    ResponderExcluir
  14. Eu ainda tenho o meu 64 velho, e a fita do BT, mas ela vive travando, mal consigo começar um jogo, mas me lembro de bons tempos, eu corria da escola, largava as coisas em algum lugar e já ligava o 64, adorava correr só de Kazooie, com o cheat de velocidade(o Banjo é lento demais...) era frenético, com um run-jump-spin-double jump, eu conseguia até pegar o Jiggie de Jolly Roger's Lagoon que precisava do Glide, ou ainda massacrar todos com Grenade Eggs(que não tinham no BK, o que era chato...), ou até cantar o Eekum Bokum com o Mumbo, bons momentos... Banjo Tooie, Super Mario 64 e o Majora's Mask são uns dos games que eu não consigo esquecer do 64

    ResponderExcluir
  15. Eu tenho o N64 e o cartucho do Banjo-Tooie, era meu jogo preferido xD

    ResponderExcluir
  16. depois do DK64, ese é o meu game preferido. ja zerei 6 vezes 100% e acho que o q masi chama a atença eh a trilha e efeitos sonoros. cada fase tem uma musica, que eh dividida em sub-musicas, que possuem o mesmo tempo e ritmo da principal, de acordo aonde vc esta. da até medo quando voce chega nos calaboussos da gliter gulch mine,com aquela musiquiinha do mau.

    ResponderExcluir
  17. @Vicentebaiaribe: Crash Bandicoot cópia de Banjo-Kazooie? Como ele é uma cópia se ele foi lançado antes? Pesquise mais antes de falar besteira ¬¬

    ResponderExcluir