Os spin-offs da série Pokémon

Os jogos canônicos da série Pokémon já são bem conhecidos pelos fãs. Mas você se engana se pensa que estes jogos são os únicos que sustenta... (por Fábio Garcia em 21/08/2012, via Nintendo Blast)

Pokébola vai! Os jogos canônicos da série Pokémon já são bem conhecidos pelos fãs. Mas você se engana se pensa que estes jogos são os únicos que sustentam a franquia no Japão. Entre um jogo importante e outro, a Nintendo sempre arranja uma brecha para aventurar os Pokémon em novos estilos de jogo, com novas jogabilidades e possibilidades. Nesta matéria especial, vamos conhecer os outros jogos que, ao lado de Pokémon Conquest, ajudam a mostrar novas facetas desta franquia tão famosa.

Perdidos nas Dungeons

Dica 1 para Dungeons: Nunca confie num Chikorita. O gênero Mystery Dungeon já era muito popular antes mesmo de Pokémon se aventurar por esse caminho. Para quem não conhece, se trata de um jogo de exploração de dungeons, aqueles calabouços característicos de RPGs. O detalhe é que esses dungeons são criados aleatoriamente pelo cartucho, então o jogo nunca vai se repetir. O jogo é bem divertido, mas pode ser bem repetitivo dependendo do tipo de jogador que você é.

Porradaria injusta. O primeiro jogo da série Pokémon Mystery Dungeon, lançado em 2005, foi dividido em versões Red e Blue. A Red foi lançada para o Game Boy Advance e a Blue para o Nintendo DS. O jogo contava a história de um humano que acordou um dia no corpo de um Pokémon, e agora ele precisa se unir a outros Pokémon para descobrir o motivo e salvar o mundo, que está em colapso. Para decidir o Pokémon que você será, o jogo faz um questionário sobre sua personalidade. Mystery Dungeon ainda ganharia mais três outros jogos: Pokémon Mystery Dungeon: Explorers of Time (Nintendo DS, 2007), Pokémon Mystery Dungeon: Explorers of Darkness (Nintendo DS, 2007) e Pokémon Mystery Dungeon: Explorers of Sky (Nintendo DS, 2009), todos com novos Pokémon e possibilidades para a franquia. Visando fazer uma propaganda, essa série de jogos ganhou episódios especiais em anime. O primeiro chegou a ser exibido no Brasil pelo Cartoon Network.

O WiiWare ganhou também três versões de Pokémon Mystery Dungeon, lançadas apenas no Japão. Os jogos não têm uma história, como nos jogos portáteis, mas pelo menos têm gráficos poligonais no mesmo estilo de My Pokémon Ranch.

Os Patrulheiros Pokémon

Vamos começar o piquenique? Seguramente, um dos mais elaborados e interessantes spin-offs de Pokémon. Neste jogo, você deixa de lado os treinadores e controla um Pokémon Ranger. Antes que você pense que se trata de um jogo com pessoas vestidas em roupas coloridas usando um robô gigante, saiba que “ranger” é uma palavra para definir, por exemplo, um patrulheiro ou guarda florestal. E neste jogo você controla um desses rangers, que precisa defender o mundo e a natureza. Para isso, você conta apenas com um aparelho que se assemelha a um pião, e fazendo-o dar voltas em Pokémon selvagens você obtém o controle deles.

Solana é uma fofa. O primeiro jogo da série, Pokémon Ranger, foi lançado em 2006 para o Nintendo DS e deve ter feito muita tela de baixo ficar marcada com os desenhos de círculos feitos. Este primeiro jogo é bem variado e mostra um lado do universo Pokémon que é muito interessante. O segundo game da série, Pokémon Ranger: Shadows of Almia (2008) lançado para o DS, é um pouco pior, talvez porque tenha ocorrido uma diminuição da idade do personagem principal, que agora se parece com uma criança. Já Pokémon Ranger: Guardian Signs (2010), também lançado para o Nintendo DS, volta com um protagonista mais velho, uma trama mais envolvente e uma jogabilidade mais refinada. E tem o Entei, então tá tudo bem agora.

Os Rangers dos dois primeiros jogos também já deram as caras em alguns episódios especiais de Pokémon, ajudando o Ash a resolver alguns problemas.

Os Quebra-Cabeças

O melhor jogo de Puzzle de Pokémon. Se você é do tipo que prefere uma partida de Tetris a ficar lendo tabelas de golpes super-efetivos, Pokémon também tem jogos de puzzle para você. O primeiro a ser lançado foi Pokémon Puzzle League (N64), em 2000. Acredite ou não, mas este jogo nunca foi lançado no Japão. A razão dada na época foi que os japoneses estavam empolgados com a nova geração, a Gold & Silver, então não iriam gostar de um jogo que trazia apenas os monstrinhos velhos. O jogo é baseado no Tetris Attack, que teve uma versão com o Yoshi lançada para o SNES. Como curiosidade, esse jogo é totalmente baseado no anime, então usa cenas em animação (no Nintendo 64!!!), vozes dos dubladores e músicas instrumentais da trilha sonora americana do anime. Nada mal.

Chikorita desanimada com as poucas cores do GBC. Para o GBC, Pokémon Puzzle Challenge (2000) trouxe o mesmo sistema do Puzzle League, só que usando os novos Pokémon como o Totodile e o Cyndaquil. O hardware do Game Boy Color se esforça, mas não consegue manter a velocidade da versão do Nintendo 64, embora os gráficos sejam bem bonitinhos. Na dúvida, prefira a versão lançada para o console de mesa. Com o lançamento do Nintendo DS, as chances de um novo jogo da série Pokémon Puzzle foram frustradas com o lançamento do fraco Pokémon Trozei!, lançado em 2005. O jogo se esforça muito em ser um clone do clássico Meteos, mas não convence. Pelo menos o estilo gráfico dos personagens é bem interessante.

Brincando de Baralho

Quem usa um Spearow para lutar? Voltando um pouco no tempo, o Game Boy ganhou dois spin-offs baseados no jogo Pokémon TCG (Trading Card Game). O primeiro, Pokémon Trading Card Game (GBC) foi lançado em 1998 no Japão e em 2000 nos EUA e é uma versão idêntica do card game que existe no mundo real. Com a diferença de que não precisa gastar o dinheiro de um rim para comprar decks e boosters. É bom começar a aprender essas palavras para entender como o jogo funciona.

Infelizmente, conhecer a análise morfológica destas palavras não vai te ajudar a jogar Pokémon Card GB2, porque este jogo foi lançado para o Game Boy Color apenas no Japão, em 2001. Só estudando bastante japonês para conhecer este jogo que inclui um grupo de vilões que deseja roubar seus cards raros.

Para as crianças

O Pikachu quer alguma coisa de você. Diversos spin-offs de Pokémon foram lançados para distrair as crianças. O primeiro é o famoso, porém pouco jogado, Hey You, Pikachu! (N64), lançado em 1998 no Japão e em 2000 nos EUA. O jogo usa um sistema de reconhecimento de voz e um microfone para que o jogador converse e dê ordens ao Pikachu. Nada de muito divertido, mas foi bem inovador para uma época sem Nintendogs.

Pokémon Channel, lançado em 2003 para o Nintendo GameCube, é um canal de televisão dedicado a programas de Pokémon. A programação do “Canal Pokémon” inclui: um jornal apresentado por um Psyduck, um Squirtle brincando de vendedor da Polishop, um Wobbuffet apresentando um game show digno de figurar no SBT e muitas outras atrações. É uma ideia boa que foi mal-executada.

Me leve para o Terminal Parelheiros, Já no Wii tivemos a série PokéPark, com os jogos PokéPark Wii: Pikachu’s Adventure (2009 no Japão e 2010 nos EUA) e PokéPark 2: Wonders Beyond (2011 no Japão e 2012 nos EUA). São jogos de plataforma bem bobinhos, destinados a aqueles que não jogam muito bem videogame. O destaque do segundo jogo é trazer os Pokémon da série Black & White, como o Tepig e o Snivy.

O bom e velho fliperama

Sorte que o Slowpoke não tá tomando conta do placar. Sempre ouvi que fliperama, aquele joguinho que você mexe duas barras para impedir que uma bola caia no buraco, é coisa de velho. Com Pokémon Pinball você pode perder esse preconceito. O primeiro jogo da série, lançado em 1999 para Game Boy Color, traz uma versão que a bolinha é a Pokébola, e seu objetivo é capturar Pokémon. O jogo incluía um Rumble Pack para que o Game Boy Color vibrasse na sua mão.

De onde surgem estes Pokémon dos pinball? A continuação, Pokémon Pinball: Ruby & Sapphire, foi lançada para Game Boy Advance em 2003, aproveitou o embalo das versões Ruby e Sapphire para trazer novos Pokémon. E se lembra daquele Rumble Pack legal que colocaram na versão anterior? Esqueça, a única maneira de sentir o balanço é jogando pelo Game Boy Player no Nintendo GameCube, neste caso o controle vai dar umas chacoalhadas de leve. Os dois são surpreendentemente divertidos, e merecem ser jogados.

Are you ready to rumble?

Pikachu super animado para participar do jogo Um dos spin-offs recentes, Pokémon Rumble foi lançado para WiiWare em 2009 custando 1500 Nintendo Points. O jogo traz apenas versões muito simplificadas dos Pokémon representando bonecos de corda, e você fica apertando o mesmo botão para golpear repetidas vezes. Repetitivo ao extremo, o jogo só foi lapidado decentemente com o lançamento de Pokémon Rumble Blast em 2011 para o Nintendo 3DS. Não chega a ser um primor, mas é bem melhor que a versão original.

Outros Spin-offs

Olha pra mim, aqui aqui, a câmera te ama. Pokémon teve muitos outros Spin-offs que não puderam ser classificados com os anteriores. Em Pokémon Snap, lançado em 1999 para o Nintendo 64, você controla o personagem fotógrafo que deseja fotografar todos os Pokémon. Ao contrário do que muitos pensam, o nome dele não é Snap, como foi chamado erroneamente aqui no Brasil pelo primeiro estúdio de dublagem. Seu nome é Todd, e seu jogo de fotografias é curto, porém muito divertido. Está disponível uma versão no Virtual Console que te permite enviar suas fotos aos amigos. Bem melhor que o Instagram, não acha?

Pokémon Dash é uma tentativa de jogo de corrida lançado em 2004 no Japão e em 2005 nos EUA para o Nintendo DS. Se aceita um conselho de amigo, corra para longe deste jogo e seja feliz.

Prefiro A Fazenda My Pokémon Ranch, lançado em 2008 para WiiWare amplia a ideia do Pokémon Box (lançado em 2004 para GameCube), que era apenas um depósito mais bonitinho para seus Pokémon. Só que dessa vez você poderia colocar todos os seus monstrinhos em uma fazenda. Não há muito o que se fazer neste jogo, mas já é melhor que ‘A Fazenda’ da Record.

Um dos mais inusitados spin-offs da franquia é Learn With Pokémon: Typing Adventure, lançado para Nintendo DS em 2011 no Japão e com lançamento previsto na Europa agora em 2012. É um jogo de digitação para que você aprenda a usar melhor o teclado. Quem disse que Pokémon não pode ser educativo. O jogo acompanha um teclado, para quem estava com medo de usar a tela de toque para o treino.

Esses foram os spin-offs de Pokémon, que mostraram que Pikachu e seus amigos podem se dar bem em qualquer outro tipo de jogo. O spin-off mais recente lançado é o Pokémon Conquest, que você já deve ter lido análise aqui no Nintendo Blast. E qual é o seu spin-off favorito? Conte para nós nos comentários!

Revisão: Lucas Oliveira


Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


Disqus
Facebook
Google