Blast from the Past

Relembre a odisseia dos quatro Links no inusitado The Legend of Zelda: Four Swords Adventures (GC)!

Eiji Aonuma e sua equipe sempre foram muito imprevisíveis em se tratando de conceitos inéditos utilizados em novos jogos de The Legend... (por Unknown em 26/07/2013, via Nintendo Blast)


Eiji Aonuma e sua equipe sempre foram muito imprevisíveis em se tratando de conceitos inéditos utilizados em novos jogos de The Legend of Zelda, uma das mais aclamadas franquias da indústria gamística. Seja por ousar com gráficos que vão contra tudo que os fãs gostariam de ver com o Link cartunesco de Wind Waker ou até incorporar mecânicas geniais como a contagem regressiva para o fim do mundo de Majora’s Mask, a Nintendo sempre se esforçou para criar jogos que, apesar de possuírem a mesma incrível essência, se diferenciam por ambientações e recursos completamente inéditos. Mas talvez nenhum conceito seja tão inusitado como o da série Four Swords. O minigame que chegou de mansinho como um mero extra do relançamento de A Link to the Past, para Game Boy Advance em 2002, acabou cativando jogadores do mundo todo, o que fez com que a Nintendo lançasse The Four Swords Adventures para GameCube dois anos depois.


Zelda multiplayer?

Os jogos da franquia que carregam o subtítulo de Four Swords possuem uma série de peculiaridades interessantes. Em primeiro lugar, sai o visual tridimensional das entradas mais recentes da série e retornam os gráficos bidimensionais super estilosos da era de ouro dos videogames. Além disso, a estrutura de jogo é bastante diferente e peculiar: no lugar da exploração de um mundo vasto e a busca por itens e artefatos em templos, entram fases em que até quatro jogadores disputam para ver quem consegue mais rupees... É, isso mesmo que vocês leram, caros leitores: quatro jogadores. Disputando Rupees.

Quem poderia imaginar um jogo da série Zelda sendo jogado por quatro pessoas simultaneamente?
Naquela época, a Nintendo tinha certa obsessão em ver consoles conectados uns aos outros, algo parecido com o que acontece hoje com todas as empresas, só que sem internet. Com isso, a empresa tentava lançar jogos multiplayer para seus portáteis que exigiam o uso do saudoso Game Link Cable, aquele mesmo que você usava para conseguir todos os Pokémon nas primeiras versões da franquia. Apesar de ser um bônus, Four Swords era uma das apostas da Big N para aumentar a base instalada do acessório e, com isso, lançar mais títulos que fizessem seu uso. Além disso, o jogo possuía até um enredo que, apesar de simples, era bastante envolvente e divertido.

Cabos, cabos e mais cabos...
Mas o grande trunfo da série (e auge da cisma da Nintendo com cabos) veio com Four Swords Adventures, para GameCube. O jogo, lançado no hiato entre The Wind Waker e Twilight Princess, foi anunciado em 2003 como o carro chefe da conexão entre o Game Boy Advance e o GameCube através de – surpresa! – um cabo, e prometia uma experiência extremamente divertida e gratificante para os jogadores, fãs ou não, da franquia. Mas o que tornava este jogo tão diferente, um título digno de carregar o nome da mais adorada franquia da Nintendo?

Vai encarar?
A resposta é simples. Como dito, Four Swords Adventures possuía um enredo interessante e além disso, uma Hyrule convincente, com locais consagrados que todo fã adora revisitar e apresentava um gameplay extremamente refinado, que elevava a jogabilidade de Zeldas bidimensionais para outro patamar. Como se não bastasse, apesar de ser um jogo pensado para ser jogado com os amigos, o título podia ser aproveitado por apenas uma pessoa e era extremamente divertido!

O retorno de Vaati

Four Swords Adventures se passa muito tempo depois de Four Swords, jogo em que o feiticeiro Vaati, já em sua forma demoníaca, é selado de uma vez por todas pelo poder da Four Sword. Zelda e as seis Maidens guardiãs do selo percebem que algo está errado, e que o vilão pode estar arquitetando algum plano para escapar de sua maldição. Ao chegarem no local, Dark Link surge e, além de libertar Vaati, ainda prende as Maidens e a própria princesa Zelda em cristais e as envia para para diversas regiões de Hyrule.

Desaparecido desde Ocarina of Time, Dark Link finalmente retorna à série!
Com o reino caindo mais uma vez em desgraça e sem uma explicação plausível sobre o surgimento de Dark Link, caberá a Link mais uma vez empunhar a Four Sword, se dividir em quatro e viajar por todos os cantos de Hyrule para salvar as Maidens, Zelda e de quebra acabar de uma vez por todas com Vaati, sem saber que isso faz parte de um plano maligno muito maior de um velho conhecido inimigo do herói.

Zelda e suas fiéis escudeiras

Um jogo, várias formas de se jogar!

Apesar de ser um jogo focado na experiência para até quatro jogadores, a Nintendo sabia muito bem de dois problemas que permeavam sua ideia: primeiramente, era clara a resistência dos fãs de longa data da franquia quanto a um título da série ser fundamentalmente baseado em jogatinas para quatro jogadores. Além disso, para aproveitar a experiência multiplayer oferecida pelo jogo, cada um dos participantes deveria possuir um Game Boy Advance e um cabo de conexão entre ele e o GameCube, o que demandava gastos altíssimos que poucos estavam dispostos a realizar, o que tornava tudo muito restrito.

Para resolver este problema, Four Swords Adventures podia ser jogado completamente por uma pessoa, e esta ficava no controle dos quatro Links simultaneamente. Parece complicado, não? Mas a Big N pensou em uma forma muito inovadora e divertida de fazer isso funcionar. Os Links podiam ser alocados em algumas formações diferentes, enfileirados na vertical, horizontal ou até mesmo formando uma cruz! O jogador devia controla-los simultaneamente selecionando as formações mais convenientes para superar os diversos puzzles e inimigos encontrados pelo caminho.

Os quatro Links deviam trabalhar em equipe para superar os obstáculos da jornada!
Controlar os Links era muito fácil e ainda havia a opção de usar o controle do GameCube ou um Game Boy Advance como controle (um cabo GC-GBA vinha incluso na embalagem do jogo). O legal de se usar o portátil como controle era que, ao entrar em algum ambiente fechado, o jogo era transferido para a telinha do console, dando um grande ar de novidade e imersão ao título. Talvez esse fosse um dos primeiros experimentos da Nintendo com o conceito de duas telas, abraçado pela empresa desde o lançamento do Nintendo DS e hoje utilizado até em seu console de mesa.

A experiência para um jogador é rica, interessante e divertida. Boa parte graças ao excelente enredo e as referências ao universo da franquia e, mesmo que focado em combates, o jogo apresentava uma boa quantidade de puzzles inovadores e criativos. Outra sacada muito legal de Four Swords Adventures foi o retorno do Dark World de A Link to the Past, que era elemento chave tanto do enredo quanto de vários quebra-cabeças espalhados pelas mais de dez horas de gameplay.

Unidos, Vaati e Dark Link provocam o caos em Hyrule!
Mesmo sendo um jogo excelente para se jogar sozinho, Four Swords Adventures brilhava mesmo em seu modo multiplayer. Caso todas as restrições de jogo fossem superadas pelos jogadores, eles estariam diante de um dos melhores jogos cooperativos de todos os tempos! Resolver os puzzles em equipe, ou até mesmo derrotar os geniais chefes ao final de cada fase era extremamente prazeroso, ainda mais considerando que cada jogador tinha autonomia de se movimentar livremente pelos cenários, inclusive de entrar em casas ou lojas sem afetar os outros participantes, já que, assim como quando jogado por um jogador, a imagem era transferida para a tela do Game Boy Advance.

Além disso, o jogo ainda recompensava os jogadores que coletassem mais Rupees durante os estágios, dando um ar de competição, mesmo quando os Links deviam se ajudar para superar algum obstáculo. O resultado não poderia ser diferente de gigantescas crises de risos e diversão quase infinita, algo que o cooperativo de New Super Mario Bros. tenta alcançar até hoje, sem o mesmo sucesso (mesmo que ainda seja muito divertido).

Apesar de quase inacessível, o multiplayer era uma experiência única!

Minigames e mais minigames!

Por fim, além do modo Hyrulean Adventure, descrito acima, o jogo ainda contava com um minigame para dois ou mais jogadores intitulado Shadow Battle. O modo consistia em uma frenética batalha entre Links, que podiam utilizar o que encontrassem no caminho para derrotar seus rivais. Apesar de fugir muito da temática do jogo e da franquia, o mata-mata era extremamente engraçado e aumentava consideravelmente o fator replay do jogo.

A versão japonesa de Four Swords Adventures ainda contava com outro minigame. Chamado Tetra’s Trackers (ou Navi Trackers), o jogo é o que mais chega perto do conceito de jogabilidade assimétrica vendido pela Nintendo com o Wii U. Neste minigame, os jogadores deveriam procurar por membros da tripulação de Tetra, de Wind Waker, fazendo uso da combinação da televisão e a telinha do Game Boy Advance. Tetra’s Tracker contava até com um modo para um jogador, em que a competição era contra o controverso “fada” Tingle. Uma pena que este modo se limitou à terra do sol nascente.

Infelizmente, Tetra's Trackers nunca chegou em nossas bandas

Nostálgico e moderno

Apesar de possuir visuais que remetessem diretamente ao clássico A Link to the Past, Four Swords Adventures se aproveitava bastante dos recursos gráficos do GameCube, o que ficava claro com os efeitos de luz e partículas incríveis extraídos diretamente de The Wind Waker. A palheta de cores utilizada também era muito viva e os personagens eram criados com esmero, mesmo os mais coadjuvantes inimigos.

A trilha sonora misturava músicas já bem conhecidas pelos admiradores da franquia e ainda contava com novas e empolgantes composições, afinal, mesmo que diferente, este ainda é um jogo que carrega o nome The Legend of Zelda, e qualidade nas composições sempre foi um dos pontos de destaque inerentes ao valor de produção da franquia. Os efeitos sonoros, como sempre, eram adoráveis e, mesmo sem vozes digitalizadas ou ainda gráficos tridimensionais, conseguiam transmitir uma sensação que poucos jogos conseguem.

Os gráficos de FSA representam o perfeito equilíbrio entre o velho e o novo

Diferente, mas ainda assim incrível!

The Legend of Zelda: The Four Swords Adventures pode não ter tido a mesma repercussão dos grandes jogos da franquia, mas ainda assim era um jogo extremamente bem executado e digno de carregar o nome Zelda em sua capinha. Infelizmente, nem todos deram uma chance ao título, tendo em vista a dificuldade em reunir quatro pessoas que possuíssem um Game Boy Advance e um cabo GC-GBA para usufruí-lo. A saga Four Swords ainda recebeu uma prequel, pelas mãos da Capcom, com The Minish Cap, que contava as origens de Vaati e revelava até mesmo diversos elementos da própria complexa mitologia da franquia. Olhando para trás, o jogo se mostra extremamente relevante para a história da Nintendo, já que diversas inovações introduzidas por ele acabaram se tornando o conceito central dos consoles atuais da empresa. Sorte que hoje cabos não são mais necessários.


Revisão: Alex Sandro de Mattos
Capa: Diego Migueis

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


  1. Seria bem da hora depois do Zelda U, a Nintendo lançasse um Four Swords pra Wii U.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que four sword cairia como uma luva no 3ds, principalmente com um multiplayer online.

    ResponderExcluir
  3. A Nintendo bem que poderia aproveitar a possível conexão do 3DS com o Wii U, e lançar esse game para o Virtual Console. Desta vez, nem precisaria de todos os jogadores com o cartucho, só terem o 3DS e um Wii U resolveria.

    ResponderExcluir
  4. Ué... Aquele Four Swords Adventures que tem no 3DS (foi dado até de graça em 2011 se eu nao me engano...) nao é exatamente esse? Vizinho acho q eu eu tow fazendo confusão... Kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google