Discussão

O que New Super Mario Bros. deve aprender com Rayman Legends?

Vamos combinar: a Nintendo já gastou todas as suas fichas com a série New Super Mario Bros. A estreia da série completou sete anos no últ... (por Unknown em 06/10/2013, via Nintendo Blast)

Vamos combinar: a Nintendo já gastou todas as suas fichas com a série New Super Mario Bros. A estreia da série completou sete anos no último mês de maio e já conta com quatro títulos, sendo um para cada console da Big N que passou por nossas mãos até então. Contudo, a empresa parece não desejar sair, de maneira nenhuma, de sua zona de conforto, e continua não querendo arriscar muito. É claro que os jogos são de qualidade, mas ainda assim não conseguem chegar nem perto do legado que a franquia do encanador bigodudo construiu nos tempos de Nintendinho e Super Nintendo. 


Por outro lado, a Ubisoft, desenvolvedora que vem se mostrando uma das mais importantes do mundo a cada ano que passa, presenteou a comunidade gamer com um retorno às origens de seu principal mascote, Rayman, há quase dois anos com Rayman Origins e agora retorna com uma sequência, Legends, para a sua nova velha franquia. Origins e Legends são jogos de plataforma bidimensionais, assim como New Super Mario Bros., mas ao contrário da série da Nintendo, a criação de Michel Ancel parece estar pronta para abraçar o novo e ensinar a empresa que um dia popularizou o gênero plataforma, a receita de como recriar a roda.

Legends chega para mostrar como se faz um jogo de plataforma para os dias atuais

Inovar é preciso

Em primeiro lugar, não venham me dizer que desafiar os jogadores a coletar milhões de moedas é algo muito inovador. Isso pode ser divertido, mas não inovador. A série New Super Mario Bros. sempre tentou recriar o sentimento original de se jogar Super Mario Bros. (NES), Super Mario World (SNES) ou qualquer outro título que tenha sido lançado entre os dois citados. O problema é que, quando tais jogos foram lançados, não havia nada parecido até então, e os consoles da época não eram capazes de fazer muito mais do que aquilo, já que a Nintendo tirava leite de pedra de seus consoles, coisa que faz até hoje com seus grandes títulos AAA.

A nova franquia da Nintendo não consegue reproduzir o sentimento daqueles jogos, pois além de não deixar nenhum jogador boquiaberto com o mundo de novas possibilidades diante de seu console (já que além do multiplayer para quatro ou cinco pessoas nada apresentado foi realmente novo), ainda falha em tentar reproduzir o mesmo nível de qualidade e excelente level design de seus antecessores. 

Sinto muito, Mario. Sua inovação está em outro castelo...
A reimaginação da série Rayman já choca por seu visual belíssimo, que parece ter sido pintado à mão, e seu humor fora de série, capaz de arrancar sorrisos de qualquer um imediatamente. Legends é um show à parte e já chega na voadora para ensinar como criar um jogo de plataforma para os dias atuais. E não pense que estou defendendo Legends por seu visual. Esse é o ponto menos importante do jogo, que cria uma infinidade de elementos de jogabilidade que conseguem mantê-lo novo e surpreendente até o final. A grande diferença está no fato de que a Ubisoft decidiu pegar uma de suas mais icônicas franquias e trazê-la para a nova geração utilizando-se das capacidades dos consoles para oferecer algo novo, enquanto que NSMB tenta apenas emular um sentimento do passado.

Legends apresenta fases intensas, desafiadoras e divertidas

Mundos temáticos sob um novo prisma

Um dos pontos mais legais de toda a franquia da Nintendo é o fato dos mundos possuírem temas distintos com fases que seguem seu estilo. Vejamos Super Mario World: apesar dos mundos temáticos, as fases se diferenciavam muito entre si, trazendo um ar de novidade para cada novo desafio. Isso tornava o jogo mais encantador e fazia com que os jogadores se lembrassem de cada uma das fases que passava, já que a grande maioria delas era memorável ou pelo menos diferentes. New Super Mario Bros., por outro lado, utiliza-se de mundos temáticos, mas as fases são sempre muito parecidas entre si, de forma que o jogador não se lembra dela, mas sim do mundo que acabou de completar. Isso, caro leitor, faz com que o jogo se torne mais genérico e repetitivo.

Alguma fase do Accorn Plains...
Rayman Legends também abusa do conceito de mundos temáticos, porém os estágios não são diferentes entre si apenas pelo visual, mas também pela forma como deverá ser jogado. Cada fase possui situações e objetivos únicos, que abusam da criatividade dos desenvolvedores e fazem com que os jogadores sejam pegos de surpresa a todo momento. Uma das coisas que mais diverte em Legends é justamente compreender como jogar cada um dos mais de oitenta níveis do título, que abusam de novos conceitos a todo o momento. Em uma fase, Rayman está correndo desesperadamente por sua vida enquanto construções inteiras desabam e são sugadas por areia; na próxima, o personagem precisa voar por paredes de vento enfrentando inimigos com projéteis e, cinco minutos depois, estamos correndo e saltando desenfreadamente para conseguir completar a fase no ritmo de alguma música famosa. E dessa forma surpreendente e divertida, Legends segue firmemente até o final.

Por que não adicionar um pouco de culinária ao mundo do deserto?

Linearidade excessiva para quê?

Em Rayman Legends as fases podem ser jogadas na ordem em que o jogador desejar, desde que ele tenha coletado Teensies o suficiente durante a jornada, fazendo com que o HUB funcione mais ou menos como em Super Mario 64, mas para um jogo 2D. Essa liberdade faz com que o jogador tenha o controle sob a ação e decida se é ou não a hora de conhecer um novo mundo. Há aqueles que gostam de fazer 100% de um mundo antes de avançar e outros que não conseguem se segurar ao saber que poderão conhecer uma nova fase com tema completamente distinto das que estavam jogando, e Rayman permite que os dois tipos de jogadores façam o que acharem melhor para avançarem na aventura.

Em Legends, as fases podem ser jogadas em qualquer ordem
Apesar dos Marios antigos não permitirem essa liberdade, não é isso que destruiria o sentimento nostálgico de jogar um jogo bidimensional do encanador. A mecânica só tornaria o jogo mais agradável a muitos jogadores que não gostam de seguir exatamente o que lhes é imposto pelos desenvolvedores. O melhor dos mundos é um design em que a aventura possua um objetivo bem definido, mas que possa ser completado de várias formas que vão de acordo com o estilo de jogo de cada jogador.

O jogo da Nintendo força os jogadores a seguirem um caminho pré-definido

Nintendo, o GamePad é mais do que você imagina

New Super Mario Bros. U faz um uso bastante limitado do GamePad. Com a possibilidade de se jogar o título completamente pelo controle e a inclusão de um quinto jogador que pode ficar criando blocos para ajudar ou atrapalhar os outros participantes. Muito legal, mas... por que só isso? A Nintendo sempre foi conhecida por utilizar suas tecnologias como nenhuma outra desenvolvedora é capaz, mas dessa vez a empresa nipônica tomou um banho de inovação de sua parceira francesa.

Nintendo, sinto muito. Esses bloquinhos não me convencem...
Legends utiliza todos os recursos disponíveis no novo controle da Nintendo, desde a tela de toque, passando pelo microfone e os sensores de movimento. O conceito de jogabilidade assimétrica, tão alardeado pela Big N durante as primeiras campanhas de marketing do Wii U, se prova algo único e extremamente divertido no jogo da Ubisoft. No controle de Murfy, o que segundo nossa análise é um mosquito que mais parece um “sapo fada”, o jogador pode comer bolo, girar plataformas, fazer cócegas em inimigos, cortar cordas, abrir caminhos, operar catapultas e tudo mais que as mentes por trás do desenvolvimento do jogo pensaram durante o tempo que tiveram para criar o jogo. Além de tudo isso, ainda é possível aproveitar o título inteiramente pelo GamePad... E agora Nintendo?

Catapultar personagens é apenas um dos excelentes usos do GamePad em Legends

Remodelando um clássico

Mario possui, certamente, um legado muito mais poderoso que Rayman, e talvez este seja um dos motivos pelos quais a Big N não tem a mesma coragem da Ubisoft para reinventar sua franquia de maior sucesso de todos os tempos. Contudo, a saturação da série New Super Mario Bros. e o contraste desta com a reimaginação de Rayman (que antes não fazia nem cócegas no dedinho do pé da franquia da Nintendo) faz com que pensemos se a Big N está tomando a direção correta para os jogos bidimensionais de seu mais icônico personagem. Legados de lado, nos dias de hoje tenho uma certeza: mesmo sem braços ou pernas, Rayman está dando uma surra no Mario.

Revisão: Alex Sandro de Mattos
Capa: Stefano Genachi

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


  1. Rayman deixa mario no bolso!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixa New Super Mario Bros no bolso... Mas se formos pensar na serie 3D de Mario veremos que a surra se inverte e doi mais kkk

      Excluir
    2. Deixa New Super Mario Bros no bolso... Mas se formos pensar na serie 3D de Mario veremos que a surra se inverte e doi mais kkk

      Excluir
  2. A Nintendo fez o que outras empresas fazem para lucrar. Mas do mesmo, baixo custo e ótima saida no mercado.

    ResponderExcluir
  3. Eu acho q a nintendo ira dar o troco, e mostrar o pq do Mario ser tao querido na comunidade gamer. Espere e vera.

    ResponderExcluir
  4. Duro admitir, mas concordo com cada palavra.

    ResponderExcluir
  5. Tenho os dois pro WiiU ... ja salvei o New Super Mário Bros U, e estou jogando o Legends. O Legens está Show, inclusive e de longe o Game do WiiU que mais faz melhor uso do Gamepad. Mas convenhamos, Mario e Pai dos Games, principalmente do tipo plataforma. Qual jogo do tipo plataforma não foi inspirado em Mario? ... Mas enfim, parabens a UBISOFT pelo Rayman Legends!

    ResponderExcluir
  6. @Bruno A série 3D sim, a série New não. Convenhamos, Mario 2D não tem nenhuma inovação desde do World, último Mario 2D que realmente paguei pau. A série New Mario é legal, mas não tem nem metade da criatividade do Rayman Origins e Legends.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas se esquecem que a proposta da série New é exatamente ser mais do mesmo, quase como um Spin off. Tem de se considerar os Marios 3D para inovações.

      Excluir
  7. Os 2 jogos me agradam,e detalhe quem compra console da nintendo,é justamente pelos jogos do mario,imaginem um mario galaxy u....

    ResponderExcluir
  8. Os 2 jogos me agradam,e detalhe quem compra console da nintendo,é justamente pelos jogos do mario,imaginem um mario galaxy u....

    ResponderExcluir
  9. Os 2 jogos me agradam,e detalhe quem compra console da nintendo,é justamente pelos jogos do mario,imaginem um mario galaxy u....

    ResponderExcluir
  10. Os 2 jogos me agradam,e detalhe quem compra console da nintendo,é justamente pelos jogos do mario,imaginem um mario galaxy u....

    ResponderExcluir
  11. Os 2 jogos me agradam,e detalhe quem compra console da nintendo,é justamente pelos jogos do mario,imaginem um mario galaxy u....

    ResponderExcluir

Disqus
Facebook
Google