Pikmin: o caminho da franquia até Pikmin 3 Deluxe (Switch)

Conheça o longo caminho que os pequenos Pikmin percorreram em quase duas décadas, desde o GameCube.

Ao mesmo tempo em que é fonte de inspiração, a mente de Shigeru Miyamoto intriga o mundo dos games, já que o mestre mostrou por diversas vezes que elabora os seus pensamentos de forma inigualável. Certo dia, o criador do Super Mario estava descansando no pátio de sua casa até ter sua atenção roubada por um grupo de formiguinhas passando em direção ao jardim. Em vez de continuar seu sossego de domingo, Miyamoto imaginou pessoas minúsculas caminhando naquela fila de insetos, sendo guiadas por um líder.

Vamos combinar que muitos poderiam imaginar algo parecido, eu mesmo criava coisas assim na minha infância. Mas Miyamoto foi além, ele usou o devaneio para criar um jogo de videogame: Pikmin. Com certeza aquelas formiguinhas jamais saberiam que foram inspiração para uma das franquias mais criativas da Nintendo.

Do formigueiro para o GameCube

Pikmin (GC) nasceu de um brainstorm criativo de Miyamoto, que observava a forma que as formigas trabalham: andam em grupo, são organizadas e seguem um líder. Esta estrutura casou perfeitamente com o conceito de exploração e estratégia em tempo real. Junto com isso, o mestre também levou o formigueiro e o jardim inteiro para dentro dos videojogos, além de adicionar diversos elementos originais, como os inimigos e quebra-cabeças, para dar sentido ao gameplay.

O enredo conta a história de Capitão Olimar, um funcionário muito competente da Hocotate Freight, uma empresa de entregas espaciais. Após um longo período de trabalho duro, Olimar decide tirar férias e viajar sozinho em sua nave particular, a S.S. Dolphin. Durante o voo, ele colocou a nave em piloto automático e viajava sem rumo pelo espaço, apenas relaxando e esquecendo de tudo. Até que, de repente, um meteorito colide com a nave de Olimar, destruindo-a em 30 partes.
Capitão Olimar à bordo da S.S. Dolphin
A força do impacto arremessou o astronauta e os fragmentos da sua nave em direção a um planeta desconhecido, chamado PNF-404. O nosso protagonista desperta em algum lugar de PNF-404 e encontra a sua amada espaçonave aos pedaços. Após descobrir que este planeta está cheio de um gás venenoso chamado Oxigênio, ele terá exatos 30 dias para reconstruir a S.S. Dolphin e voltar para o seu planeta natal. No entanto, Capitão Olimar acaba conhecendo os Pikmin, criaturinhas nativas daquele local, que prontamente ofereceram ajuda para recuperar as partes da espaçonave e salvar o forasteiro.

Embora simples, a trama é convincente o suficiente para criar apego aos personagens. Além disso, após o final dos dias, Olimar escrevia em seu diário alguns detalhes sobre o que ocorria durante as missões, a sua relação com os Pikmin e até mesmo sobre a sua própria família, enriquecendo bastante a narrativa do game.

A jogabilidade consiste em usar os Pikmin para encontrar as partes da S.S. Dolphin durante o dia e retornar para a segurança do espaço durante a noite, para evitar ser atacado pelos predadores noturnos daquele planeta selvagem. As explorações diárias duram cerca de 17 minutos do mundo real, o que pode parecer muito, mas devido a enorme quantidade de tarefas e desafios, acaba tornando-se uma corrida contra o tempo.

O retorno de Olimar

Após encontrar todos as partes da S.S. Dolphin, Capitão Olimar retorna ao seu planeta natal, Hocotate. Ao aterrissar no estacionamento da Hocotate Freight, o nosso protagonista encontra seu patrão e um funcionário recém-contratado chamado Louie. Olimar descobre que a empresa está muito endividada, situação que foi provocada por Louie. Assustado com a péssima recepção, Olimar acidentalmente deixa cair uma tampinha de garrafa, que seria um presente para seu filho.

O objeto é absorvido por uma máquina que converte tesouros em dinheiro e foi convertido em 100 moedas de ouro. Este acontecimento fez o presidente da empresa enviar Olimar e Louie de volta ao Planeta Distante para coletar mais tesouros. Assim começa a aventura de Pikmin 2 (GC).

A jogabilidade é semelhante ao primeiro jogo da série, mas com algumas alterações nos controles. Agora é possível controlar dois astronautas e dividir as tarefas. Ao contrário do seu antecessor, Pikmin 2 tem uma quantidade infinita de dias para completar todos os objetivos. Adicionaram dois novos perigos: eletricidade e veneno. Foram introduzidos dois novos tipos de Pikmin: branco e roxo, sendo que o primeiro resiste a veneno e o segundo possui a força de dez Pikmin.

Com a mesma qualidade de gameplay do seu antecessor, Pikmin 2 (GC) expandiu os horizontes da franquia e, pela primeira vez, adicionou modos além da campanha single player, como o Desafio.

À espera de uma sequência

Pikmin marcou a geração do Nintendo GameCube, mas o fim da era do forninho deixou a franquia dos simpáticos alienígenas em um hiato de quase uma década. No entanto, os dois títulos foram relançados para o novo console, o Wii, com a jogabilidade adaptada para o revolucionário controle de movimento, Wiimote, na série New Play Control!. Embora as novas versões contém com controles mais intuitivos, não houve nenhuma adição de conteúdo aos jogos, tornando os ports dispensáveis para quem já havia jogado as versões originais.

Na E3 de 2008, a Nintendo anunciou de forma discreta que a sequência já estava em produção e seria lançada para o Wii, aproveitando o potencial da interface do videogame. Entretanto, anos se passaram e nunca mais tocaram no assunto, deixando os fãs da franquia em uma longa espera. Pelo menos Capitão Olimar deu as caras em Super Smash Bros. Brawl (Wii), dando um gostinho de realização para quem se apaixonou pelas aventuras do astronauta e os seus pequenos companheiros.

O esperado retorno dos Pikmin

A longa espera valeu a pena, porque os Pikmins retornaram em alta definição pela primeira vez, no melhor jogo da franquia. Pikmin 3 (Wii U) é o título mais bonito e completo da série. Ele trouxe uma tonelada de novidades, como novos Pikmin e jogabilidade refinada. Desta vez a aventura não é focada no Capitão Olimar, mas em três astronautas tão legais quanto: Alph, Brittany e Charlie. O trio foi encarregado de encontrar recursos naturais para o planeta Koppai, que enfrenta uma crise alimentar causada pela exploração irresponsável da natureza.

A trilha sonora e a ambientação tornam a experiência imersiva e viciante. No Nintendo Wii U, a jogabilidade assimétrica dava uma interatividade ainda maior ao game, graças ao Gamepad. A segunda tela dava a possibilidade de acessar o mapa em tempo real, sem precisar interromper o gameplay, além de usar o giroscópio como câmera fotográfica com visão em primeira pessoa. Era possível fotografar os cenários altamente detalhados e compartilhar no serviço Miiverse, uma espécie de rede social que o Wii U e 3DS possuíam.

Pikmin 3 aprimorou a jogabilidade, adicionando mira fixa em pontos específicos dos inimigos, o que abriu um leque de possibilidades para o gameplay e tornou as batalhas ainda mais estratégicas. Além de trazer novos modos extras de jogo, adicionando um multiplayer mais robusto e novos desafios. Junto com isso, foi o primeiro título da série a oferecer DLCs pagos.

Eles cabem no bolso

Diferente da fórmula clássica da série, Hey! Pikmin (3DS) é um título de plataforma 2D linear. Não há limite de tempo para concluir os estágios e só é possível controlar 20 Pikmin por fase. Entretanto, o título usa elementos clássicos da série, como usar as vantagens de cada espécie para resolver quebra-cabeças e derrotar inimigos. A história não possui ligação com outros jogos da franquia, sendo então considerado um spin-off.

Depois de fazer uma entrega, Capitão Olimar volta para casa em seu planeta natal, Hocotate. Enquanto ele tenta alcançar a velocidade luz, a nave apresenta mau funcionamento e o nosso protagonista se encontra no meio de um campo de asteroides. Ele tenta desviar dos obstáculos, mas seus motores são atingidos e a S.S. Dolphin perde a direção.

Olimar cai em um planeta muito familiar, descobrindo que sua nave está sem combustível. A S.S. Dolphin diz a Olimar que eles precisam de 30.000 Sparklium, que são sementes amarelas fonte de combustível, para energizar a nave. Olimar irá contar novamente com a ajuda dos Pikmin para encontrar a quantidade necessária de Sparklium e assim conseguir retornar ao seu planeta.

Versão definitiva

Junto com os diversos jogos que foram ofuscados pelo fraco desempenho comercial do Wii U, Pikmin 3 Deluxe (Switch) chega ao Nintendo Switch. Trazendo ainda mais conteúdo e gameplay melhorado, o título promete ser a segunda chance para este jogo tão bem feito. A franquia de Shigeru Miyamoto enfrentou um longo caminho, desde o GameCube, até esta versão definitiva, que pode-se dizer, literalmente: a evolução da saga se deve ao trabalho de formiguinhas. Que o sucesso chegue para os nossos esforçados alienígenas, porque esperamos ansiosos por Pikmin 4!

Revisão: Vladimir Machado

Fã de The Legend of Zelda e SMT: Persona. Entusiasta por videogames e também fala sobre videojogos no Twitter.


Disqus
Facebook
Google