Jogamos

Análise: New Super Mario Bros. U Deluxe (Switch) — um port bem-recebido, mas pouco audacioso

Com um título extenso, o “novo” game da franquia não arrisca muito e entrega uma aventura pautada na nostalgia.


Há, em 2019, alguém que não conheça a franquia Super Mario? Retirando as breves exceções do universo, a série é, indubitavelmente, famosa ao redor do globo e poderosa o suficiente para vender muitos produtos e games com seu nome — Super Mario Run (iOS/Android) é uma prova disso. Para os fãs nostálgicos das aventuras clássicas desses jogos, como Super Mario Bros. (NES), a “nova” aventura chega ao híbrido da Big N com a promessa de resgatar essa pegada clássica, porém com toques em HD muito bem-vindos.


Analisando o contexto do Nintendo Switch no início de 2019, Mario ganhou muita representação até o presente momento, com títulos poderosíssimos como Mario Kart 8 Deluxe, Mario Tennis Aces e o impecável Super Mario Odyssey, além de outras participações de destaque, como em Super Smash Bros. Ultimate. Enfim, são muitos títulos e New Super Mario Bros. U Deluxe chegou, como um port da versão de Wii U, para adicionar — sem muito impacto — a essa biblioteca mais uma aventura do bigodudo.

Peach se foi… de novo


Certo, a história da franquia New Super Mario Bros., que iniciou em 2006 no Nintendo DS, não é uma das mais criativas — tampouco procura competir pelo título de melhor enredo. Peach é sequestrada novamente e os Koopalings estão dispostos a ajudar os planos do sequestro, sendo eles os inimigos enfrentados no final de cada mundo. Assim, cabe a uma equipe no mínimo reconhecida, Mario, Luigi, Toads e Toadette, a missão de retirá-la das mãos de Bowser.

Os mundos são minimalistas e fáceis de se compreender. Cada fase completada libera novos caminhos, podendo ser uma estrada linear para a próxima fase ou bifurcações que dão mais liberdade para o jogador. De fato, você não precisa passar todas as fases para completar o mundo, já que algumas passagens diferentes estão ligando ao final do mundo, porém os jogadores podem precisar voltar, caso desejem pegar mais moedas especiais para desbloquear novidades.



Falando nisso, cada fase possui três dessas moedas especiais, algumas escondidas e outras exigindo mais habilidade dos jogadores para alcançá-las — o que é bem impulsionado caso você opte por usar Toadette. No geral tive que abandonar uma grande quantidade de moedas, já muitas estavam disponíveis apenas se eu estivesse com algum item que melhorasse meus saltos para coletá-las, o que de certa forma incentivou o retorno às fases posteriormente.

Aliás, tais itens são um dos destaques do game — e em abundância. Os Power-Ups são muitos, incluindo os clássicos, como Fire Flower e Super Star, e alguns não muito usuais, como P-Acorn, Ice Flower e Penguin Suit. Nabbit, por exemplo, não pode usar tais Power-Ups, além dos outros personagens, com a exceção de Toadette, também não poderem utilizar a famigerada Super Crown, item alvo de diversos conflitos e questionamentos sobre a identidade de Peach e Peachette nos aspectos filosóficos — que já falamos sobre aqui no Nintendo Blast.

Também não podemos esquecer de mencionar os Yoshis — sim, no plural. O famoso companheiro verde de Mario está no game, pronto para devorar inimigos e frutas a fim de oferecer vidas extras para o jogador em troca. Não só a versão verde está presente, mas também os chamados Baby Yoshis marcam presença em New Super Mario Bros. U Deluxe, com funções exclusivas, como iluminação e bolhas que aprisionam inimigos, e sem contar a fofura dos pequeninos cantando juntos à música de fundo.


Além do mais, o jogo fornece itens extras para serem utilizados antes de iniciar as fases. Eles são fornecidos por bônus ou em ocasiões específicas espalhadas pelo mapa, que são coletados em uma espécie de inventário — bem útil para situações emergenciais. Essa ajuda extra é bem-vinda principalmente quando é preciso de um Power-Up que ajude a entrar em áreas específicas, como em plataformas superiores, indispensável para ajudar a completar o game.

Há também as famigeradas casas de Toads espalhadas pelos mapas. Dessa vez Toad não é protagonista, como em Captain Toad: Treasure Tracker (Switch), porém suas constantes aparições são feitas para oferecer divertidos minigames para os jogadores com boas recompensas. Por mais que seja algo já existente em todas as versões da série, é importante mencionar que tais mecânicas funcionam bem e são boas distrações durante o ritmo constante de passar níveis — que acaba sendo bem repetitivo.


Por vezes os controles parecem confusos pela alteração dos comandos durante a portabilidade da versão de Wii U para Switch. Isso acontece pela junção da ação de girar no ar com o botão de salto, sendo realizado ao pressioná-lo duas vezes, causando um certo desconforto que às vezes levaram à morte por escaladas erradas ou wall jumps pouco precisos, o que pode chatear alguns jogadores.

Assim, a ideia orgânica de games como Super Mario World (SNES) podem passar longe do título, uma vez que alguns jogadores podem sentir uma certa artificialidade em tudo, desde o cenário até as músicas genéricas da série. Não que isso atrapalhe a ponto de tornar o jogo ruim, é apenas um ponto de vista remetente às origens de tudo isso, já que a proposta dos games da linhagem “New” é justamente resgatar essa positividade dos clássicos 2D.

Voltando à gameplay, cada mundo é composto de um chefe intermediário, um Boom Boom, e um Koopaling, como Wendy e Lemmy, todos aguardando o jogador no topo de um castelo. As mecânicas de batalha são sempre as mesmas: espere por uma oportunidade, enquanto desvia de obstáculos, para pular na cabeça do chefe. É um pouco batido, mas funciona, mesmo que seja por uma questão simbólica de dizer que há um “chefe” ali. Por vezes isso muda, como nas batalhas contra o Bowser Jr., mas tudo segue basicamente o mesmo padrão.



Logo após derrotar o chefe principal, o jogador segue para o mundo seguinte, e assim sucessivamente. Algumas vezes o jogo oferecerá opções de escolha, deixando para quem está jogando a decisão de qual será o próximo mundo, o que é positivo. No total, o jogo pode render dezenas de horas caso seu objetivo seja coletar tudo que está disponível — e estar disposto a morrer muitas vezes — para completá-lo 100%.

New Super Luigi U é o conteúdo adicional que está incluso na versão Deluxe do game. É uma ótima dosagem de desafios, todos eles cronometrados em apenas 100 segundos por nível, capazes de instigar os melhores jogadores. O DLC adiciona muitas fases novas, dignas de comparação com níveis difíceis produzidos em Super Mario Maker (Wii U), além de estender o tempo de “duração” do game.


As músicas de New Super Mario Bros. U Deluxe são, por vezes, cansativas. Aparentemente o capricho sonoro de outros games da Nintendo não está presente aqui, já que as músicas temáticas do game são boas, porém ecoam basicamente como as mesmas existentes desde New Super Mario Bros. (DS). Depois de algumas horas ouvindo as mesmas músicas, o ritmo pode soar irritante e cansativo, o que é um ponto negativo para o jogo — que poderia aproveitar músicas mais variadas e toques diferenciados.

Mario, Luigi e companhia


Falando sobre os personagens jogáveis, Mario e Luigi são representações indispensáveis no game, mesmo que Mario não seja jogável no DLC New Super Luigi U. Ambos seguem o mesmo padrão que possuíam desde a primeira versão de New Super Mario Bros. para Nintendo DS, havendo apenas um maior capricho da qualidade da imagem de cada um.

Além disso, os dois Toads, o azul e amarelo, estão disponíveis no game. Muitos acharam que o Blue Toad havia sido substituído por Toadette, porém é possível usá-lo ao pressionar R na tela de seleção quando a opção de Yellow Toad aparece. Os dois não mudaram desde a versão de Wii U, sendo que possuem as versões pequenas, grandes e com Power-Ups.

Já Toadette, exclusiva para a versão de Nintendo Switch, é uma alternativa bem mais fácil, justamente para quem não tem muita experiência ou paciência com jogos do gênero. Sim, é um “New Funky Mode” versão Mario Bros., caso você ainda lembre de Funky Kong em Donkey Kong Country: Tropical Freeze (Switch), visto que ela, quando segura a Super Crown, se transforma em Peachette e consegue flutuar por longos períodos, além de haver uma certa “proteção” às quedas, tornando-a bem diferente dos demais.


Nabbit é outra alternativa facilitada com as habilidades do coelho ladrão. Ele não poderá usar nenhum Power-Up no game, porém, em compensação, ele não levará dano de nenhum inimigo que apareça pelo cenário. Entretanto, por mais que pareça bom demais para ser verdade, ele é vulnerável às ações do mapa, como buracos e lava, o que faz total sentido.

Caso não saiba, New Super Mario Bros. U Deluxe permite que você jogue com até quatro jogadores simultaneamente, sendo possível o uso de um Joy-Con para cada. Durante minha experiência multiplayer tudo correu muito bem, no fim das contas o game se torna bem mais divertido que o usual, além de exigir um bom trabalho em equipe para que todos efetuem as missões do game. Alguns podem reclamar que é difícil acompanhar na tela todos os jogadores simultaneamente, porém não tive problemas com esse aspecto.


Mas caso você não queira jogar o modo história com seus amigos ou familiares, é possível desafiá-los nos chamados Challenges, que são atividades extras disponíveis no game, além de um divertido modo de competição em que os jogadores disputam para saber quem coleta mais moedas no mapa. Infelizmente não há muita variação, tampouco um modo online para disputar com os amigos em outros consoles, o que acaba ofuscando um pouco esses modos “extras”, se comparados com o que outros jogos oferecem.

Enfim, New Super Mario Bros. U Deluxe é um grande título (literalmente) que é muito bem-vindo para os fãs que não tiveram um Wii U, com boas pegadas nostálgicas e ideal para quem aprecia o clássico gênero de plataforma do bigodudo. O amargo preço de sessenta dólares é triste, infelizmente, já que a versão original foi lançada há mais de 5 anos e sabemos que a ampla biblioteca de jogos do Switch pode parecer mais atrativa com outros jogos, até mesmo com outros ports como Donkey Kong Country: Tropical Freeze. No mais, o game não tem a audácia de adicionar muitos conteúdos extras, além de remover alguns existentes no Wii U, o que pode ser um pouco frustrante para quem gostaria de ver algo a mais — além da facilitadora Super Crown e Peachette.

Prós

  • Estilo clássico e divertido da franquia Super Mario Bros. conservado;
  • Itens e Baby Yoshis trazem boas variações para o game;
  • Modo cooperativo funciona muito bem;
  • Toadette é uma boa adição para os jogadores novatos ou inexperientes;
  • Conteúdo extra, New Super Luigi U, já está incluso no game.

Contras

  • Preço elevado para outro port de Wii U;
  • Pouco conteúdo novo quando comparado com a versão original;
  • Música genérica pode soar enjoativa depois de um tempo;
  • Poucos recursos extras e ausência de modos online;
  • Controles com eventuais problemas de precisão.

New Super Mario Bros. U Deluxe - Switch - Nota: 8.0
New Super Mario Bros. U Deluxe está disponível na Loja Nintendo
Análise produzida com cópia digital cedida pela Nintendo

é estudante e apaixonado por games desde seu primeiro contato com Duck Hunt e Ice Climbers do nintendinho em 2002. Fanático por Pokémon e admirador de diversas franquias, reúne seu tempo livre para escrever e tentar colocar suas séries em dia. Está no Facebook e Instagram.

Comentários

Google
Disqus
Facebook