Top 10

Melhores jogos Sonic para plataformas Nintendo

Após a guerra entre mascotes na década de 1990, a Nintendo abre suas portas para um antigo rival. Confira os 10 melhores jogos Sonic em plataformas bigodudas.


Quem cresceu jogando videogame nas décadas de 1990 e 2000 jamais poderia imaginar que um dia veríamos Sonic correndo em um console da Nintendo. Como sabemos, após uma maior parceria entre Nintendo e Sega, essa situação mudou e cada vez mais jogos têm sido lançados, incluindo os exclusivos para plataformas Nintendo, que presenciamos com o trio exclusivo recém-lançado (Mario and Sonic at the Sochi 2014 Olympic Games, Sonic: Lost World e Sonic Boom: Rise of Lyric). Mas será que todos esses jogos Sonic lançados recentemente, ou desde o início da junção entre as duas maiores rivais dos games nos anos 1990, honram suas existências? E como os gamers de antigamente reagiriam diante de tais títulos? Reunimos agora um Top 10 dos jogos deste nosso querido ouriço azul que mais marcaram e fizeram sucesso nos consoles de um certo encanador... Acompanhe-nos!

O que antes parecia impossível agora torna-se realidade

A década de ouro dos videogames, como são chamados os anos 90 pelos gamers e a crítica especializada. Mas o porquê desse período ser tão especial para a história dos jogos eletrônicos é uma questão que muitas vezes intriga os novos jogadores. Contudo, se você fez parte dessa geração, com certeza presenciou uma das maiores rivalidades da história dos videogames.

Em um mercado dominado pela Nintendo após a crise dos videogames no início da década de 1980, nada parecia abalar sua soberania como maior empresa de jogos eletrônicos no Ocidente e no Oriente. Porém, uma concorrente arriscaria a sorte num duelo indigesto, mas possível. Uma rivalidade lendária que trouxe títulos inesquecíveis, assim foi o cenário da época, quando Sega e Nintendo disputavam cada jogador. Movidas pela disputa de mercado que ambas protagonizaram o duelo mais lendário da história dos videogames. Mario e Sonic eram os heróis que recrutavam jogadores para seus times. Assim, escolher entre as duas gigantes do entretenimento digital tornava-se uma questão quase religiosa para os jovens que cresceram em locadoras de games e jogando um bom videogame em casa.

Encontrar Sonic correndo pelos lindos campos de Hyrule após uma temporada de disputas nas Olimpíadas com toda a turma do Mario não era nada comum na década de 1990. Os dois mascotes e símbolos dos videogames não se davam muito bem no mundo virtual. Mario e Sonic, como Nintendo e Sega, eram praticamente duas religiões, duas ideologias completamente distintas, duelando pela hegemonia do promissor mercado de games. Ofensivas propagandas, citações e referências de desprezo em desenhos, revistas e jogos, marcaram definitivamente o confronto entre o jovial e moderno ouriço e o encanador aventureiro. Mas o mascote da Sega perdia seu lar com o fracasso do Dreamcast.

O ouriço correndo pelas plataformas Nintendo:

Após a má sorte com o Dreamcast, a SEGA passaria de gigante do hardware para apenas uma gigante empresa desenvolvedora de software, mas com um histórico imenso, que a beneficiava em termos de franquias marcantes, qualidade e muitos outros aspectos secundários. Passaria a SEGA a produzir seus games para todas as plataformas ou seria confiada a uma gigante, como Second Party? Alguns títulos caíram melhor em outros consoles, mas fica claro que a Nintendo foi o espaço mais propício para os jogos do ouriço azul, dadas as semelhanças de sua personalidade com outros jogos da casa do Mario.

E cá estamos, em um tempo onde a SEGA anda lançando cada vez mais títulos exclusivos da franquia para os consoles da Big N. Diante deste fato, vejamos os principais e melhores jogos protagonizados por Sonic já lançados nas plataformas Nintendo.

10. Sonic Advance (GBA)


Iniciando a parceria entre as duas gigantes do entretenimento eletrônico, surgia um novo Sonic, naqueles mesmos moldes dos jogos de plataforma lateral que tanto cativaram jogadores no Master System e Mega Drive. Vários elementos deles estariam presentes em Sonic Advance, com ar inovador e um gostinho de velocidade alucinante. Dentre eles havia rampas, cordas e molas característicos, além dos inimigos florestais mais eletrônicos que já vimos. Ah, e claro, não poderíamos esquecer das esmeraldas! As fases especiais mostravam um Sonic skatista que deveria coletar uma certa quantidade de argolas no ar. Destaque para as diversas manobras especiais e todas as maneiras mais práticas de acumular pontos.


Uma das novidades deste jogo foi sua interação com o GameCube. Através do modo de criação do Chao, era possível transferi-lo para o jogo Sonic Adventure 2: Battle, um remake de um dos maiores sucessos do Dreamcast lançado para o GameCube quase simultaneamente. O GBA possuía minigames mais viciantes e com nível de aproveitamento mais veloz, possibilitando que o seu Chao ficasse firme e forte para a batalha quando "crescesse". Uma boa para intercalar com os movimentados estágios de ação que o modo principal do jogo trazia.

9. Sonic Rush (DS)



Para tentar conquistar o público dos jogos 2D de Sonic, e aproveitando as duas telas do DS, foi lançado este jogo que reúne, num mesmo pacote, ação, estágios de fazer cair o queixo com transições entre telas, muita velocidade e diversos elementos da série do principal mascote da SEGA.


As clássicas fases são geradas no portátil com qualidade ímpar. Recheado de percursos com molas, argolas, inimigos, e tudo o mais presente nos jogos do nosso querido ouriço azul. O jogo adiciona movimentos e convida a replays para se conseguir melhores rankings, além de possuir um interessante modo multiplayer.

8. Sonic Classic Collection (DS)


A transição de Sonic para os ambientes em 3D ainda inspira dúvidas e controvérsias, contudo, seus jogos clássicos em plataforma 2D são a prova de que o mascote pode sim ter um lugar ao sol entre os principais heróis dos videogames. Lançados para Mega Drive no início da década de 1990, os quatro primeiros títulos do ouriço retornavam em um único cartucho de Nintendo DS, mostrando para os novos jogadores todo o potencial do principal mascote da SEGA e, para os que tiveram a sorte de ver surgir o maior rival do Mario, relembrar suas clássicas aventuras do Mega Drive na palma da mão.


Sonic Classic Collection traz o melhor do Sonic em 2D: Sonic The Hedgehog, Sonic 2, Sonic 3 e Sonic & Knuckles,  tudo pelo preço de um. Os jogos contam muito da história de Sonic na indústria dos games, reproduzindo quase fielmente o que foi visto na sua plataforma original (embora exista uma pequena queda de frames quando temos muita coisa no cenário). Mesmo com poucos extras e a falta de um modo multiplayer em Sonic 2, o jogo é um presente para os fãs, trazendo num pequeno pacote grandes obras. A coletânea do Sonic para o DS diverte e agrada, lembrando-nos do quão divertido o azulzinho foi e ainda é em suas aventuras contra  Eggman. Mesmo não brilhando tanto como antes, devido a uma série de pequenos problemas técnicos, poder jogar quatro dos melhores títulos do Sonic no portátil da Nintendo, percorrendo uma pequena parte da história dos videogames na palma da mão, coloca Sonic Collection no nosso oitavo lugar.

7. Sonic Generations (3DS)


Levado para o passado através de um buraco do tempo enquanto comemorava seu 20º aniversário, o Sonic moderno dá de cara com sua versão clássica, e juntos se aventuram mais uma vez pelos tradicionais cenários que consagraram o mascote da Sega. Este é o enredo de Sonic Generations para 3DS. Mesmo não sendo nada grandioso e profundo, foi suficiente para unir em um mesmo jogo duas gerações do pequeno corredor azul. É uma ótima e nostálgica aventura do ouriço da Sega no novo portátil 3D da Nintendo. Anuciado para consoles HD, e frustrantemente esperado pelos fãs no Wii, foi no 3DS que um dos melhores jogos do Sonic em tempos deu as caras aos fãs do seu antigo rival.


Buscando entender o que havia acontecido, Sonics e Tails desbravam cenários familiares e enfrentam antigos vilões de jogos passados. E é esse sentimento de nostalgia e novidade que torna Generations um dos melhores títulos do Sonic após suas corridas nos consoles da Nintendo. Mesmo sem toda a beleza da versão em HD para consoles de mesa, a do 3DS agrada pela fluidez e velocidade no decorrer das fases. É incrivelmente gratificante controlar ambos heróis em cenários refeitos e modernos, com aquele ar de nostalgia e saudosismo. A versão do portátil ainda tem fases exclusivas e um modo multiplayer, que pode ser jogado, inclusive online. O efeito 3D estereotipado do console dá mais vida aos belos cenários do jogo, principalmente nas fases do Sonic moderno. Mesmo não sendo tão refinado quanto suas outras versões, Generations rapidamente se tornou um clássico da biblioteca do 3DS. O jogo celebra de forma sublime os 20 anos do Sonic nos videogames, vale a pena reviver o melhor do mascote em todas as dimensões.

6. Sonic and the Black Knight (Wii)


Continuando a série de spin-offs “Sonic Story Book Series”, iniciada com Sonic and the Secret Rings, Sonic and the Black Knight nos transporta para um universo paralelo do Rei Arthur onde Sonic, em posse da Caliburn (equivalente à Excalibur), deve enfrentar os Cavaleiros da Távola Redonda: Sir Lancelot, Sir Gawain e Sir Percival (personagens da franquia caracterizados). A história é simples, mesmo com a reviravolta que coloca os vilões iniciais do seu lado para enfrentar o verdadeiro inimigo e restaurar a paz em Camelot, mas suficiente para deixar nosso herói medieval no clima da aventura.


O belíssimo trabalho de arte gráfica impressiona, sendo um dos melhores do console  tornando-o um marco na biblioteca do Wii. A grama, a água, a lava e todos os movimentos dos personagens enchem os olhos do jogador, enfatizados por belos efeitos de luz, sombra e textura. A trilha sonora mantém o padrão Sonic de qualidade, transportando todo o clima medieval da aventura. Se não fossem pequenos problemas de jogabilidade, que tornam necessário balançar o controle repetidamente até o fim do game, tudo seria ainda mais épico. A jogabilidade é muitas vezes desastrosa, e poderia ter se assemelhado ao que vimos anos mais tarde em Skyward Sword. Mas a novidade, a ação e os belos gráficos impressionam e tornam a aventura um marco na extensa lista de títulos do herói. Este é um dos maiores exemplos da dualidade do universo de Sonic, um jogo com aspectos incríveis e outros desastrosos. Mesmo dividindo opiniões, é um dos melhores games do Ouriço para Wii.

5. Sonic Lost World (Wii U/3DS)


Após a inesperada parceria entre Nintendo e Sega, Sonic Lost World é o primeiro de uma série de jogos exclusivos do Sonic nas plataformas da Big N. Lançado também para 3DS, é no Wii U que ele se destaca. Apresentando certa inspiração nas mecânicas de Super Mario Galaxy e no melhor de Sonic Colors, o jogo reproduz momentos bastantes semelhantes aos dois ótimos títulos de Wii, revivendo o uso de pequenos planetas como cenários e itens de transformação do Sonic no Wii. O acréscimo de novas formas de jogabilidade, como o uso de um botão especifico para correr e saltos ao estilo parkour, adicionam boas novidades ao título.


A história, algo dificilmente relevante em jogos desse tipo, começa com Eggman escravizando um grupo de criaturas chamadas Zetir para usar seu poder contra Sonic e Tails. Mas tudo muda quando os Deadly Six, ao escapar das garras do vilão, se apoderam de seus robôs e máquinas e planejam destruir todo o planeta. Surge então mais uma parceria impensável na carreira do ouriço. Sonic e Eggman, juntos, precisavam derrotar este inimigo em comum. Mesmo com tantas influências o jogo mantém a identidade da série; correr desenfreadamente, loopings de tirar o fôlego e cenários belíssimos dominam a jogatina, sem falar na trilha sonora soberba, como no resto da franquia. A linearidade padrão da sérieé quebrada neste título. A maioria das fases possui rotas alternativas e itens colecionáveis que fazem o jogador querer explorar cada cantinho de seus belos cenários.


As novidades podem não agradar os mais puristas: correr pelas paredes como o Assassino da Ubisoft e viajar por planetóides como em Galaxy, mas suas clássicas habilidades estão presentes, inclusive as mais recentes, como os divertidos Colors. A jogatina se completa com um competente, mas simples, modo online, onde jogadores podem trocar itens antes de cada fase e comparar seus feitos do modo contra o tempo com outros jogadores ao redor do globo. Ainda podem receber a ajudinha de um amigo que possua a cópia de 3DS através de um robozinho que quebra um tremendo galho durante as fases. Mesmo oscilando um pouco entre problemas de câmera e a nova jogabilidade, o game é um dos pontos altos da franquia nos últimos anos, com dificuldade adequada, novas propostas de jogo e um universo lindo e carismárico, Lost World é a prova de que Sonic começa a tomar o caminho certo em sua antiga rival.

4. Sonic Colors (Wii)


Um gigantesco parque de diversões é construído no espaço, justamente acima da terra natal do ouriço azul, englobando diversos outros planetas. Com temas diversos, eles são habitados por pequenas e coloridas criaturinhas espaciais chamadas de Wisps, que têm seu lar tomado e são  transformadas em NegaWisps, buscando usar suas energias para o mal. É ai que entra nosso querido herói corredor, tentando resgatar os sequestrados Wisps e devolver seu lar das garras do malvado Eggman. O enredo de Sonic Colors, para variar, é simples e objetivo, tanto que logo de cara somos postos no comando do Sonic em ambientes tridimensionais em alta velocidade, sem perder muito tempo com apresentações. O game traz o que de melhor existe no mundo do ouriço da Sega, consagrado nas versões mais recentes do Adventure para GameCube. A velocidade dos games de Mega Drive, somada à jogabilidade e incríveis cenários 3D da série original do Dreamcast, encontram em Colors a perfeita transição entre as diferentes perspectivas.


Exclusivas dos consoles Nintendo, as versões de DS e Wii mantém sua essência, embora com perspectivas diferentes. No DS o game segue a tradicional progressão lateral, como na série Rush, enquanto no Wii intercala momentos 2D e 3D. Tudo que foi feito até então na franquia parece ter encontrado o equilíbrio e a harmonia necessários para dar vida ao universo pensado em anos pela Sega, agora no revolucionário console de Nintendo. A velocidade dos originais, batalhas de chefes vindas do Unleashed, além dos elementos cadenciais, belos loopings da série do Dreamcast e introduções maravilhosas de Black Knight, tudo está perfeitamente encaixado em Colors. As fases variam de curtas e simples para longas e complexas, formando um todo realmente agradável e muito bem construído.


As habilidades tradicionais estão todas lá, agora somadas aos poderes obtidos com os Wisps. De todas as cores e formas, essas criaturas dão por alguns instantes grandes poderes ao nosso protagonista. Maior velocidade, perfurar o chão, mandar inimigos para o espaço com apenas um encontrão, planar, disparar na velocidade da luz, se transformar em foguete e até numa rocha cheia de espinhos capaz de escalar paredes são algumas habilidades que Sonic adquire com a ajuda dos seus coloridos ajudantes. Os cenários são sensacionais, repletos de detalhes e cores, mostrando todo o poder do Wii: sem dúvida um dos mais belos do console, somados, claro, à trilha sonora eletrônica que embala a aventura. Mesmo com multiplayer fraco, o jogo possui conteúdo de sobra, e mostra que a união entre o velho e o novo pode sim dar certo no universo do Sonic. Este é um dos games da vasta biblioteca do ouriço da Sega indispensável para qualquer fã do antigo rival de Mario.

3. Sonic Adventure DX: Director's Cut (GC)


Após o lançamento do remake de Sonic Adventure 2: Battle, eis que esta pérola também chega para a plataforma de mesa da Nintendo à época. A história de Sonic Adventure DX: Director’s Cut conta o início de tudo, como o perigo que corre o planeta Terra após Dr. Egmann utilizar seus poderes para criar um ser chamado Chaos, com a finalidade de conseguir todas as sete esmeraldas e, assim, reinar absoluto e obter total controle do planeta. O interessante aqui é que você possui acesso livre ao cenário principal da cidade Station Square: um local rico de opções para se descobrir, pessoas para conversar e atalhos que levam a outras partes do mundo.


O jogo introduziu na série um sistema de fases abertas, além de um mundo que podia ser explorado em cenários de montanhas, praias, entre outros. A utilização de elementos dos jogos anteriores deu a este Sonic um ar de inovação que garantiu uma gama de novidades na série. O game o coloca em missões como coletar itens, achar passagens secretas, entre outras além dos estágios tradicionais. Adicionalmente, existe possibilidade de se jogar com Metal Sonic, mudanças no Chao Garden, missões extras após terminar o jogo, além de minigames vindos direto do Game Gear a cada 20 emblemas coletados.

2. Sonic Heroes (GC)


Três personagens, três poderes e muitos minutos de acão em cada estágio; este é Sonic Heroes! Lançado como um atendimento aos pedidos dos fãs que clamavam por melhorias em alguns aspectos nos jogos Sonic, em especial para a série Adventure, este talvez tenha sido um dos melhores games da turma do Sonic para os fãs daquela geração. E sim, saudades de uma época em que Sonic estava no auge e vinha conquistando e enlouquecendo (no bom sentido da palavra) cada vez mais adeptos de seu mundo mágico.


A quantidade de upgrades era absurda e a implementação de todos os elementos funcionava da forma mais tradicional e funcional possível. Estava tudo lá: história aprimorada, que parecia ser mesmo um desenho interessantíssimo tal o carisma dos personagens e trazia novas músicas e temas para eles; estágios de velocidade e com duração tripla dos Adventures; um colorido e vivacidade ainda maior nos cenários, proporcionados pela maior potencialidade gráfica do 128 turbinado da Nintendo. E ainda aquele desafio latente de fechar as fases com o melhor ranking possível estava de volta. Nada mal para comemorar os 10 anos da franquia mais veloz de todos os tempos!

1. Sonic Adventure 2: Battle (GC)


Para completar o círculo dos 10 melhores jogos Sonic nas plataformas Nintendo, nada melhor do que anunciar como primeiro colocado outro que também foi, junto de Sonic Advance, o pioneiro desta junção. A história envolvente de Sonic Adventure 2: Battle, colocando Sonic por um lado e Shadow, de outro, pela magnitude que envolvia o planeta, era uma inovação, assim como a divisão dos estágios, classificados de acordo com cada personagem: fases de corrida para Sonic e Shadow, de exploração para Knuckles e Rouge, e de artilharia para Tails e Eggman. Tudo muito bem colocado na história, que também era carregada de um humor digno de tramas cativantes entre os mascotes da SEGA.


Este port tinha todos os extras da versão original, como estágios variados, sistema de rankings, soundtrack list, ótimo multiplayer, modo Chao, além de um novo sistema de jogo, o famigerado modo Battle. Este era um multiplayer mais incrementado, trazendo todos os personagens secretos já habilitados, possibilidade de jogar com dois times do lado Dark, além de mais mapas disponíveis em duelos de corrida, tiro ou exploração. Uma boa para disputas com amigos em altas tardes na locadora mais próxima ou em uma jogatina descompromissada no final de semana.

Recheado de aditivos, completo no seu conteúdo, e por reviver de maneira fiel a saga do herói mais veloz do mundo dos games, este seria o jogo Sonic com maior credibilidade para figurar como primeiro colocado do nosso Top 10. Afinal, não é à toa que ele se tornou um dos 10 jogos mais vendidos para o GameCube.

Menções honrosas:

Sonic the Hedgehog 4 (WiiWare)


Anunciado sob enorme ar de mistério, Sonic the Hedgehog 4 é continuação direta dos clássicos jogos para Mega Drive. O jogo é completamente em 2D, assim como seus antecessores, mostrando enorme cuidado com a proposta original dos primeiros títulos do mascote da Sega. Mas o que devia ser uma continuação completamente original, na maioria das vezes parece um remake. As fases, inimigos e até os chefes sãoquase totalmente tirados dos primeiros títulos. Inspirações diretas, mas retrabalhadas e aprimoradas. Em relação aos cenários, o jogo é muito bem feito graficamente e, mesmo seguindo a premissa dos títulos de plataforma mais antigos, enchem os olhos. Se os cenários e inimigos são reaproveitados, as músicas, pelo contrário, são todas originais e bastante fiéis ao estilo tradicional das antigas aventuras em 16-bits. O mesmo não se pode falar da física. Muitas vezes o jogador vai se frustar com momentos de falta de controle e até lentidão do herói para embalar de vez. Contudo, o jogo cumpre o proposto, mesmo sem reviver os momentos dourados do mascote da Sega na década de 1990.

Sonic Unleashed (Wii)


Sonic Unleashed talvez seja o título que gerou maior hype entre os jogadores, muito por conta do marketing em cima dele sobre a volta das das fases clássicas misturadas com tridimensionais, além de um maior uso dos estágios de velocidade, algo já pedido pelos fãs há um tempo. Mesmo sem muitos dos recursos prometidos, Unleashed trouxe uma novidade: o personagem lobo de Sonic, Werehog, que o colocava em fases de exploração e batalha contra inimigos nas pacatas ruas da Grécia noturna. O brilho deste título veio à tona com uma grande quantidade de belos cenários, efeitos visuais de velocidade de cair o queixo e um ar renovado à série. Mas o excesso de fases como Werehog aborreceria muitos fãs, e o jogo acabaria sendo deixado de lado.

Esquecido:

Sonic Battle (GBA)


Está aí um título que muitos não jogaram mas que merece ser lembrado em nossa coluna. Um autêntico game lançado para o GBA em 2003 trazendo uma grande e envolvente história sobre personagens amigos de Sonic, que agora formam uma gangue, e de um robô, chamado Emert. Além dos modos de combate, que possuíam lá o seu charme, Sonic Battle mantinha uma viva qualidade gráfica alinhada com os muitos efeitos sonoros do game. Havia oito lutadores disponíveis e era possível escolher arenas para batalhar com diferentes tipos de regras e estilos de luta. O modo multiplayer dava um up a mais, possibilitando jogatinas com até três amigos nas violentas arenas e uma boa quantidade de minigames..

Grande Fiasco:

Shadow the Hedgehog (GC)


Se os jogos protagonizados pelo carismático mascote da Sega, Sonic, já sofrem com certa rejeição do público, o que dizer de um game onde nosso ouriço não é o protagonista, mas sim o misterioso Shadow. Mesmo sendo bastante querido até então, e com o aval dos fãs, a Sonic team resolve promover o anti-herói como astro central de uma aventura. Aproveitando o que foi utilizado no ótimo Sonic Heroes, Shadow the Hedgehog adiciona aventura, uso de armas e veículos, causando muita estranheza pelo público fiel do mascote azul. Mesmo com um interessante sistema de fases que vão mudando conforme as escolhas do jogador, permitindo, inclusive, vários finais distintos, o jogo deixa muito a desejar nos gráficos, sendo inferior ao seu antecessor. Com muitos serrilhados e cenários pobres e mal trabalhados, o game acaba decepcionando qualquer jogador, fã ou não da franquia. Problemas na câmera e na física, somados ao péssimo multiplayer, aumentam o desgosto com o título. Até a trilha sonora deixa um pouco a desejar (mesmo com ótimos riffs de guitarra, é muito repetitiva). Ainda temos as batalhas contra chefes que, assim como a maior parte do game, não agradam. No entanto, Shadow the Hedgehog possui sistemas de jogo interessantes, como as várias alternativas de rota e mais de 10 finais diferentes.
Matéria disponível na Revista Nintendo Blast Nº57.
E você, caro leitor, o que achou da nossa lista? Tem algum jogo que você curtiu que não entrou? Ou colocamos outro de forma injusta? Não deixe de comentar.

Colaborador: Jaime Ninice
Revisão: Bruna Lima
Capa: Paula B. Zanotelli 

Ítalo Chianca escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais