Blast from the Past

Brawl Brothers (SNES) — um beat ‘em up genérico que cumpre sua função

O Nintendo Switch Online nos trouxe um jogo sem muitos encantos, mas que representa bem um gênero que fez muito sucesso nos 1990.


Os assinantes do serviço online do Switch agora têm à disposição uma biblioteca recheada de títulos originalmente lançados para o SNES. É a oportunidade de conhecer ou revisitar alguns dos clássicos que foram responsáveis pelo imenso sucesso da plataforma de 16-bits da Big N. Para melhorar ainda mais sua experiência com esses games, o Nintendo Blast está preparando uma série de matérias com detalhes e curiosidades sobre cada um dos jogos presentes no catálogo. Hoje é o dia de falarmos de Brawl Brothers.

Briga de rua

Nos anos 90 um gênero que fazia muito sucesso era o beat ‘em up. Do Nintendinho ao SNES, foram muitos exemplos de empresas que exploraram a temática da pancadaria livre e descabida. Na era dos 16 bits, especificamente, surgiram alguns títulos clássicos, como Final Fight, Captain Commando e Teenage Mutant Ninja Turtles IV: Turtles in Time. Assim, é difícil explicar os motivos para que a escolha para representar o gênero no Nintendo Switch Online tenha sido justamente Brawl Brothers. Desenvolvido pela Jaleco, uma empresa com muitos jogos mas nenhum grande sucesso no SNES, o game é uma tentativa de incorporar as características centrais desse estilo em uma série.

No Japão, Brawl Brothers era a sequência de Rival Turf! e foi o jogo que antecedeu The Peace Keepers, todos da Jaleco. No Ocidente, contudo, as histórias foram desconectadas e os lançamentos foram independentes da estrutura seriada que existia no território japonês.


Seja no singleplayer ou multiplayer, você sempre escolhe dois personagens entre os cinco disponíveis: Lord J, Kazan, Rick Norton, Wendy Milan e Douglas Bild. Esses são os nomes na versão americana. Na japonesa, Rick Norton era chamado de Hack e Douglas Bild de Slash, provavelmente uma alusão ao termo Hack and Slash. Assim como em outros jogos, cada um deles possui golpes próprios e especiais que podem ser acionados em momentos de desespero, consumindo parte de sua energia.

Como disse anteriormente, nós precisamos escolher dois personagens no início e, no caso do singleplayer, você poderá utilizar o segundo quando acabarem suas vidas. Poderia ser uma boa ideia, se você pudesse alternar entre eles durante a partida, utilizando assim as habilidades que cada um deles possui. Mas não é esse o caso. Por outro lado, isso significa que, se você estiver jogando com três vidas (é possível definir nas opções a quantidade de vidas, continues e a dificuldade do game), na prática você terá seis. Como muitos títulos da época, Brawl Brothers é curto e possui um nível de dificuldade grande. Assim, a possibilidade de utilizar dois lutadores é muito bem-vinda. Claro que no Nintendo Switch Online, com o uso dos save states e do Rewind tudo é muito mais simples, e a questão da dificuldade não pesa tanto assim.




A história, como era de se esperar, é absolutamente desnecessária (tanto que não existe menção a ela dentro do jogo, apenas no manual). Nossos heróis vivem em uma cidade que foi invadida por uma gangue que tem o poder de clonar os inimigos, aumentando consideravelmente o número de criminosos que aterrorizam o ambiente. Nosso objetivo, obviamente, é acabar com eles. Mas os três personagens que sobraram (aqueles que você não escolheu), serão clonados e deveremos enfrentá-los durante a aventura. É uma história sem grandes atrativos, mas, convenhamos, não era a narrativa que atraía as pessoas para esse estilo de jogo.

Sobre o gameplay, estamos diante de uma aventura competente, com quatro fases com dez áreas cada. Como em outros beat ‘em ups, os inimigos são genéricos e se repetem na tela durante os diversos estágios, sem muita variação de design ou estilos de luta. Existem, é claro, algumas armas pelo caminho e itens de cura (o famoso franguinho) que podem ser coletados e utilizados de acordo com a necessidade. Como disse antes, os chefes das fases serão os amigos daqueles com quem você está jogando. Assim, entender as mecânicas e ataques de cada um deles ajuda muito na hora de enfrentá-los.

Quanto mais pancadaria melhor

Brawl Brothers é um game simples, mas que faz bem aquilo que se propõe. Ainda que não apareça nas listas de clássicos do gênero, acaba apresentando de maneira honesta todos os elementos básicos que fizeram a alegria dos jogadores no anos 90. Com bons gráficos, jogabilidade fluida e uma dificuldade desafiadora, o título garante algumas horas de diversão, com socos, chutes, explosões e tudo o mais que se espera de um jogo desse estilo.

Confira, logo abaixo, outras matérias dos jogos que integram o catálogo do Super Nintendo no Switch Online.

Pesquisador nas áreas de estética e cibercultura com Mestrado em Cultura e Sociedade (UFMA) e Doutorado em Comunicação (UnB). Além de escrever sobre jogos, produz o Podcast Ficções e tem um blog sobre literatura, filosofia e cotidiano.

Comentários

Google
Disqus
Facebook