Blast from the Past

Pilotwings (SNES): o simulador de voo preferido dos Nintendistas

Criado como demonstração de um novo recurso do Super Nintendo, o jogo ganhou um espaço no coração dos fãs.

Os assinantes do serviço online do Switch agora têm à disposição uma biblioteca recheada de títulos originalmente lançados para o SNES. É a oportunidade de conhecer ou revisitar alguns dos clássicos que foram responsáveis pelo imenso sucesso da plataforma de 16-bits da Big N. Para melhorar ainda mais sua experiência com esses games, o Nintendo Blast está preparando uma série de matérias com detalhes e curiosidades sobre cada um dos jogos presentes no catálogo. Hoje é o dia de falarmos de Pilotwings.


Conhecido por qualquer fã da Nintendo, mas também quase entrando para a lista das franquias esquecidas, Pilotwings surgiu para demonstrar as funcionalidades do Mode 7 do Super Nintendo e acabou sendo adorado. Mesmo tendo ganhado apenas três entradas em quase 30 anos de existência, relembraremos hoje o jogo que levou à loucura aqueles que nunca tinham experimentado um simulador de voo em ambientes “tridimensionais”.

Demonstração dos recursos de um chip

É de praxe da Nintendo criar, junto com o lançamento de um console, títulos que demonstrem sua capacidade e suas novas funcionalidades. Você se lembra de Wii Sports (Wii), Nintendo Land (Wii U) ou até do relativamente recente 1-2-Switch (Switch)? Saiba que essa prática não é nova para a empresa japonesa, que lá em 1990 decidiu disponibilizar aos apoiadores do recém-lançado Super Nintendo o novíssimo simulador de voo que relembraremos.

Pilotwings foi feito para demonstrar as funcionalidades do então novo processador gráfico do Super Nintendo, o qual incluía um modo chamado Mode 7, capaz de redimensionar e rotacionar elementos gráficos presentes no fundo dos jogos. Mesmo não tendo o poder de processar gráficos tridimensionais, esse componente eletrônico permitiu que se criasse uma falsa impressão de profundidade.

Talvez ainda não tenha ficado claro qual o efeito gerado pelo Mode 7, mas basta lembrar de alguns sucessos do SNES: Super Mario Kart e F-Zero, jogos de corrida nos quais o veículo permanecia centralizado na tela e o fundo se deslocava conforme as manobras; The Legend of Zelda: A Link to the Past, com o mapa de Hyrule em perspectiva; ou o próprio voo pelo mundo em Final Fantasy VI.

Se ficou claro para você como o Mode 7 permitia o uso da perspectiva, provavelmente você já entendeu que um simulador de voo seria um sucesso usando essa técnica. Basicamente, um sprite centralizado representa o seu personagem e as suas manobras apenas mudam as animações do mesmo. A sensação de voo, porém, é passada pelo fundo, que gira, se aproxima e é inclinado conforme você executa as manobras.

Mesmo sendo uma experiência curta, Pilotwings consagrou-se como o simulador de voo preferido dos fãs da Nintendo. E não se esperava nada menos que isso, já que o lançamento ficou a cargo do mesmo time que criou Super Mario World, dirigido pelo mestre Shigeru Miyamoto. Neste belo jogo, você entra na pele de um piloto amador em busca da sua licença e, para isso, será necessário enfrentar alguns desafios em diferentes meios de transporte aéreos.

Com emoção ou sem emoção?

Que criança nunca desejou estar na pele de um piloto e comandar os mais variados veículos pelo ar? Pode até parecer perigoso, mas não se for no Super Nintendo. Em Pilotwings, o seu personagem passará por provas em quatro diferentes veículos aéreos e deverá obter a pontuação necessária para cada uma das licenças de pilotagem.

Cada rodada é apresentada por um especialista em voo que exige o cumprimento das missões para alguns veículos. Se você completá-las em todos eles e a soma das pontuações for suficiente para a aprovação, será possível avançar para o próximo professor. Ao terminar quatro testes, uma pequena reviravolta faz com que você precise resgatar os quatro em uma base aérea inimiga com seu helicóptero — serão fortes emoções.

Ao terminar o primeiro resgate, um segundo conjunto de quatro missões com o resgate de helicóptero ao final é apresentado, finalizando o conteúdo do jogo. Pode parecer pouco, mas o nível de desafio vai crescendo junto com o número de tentativas em cada missão. São cerca de 7 horas de jogatina para finalizar a aventura com calma.

Conheça os veículos que podem ser pilotados pelo jogador em busca das licenças:
  • Light Plane
O mais simples e emocionante veículo aéreo: o avião. Nesse modo, o jogador tem o controle da direção do voo e potência do motor, sendo necessário percorrer rotas específicas marcadas pelos pontos vermelhos ou atravessar anéis. A maior dificuldade, em geral, é aterrissar com segurança.

  • Skydiving
Aqui, a adrenalina percorrerá suas veias quando o personagem pular do helicóptero, precisando manobrar seu corpo pelo ar para atravessar os anéis. Mas cuidado com o timing de abertura do paraquedas, pois pode ser tarde demais.

  • Rocketbelt
Já entrando em um campo de veículos que não são usados com frequência, a “mochila com foguetes” pode até ser o preferido de muitos, mas a dificuldade em seu controle é muito mais elevada. Além de comandar os propulsores em nível máximo e mínimo, o jogador deve orientá-los para atravessar os anéis que se movimentam.
 
  • Handglider
Finalizando as missões comuns está a asa-delta. Como não há propulsores, você precisará encontrar as correntes de ar quente ascendente para alcançar a altitude requerida antes de atingir o solo, além de atravessar os anéis que encontra pelo caminho. Os controles são fáceis durante o voo, mas a aterrissagem com certeza trará algumas dificuldades aos menos experientes.

  • Helicopter
Após a obtenção da licença, os seus tutores são capturados pelo EVIL Syndicate e, por questões políticas, os militares não podem ir ao resgate. Por isso, a missão cabe ao único piloto habilitado para tal: você!

Com controles bem mais complexos e metralhadoras inimigas tentando detê-lo, você precisará encontrar a base inimiga e aterrissar sem ser atingido para concluir a missão com sucesso. Toda a emoção é intensificada com a música tema composta pelo próprio Koji Kondo.

Adorado por muitos, a franquia ainda chegou a receber dois novos títulos: Pilotwings 64 (N64) e Pilotwings Resort (3DS), mas acabou não recebendo tanto destaque ou grandes lançamentos além disso. Afinal, já faz quase 30 anos que este jogo apareceu pela primeira vez.

Qual a sua melhor lembrança com essa obra-prima do Super Nintendo? Deixe nos comentários e vamos relembrar juntos.

Confira, logo abaixo, outras matérias dos jogos que integram o catálogo do Super Nintendo no Switch Online.
Revisão: Davi Sousa

Escreve para o Nintendo Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook