#SuperMario35: Um console, dois jogos de Super Mario

De modo a celebrar o aniversário do nosso querido encanador, selecionamos, para cada console da Nintendo, dois jogos indispensáveis do Mario.

Neste mês de setembro, comemoramos com muita alegria o aniversário de 35 anos de um personagem que, sem dúvidas, marcou a vida de muitos jogadores: o nosso querido Mario. Portanto, já que dizem por aí que recordar é viver, como forma de participar das comemorações, nós do Nintendo Blast resolvemos selecionar dois jogos do encanador e sua turma para cada console da Big N.


Do saudoso NES ao mais recente Switch, passando pelo Game Boy, buscamos escolher um jogo da série principal e — onde aplicável — um spin-off que absolutamente merecem ser jogados, configurando uma lista especial tanto para os veteranos da franquia quanto para os fãs mais novos do bigodudo. Sem mais delongas então, como o próprio Mario diria, here we go!

NES - Mario Bros. e Super Mario Bros. 3 

Iniciamos nossa matéria com o querido NES. Lançado em 1985 nas Américas (o lançamento japonês havia ocorrido dois anos antes), o sistema de entretenimento da Nintendo foi um dos grandes responsáveis por manter a indústria de videogames de pé após a fatídica crise ocorrida no início da década, e, além disso, terminou por consagrar a Big N como uma das gigantes do ramo até os dias de hoje com mais de 50 milhões de unidades vendidas — tradição a gente vê por aqui.

No que tange aos jogos especificamente, o NES recebeu ótimos títulos do Mario (incluindo o divisor de águas Super Mario Bros.), mas nossa seleção fica com Mario Bros. e Super Mario Bros. 3. Apesar do primeiro não ser um spin-off ao pé da letra, é o primeiro título estrelado de fato por nosso bigodudo favorito, que deve limpar os encanamentos nova-iorquinos ao lado de seu irmão Luigi em cenários cada vez mais complexos. Super Mario Bros. 3, por sua vez, é ainda hoje um dos melhores jogos de plataforma 2D de todos os tempos, superando as limitações técnicas do Nintendinho e encerrando a trilogia original com chave de ouro. Alguns fãs inclusive argumentam que este é o melhor jogo de Mario até hoje, e jogando é fácil entender o porquê. Indispensável.

SNES - Super Mario World e Super Mario Kart

Falar do Super Nintendo para mim é como falar de um velho amigo. Lançado em 1991 nas Américas, o sucessor do NES significou a entrada da Nintendo na geração 16-bit e marcou a vida de muitos jogadores — este que vos escreve incluso. Selecionar somente dois clássicos deste console nunca será uma tarefa fácil devido à qualidade da biblioteca do mesmo, mas ficamos aqui com Super Mario World e Super Mario Kart.

Sequência direta de Super Mario Bros. 3, Super Mario World expande as características de seu antecessor, com um mapa não-linear, muitos segredos e a estreia de nosso querido Yoshi. O resultado é um dos melhores jogos de todos os tempos e o favorito do próprio Shigeru Miyamoto. Super Mario Kart, por sua vez, representa a estreia de uma das franquias mais queridas pelos nintendistas. Vale a pena gastar horas nas copas e no excelente battle mode para 2 players do jogo.

Game Boy/Game Boy Color - Super Mario Land 2: 6 Golden Coins e Super Mario Bros. Deluxe

Talvez seja difícil dimensionar hoje, em uma sociedade dominada por smartphones e dispositivos portáteis, o impacto que o Game Boy e outros dispositivos portáteis tiveram na indústria de games como um todo. Não obstante, quem viveu a era dos tijolões (e de suas revisões como a Color) provavelmente se lembra de como era fantástico e futurista ter acesso aos mágicos jogos da Nintendo, como Pokémon e The Legend of Zelda, em qualquer lugar.

Nossas escolhas para os saudosos Game Boys são Super Mario Land 2: 6 Golden Coins e Super Mario Bros. Deluxe. A sequência do excelente (porém curto) Super Mario Land trouxe uma aventura com leves inspirações em Super Mario Bros. 3 para o console portátil e marcou a estreia do carismático anti-herói Wario, vendendo mais de dez milhões de cópias no processo. Super Mario Bros. Deluxe, por sua vez, apresentava o jogo original de 1985 para uma nova geração, com melhorias como a inclusão da sequência The Lost Levels e novos modos (sim, modos!) desbloqueáveis no processo.

Nintendo 64 - Super Mario 64 e Mario Tennis

Com mais de 30 milhões de unidades vendidas mundialmente, o Nintendo 64 foi o principal responsável por levar a Nintendo para a era 3D, e certamente marcou a vida de muitos jogadores no processo. Super Mario World foi fantástico, mas tente imaginar a surpresa dos fãs ao poderem controlar Mario livremente em Super Mario 64 poucos anos depois. A obra-prima que foi lançada junto do console foi tão mágica que até mesmo definiu como os jogos de plataforma se comportariam dali em diante.

Por essas e outras, Super Mario 64 é merecidamente uma de nossas escolhas para o Nintendo 64. A segunda trata-se de Mario Tennis, spin-off desenvolvido pela Camelot que colocava Mario e sua turma em partidas divertidíssimas de tênis. Uma curiosidade: caso você alguma vez tenha se perguntado o porquê do Waluigi aparecer com uma raquete em Super Smash Bros., é porque este é o título de estreia do carismático vilão — wahaha!

Game Boy Advance - Yoshi's Island: Super Mario Advance 3 e Mario & Luigi: Superstar Saga

Principal responsável por manter a saúde financeira da Nintendo mediante o desempenho do GameCube, o Game Boy Advance continuou o legado de seus antecessores e se destacou pela qualidade geral de sua biblioteca, que contemplou remakes e títulos novos com maestria. Até hoje é um dos consoles mais bem-sucedidos da Big N, com mais de 80 milhões de unidades comercializadas e inúmeros fãs mundo afora.

Embora não seja um título no qual você controla Mario diretamente, Yoshi’s Island: Super Mario Advance 3 merece a recomendação por ser um dos mais criativos jogos de plataforma 2D já criados e, além disso, esta versão do clássico de Super NES traz consigo (além de outras melhorias, como a voz do Yoshi) um remake do clássico e viciante Mario Bros. Por sua vez, Mario & Luigi: Superstar Saga dá início a uma das mais divertidas subséries envolvendo o encanador e, por sua boa mescla de trama leve e jogabilidade com elementos de RPG, merece ser conferido por todos.

Nintendo GameCube - Super Mario Sunshine e Paper Mario: The Thousand Year Door

De diversas formas, podemos entender o GameCube como um dos últimos consoles tradicionais da Nintendo — frente à crescente competição da Sony e da Microsoft e a baixa performance de seu produto principal no mercado, a Big N notou que precisava buscar uma estratégia diferente para os seus próximos consoles de mesa, algo que possui reflexos até hoje em sua filosofia institucional.

Porém, vendas à parte, a lancheirinha roxa da Nintendo fez jus ao seu legado e nos trouxe ótimos jogos, dignos da empresa japonesa. Embora não tão revolucionário como seu antecessor, Super Mario Sunshine é mais um excelente jogo de plataforma, enquanto Paper Mario: The Thousand Year Door é frequentemente tido pelos fãs como o melhor Paper Mario já criado. Enquanto não recebemos jogos do GameCube no Nintendo Switch Online (sonhar não custa), ao menos poderemos matar a saudade da Ilha Delfino em Super Mario 3D All-Stars (Switch).

Nintendo DS - New Super Mario Bros. e Mario Kart DS

Citado inicialmente como um “terceiro pilar”, que existiria ao lado do GameCube e do Game Boy Advance, o Nintendo DS significou, juntamente com o Nintendo Wii, uma mudança de paradigma da Big N. À época, saíam de cena o poderio gráfico e soluções convencionais para dar espaço para novas formas de jogar e foco na experiência em si — uma aposta visionária que se mostraria, com o tempo, mais do que acertada.

Nossas escolhas para o portátil de duas telas são New Super Mario Bros. e Mario Kart DS. O primeiro título significou a antecipada volta de Mario às suas raízes 2D, combinando nostalgia e novidade na medida certa para uma nova geração — os minigames inclusos por si só já valeriam o ingresso. Já Mario Kart DS é um marco da franquia tanto pelos oferecimentos single-player (destaque para a estreia das copas retrô e o excelente modo batalha, que pode ser jogado contra a CPU) quanto por ter sido à época um dos primeiros jogos a fazerem uso da Nintendo Wi-Fi Connection. Embora infelizmente não seja mais possível jogar online, o jogo continua excelente e merece ser experimentado.

Nintendo Wii - Super Mario Galaxy e Mario Strikers Charged

Talvez os fãs mais antigos se recordem que o codinome inicial do Nintendo Wii era Revolution, sinalizando desde o início a intenção da Nintendo de revolucionar o modo como interagíamos com os jogos e os consoles. Mais de 100 milhões de unidades vendidas e muitos Wii Remotes balançados depois, é possível dizer que o Wii não somente conseguiu esse fato, mas também cravou seu nome na história como um dos consoles mais acessíveis e diferenciados já produzidos por qualquer empresa. 

Ao longo de seus pouco mais de seis anos no mercado, o Wii recebeu inúmeros jogos marcantes, mas ficamos aqui com Super Mario Galaxy e Mario Strikers: Charged. Galaxy nasceu de um pedido pessoal do saudoso Satoru Iwata a Miyamoto, e demonstrou mais uma vez a genialidade do lendário designer. Por sua vez, Mario Strikers: Charged demonstra que não há esporte que não fique mais divertido quando Mario e sua turma entram em campo. A menção honrosa que por pouco não figura na lista é Super Mario Galaxy 2. Aliás, talvez possamos abrir uma exceção aqui: o recomendado mesmo é jogar os dois (Galaxy 1+2). Em sequência. Múltiplas vezes.

Nintendo 3DS - Super Mario 3D Land e New Super Mario Bros. 2

Nos aproximamos da geração atual com o Nintendo 3DS, que até pouco tempo atrás ainda recebia lançamentos conjuntos com o Switch. De modo similar ao que havia acontecido na época do GameCube e do Game Boy Advance, o Nintendo 3DS foi um dos grandes responsáveis por manter a Big N operacional frente às dificuldades enfrentadas pelo Wii U.

Porém, embora o sucessor do Nintendo DS tenha sido bem-sucedido, com mais de 70 milhões de unidades comercializadas segundo relatório deste ano, nem tudo foram flores no início: um lançamento tortuoso com um preço elevado exigiu atitudes rápidas por parte da Big N, que respondeu com um corte no preço e títulos exclusivos de peso. Dentre estes últimos, Super Mario 3D Land e New Super Mario Bros. 2 se destacam por representar de modo gracioso as duas vertentes principais (2D e 3D) de Mario. 3D Land, em especial, se sobressai por ser a primeira aventura em 3D do encanador desenvolvida especialmente para um dispositivo portátil, mas ambas valem a jogatina ainda hoje.

Nintendo Wii U - Super Mario 3D World e Mario Kart 8

Talvez o console mais injustiçado de todos os tempos, o Wii U teve uma vida curta no mercado devido a diversos fatores, dentre os quais a qualidade geral da sua biblioteca definitivamente não se encontra.

Super Mario 3D World e Mario Kart 8 são do tipo de títulos que valem a compra de um console: ambos expandem os conceitos introduzidos por seus antecessores e entregam versões definitivas em seus respectivos gêneros, necessitando serem jogados por qualquer fã que se preze. A boa notícia é que, caso você não tenha ou pretenda adquirir um Wii U, em breve será possível se aventurar com Cat Mario no Nintendo Switch também em Super Mario 3D World + Bowser’s Fury (Switch). Meow!

Nintendo Switch - Super Mario Odyssey e Super Mario Maker 2

E finalmente chegamos à geração atual, encabeçada pelo Nintendo Switch. O primeiro console híbrido da Nintendo unificou seus dois principais mercados, renovou a vocação natural da empresa para o multiplayer e, mesmo em pouco tempo de mercado, entregou diversos exclusivos de altíssima qualidade.

Com todo esse gabarito, fica um pouco difícil escolher somente dois títulos, mas ficamos com Super Mario Odyssey e Super Mario Maker 2. Talvez o melhor título 3D do bigodudo até hoje, Super Mario Odyssey é um jogo que lhe fará sorrir do início ao fim com a sua criatividade e inventividade. Super Mario Maker 2, por sua vez, é o que podemos chamar de uma sequência perfeita: não importa se você gosta de criar, jogar ou cooperar, aqui há algo para cada tipo de jogador. A definição de essencial.

E assim termina a nossa seleção de aniversário. O que acha, caro leitor? Concorda ou discorda com os títulos apresentados aqui? Qual seu título e console favorito? Não se esqueça de comentar!

Revisão: João Gabriel Haddad

é bacharel em Produção Cultural pela UFF e estudante de Comunicação Social pela FSMA. Na infância, ganhou um Super Nintendo dos pais e, desde então, nunca mais deixou o mundo dos games. Ainda sonha em ser um Mestre Pokémon.


Disqus
Facebook
Google