Meus jogos favoritos de 2023 — Lucas Oliveira

Os redatores do Nintendo Blast comentam os títulos que mais curtiram entre os lançamentos deste ano.

Estamos prestes a concluir um período que, sem dúvida, será lembrado como um dos anos mais notáveis na indústria dos videogames. Graças ao Nintendo Blast, esta temporada foi, provavelmente, aquela em que eu terminei mais jogos, abrangendo não apenas as novidades, mas também produções antigas que decidi revisitar.

Diante da desafiadora tarefa de escolher, venho compartilhar meus jogos favoritos de 2023. A lista segue a ordem cronológica dos lançamentos, contemplando apenas os títulos que explorei no Nintendo Switch e incluindo algumas menções honrosas que também me proporcionaram horas memoráveis de entretenimento.

Fire Emblem Engage

Minha iniciação na franquia Fire Emblem ocorreu apenas no 3DS. Embora eu ainda não tenha explorado a fundo as obras anteriores a Awakening e, consequentemente, não tenha sentido o impacto nostálgico da introdução de personagens mais antigos em Fire Emblem Engage, isso de modo algum reduziu a intensidade das envolventes batalhas táticas e da diversão proporcionada por este novo título da série. Outro RPG estratégico que também consumiu um bocado do meu tempo foi Front Mission 2: Remake.

Octopath Traveler 2

Apesar de alguns tropeços recentes, a Square Enix mantém-se como uma empresa excepcional na produção de RPGs, e Octopath Traveler 2 é mais um exemplo notável disso, oferecendo uma experiência ainda mais envolvente e cativante do que a do já excelente primeiro título.

Atelier Ryza 3: Alchemist of the End & the Secret Key

Atelier Ryza 3: Alchemist of the End & the Secret Key encerra de maneira sublime a jornada da adorável Reisalin Stout, apresentando vastas áreas de exploração com carregamentos mínimos e um sistema de combate por turnos extremamente dinâmico. A Gust também nos presenteou este ano com Atelier Marie Remake: The Alchemist of Salburg, um resgate agradável do primeiro título dessa longa série centrada em alquimia.

Melon Journey: Bittersweet Memories

Aventuras narrativas 2D sempre chamam minha atenção, e, para minha alegria, tivemos muitas produções desse tipo este ano. Melon Journey: Bittersweet Memories consegue abordar temas importantes com uma trama descontraída e muito bem-humorada. Ib, Decarnation e Little Goody Two Shoes também são obras incríveis dentro deste mesmo estilo.

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

The Legend of Zelda: Breath of the Wild foi o catalisador que me levou a adquirir um Nintendo Switch, e Tears of the Kingdom apenas intensificou minha satisfação com este console. A nova jornada de Link e Zelda amplia todos os méritos de seu antecessor, posicionando-se como uma das maiores e melhores obras que já tive o privilégio de desfrutar. Embora seja muito mais simples, ONI: Road to be the Mightiest Oni também é um jogo de ação e aventura que achei bastante interessante.

Story of Seasons: A Wonderful Life

O remake do simulador de fazenda da Marvelous pode não ser tão abrangente em mecânicas quanto alguns jogos mais recentes do gênero, mas sua abordagem única de envelhecimento dos personagens o transforma em uma obra singular e extremamente emotiva. Além dele, Rune Factory 3 Special e Silent Hope  são títulos da Marvelous que me renderam boas horas de gameplay.

Super Mario RPG

Mesmo não sendo um grande entusiasta dos jogos do bigodudo da Nintendo, devido à minha menor afinidade com games de plataforma, Legend of the Seven Stars fez parte da minha infância. Poder desfrutar novamente de Super Mario RPG em uma versão atualizada certamente foi um dos pontos altos deste ano. 

Dragon Quest Monsters: The Dark Prince

Que maneira mais empolgante de adentrar o último mês de um ano repleto de RPGs do que com um novo título de uma das franquias mais importantes do gênero? Dragon Quest Monsters: The Dark Prince aprimora as principais mecânicas de seus predecessores e apresenta uma trama envolvente centrada em um dos melhores antagonistas de toda a série principal.

Outer Wilds

Embora se trate de um relançamento e não de uma experiência nova, não pude deixar de incluir nesta lista um dos melhores jogos indies que já tive a oportunidade de conhecer. Outer Wilds leva ao pé da letra o conceito de liberdade na exploração em um mundo aberto, ou melhor, vários mundos, apresentando um impressionante sistema planetário composto por corpos celestes de comportamento único.

Ainda tem lição de casa para 2024

Apesar de ter explorado tantos títulos este ano, ainda há muitos lançamentos de 2023 que pretendo desfrutar no Switch ao longo de 2024. Alguns deles incluem: Astlibra Revision, Bayonetta Origins, Cassette Beasts, Fate/Samurai Remnant, Labyrinth of Galleria, Pikmin 4, Trinity Trigger e Void Terrarium 2.

Falando sobre as novidades do ano que vem, estou muito curioso com os seguintes jogos baseados em animes: Jujutsu Kaisen Cursed Clash; Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba — Sweep the Board e SPY×ANYA: Operation Memories.

Por fim, dentro do meu gênero favorito, estarei atento aos lançamentos de Persona 3 Reload, Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes e Unicorn Overlord. Além deles, caso os remasters de Suikoden I e II se concretizem no próximo ano, serão títulos que certamente darei um jeito de jogar, e o mesmo se aplica a Sand Land.

Boas Festas!

Quero expressar minha sincera gratidão a toda a equipe do Nintendo Blast pela preciosa oportunidade de compartilhar minhas experiências com vocês, estimados leitores. Espero que o próximo ano também seja repleto de momentos extraordinários e emocionantes para todos nós. Desejo a cada um de vocês ótimas festas!

Revisão: Juliana Paiva Zapparoli

Descobriu o amor por games com Pokémon Crystal no Game Boy Color, desde então, joga todo tipo de coisa em todo tipo de console.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google