Meus jogos favoritos de 2022 – Beto Ferreira

Os redatores do Nintendo Blast falam sobre os títulos que mais curtiram entre os lançamentos deste ano.


Fim de ano na área, momento de descansar e de fazer uma retrospectiva do que aconteceu ao longo desses doze loucos meses. Meu Switch está cada vez menos meu e mais dos meus filhos, como o Year in Review 2022 disponibilizado pela Nintendo me mostra.


Ainda assim, na pequena parte que me cabe neste latifúndio, tive boas e inesperadas experiências. Dentre os títulos lançados este ano e que pude experimentar, meus favoritos foram:

Para um gamer velho de guerra como eu, que começou a jogar na distante década de 1980, Atari é um nome especial. Se para a atual geração talvez a companhia não signifique muita coisa, para mim foi sinônimo de videogame por muito tempo, antes de Sega e Nintendo dominarem o mercado e Sony e Microsoft sequer pensarem em entrar nessa indústria.

Atari 50 celebra o meio século da empresa de um jeito que nunca havia visto: um misto muito bem equilibrado de jogos e documentários, criando um museu interativo disponível na palma da mão. É possível curtir clássicos como Adventure, o primeiro game com easter egg de que se tem notícia, acessar documentos, vídeos com depoimentos dos criadores e muitas curiosidades. E ainda há títulos inéditos, que reimaginam e atualizam jogos de sucesso. Para quem sabe inglês, é praticamente perfeito.

Outro produto com gostinho de infância. A produtora Dotemu fez um beat ‘em up incrível, com referências às HQs, à animação dos anos 1990 e aos jogos que fizeram sucesso no Super Nintendo e nos arcades.

Além da nostalgia, o multiplayer é outro destaque, com jogabilidade precisa. O humor é cativante e os extras garantem o fator replay. As Tartarugas Ninja foram as únicas que me fizeram dar uma nota 10 em 2022.

Parece que a nostalgia foi um tema recorrente em 2022. Minha adolescência como fanboy da Sega voltou à tona com esta coletânea reunindo a fase clássica do ouriço azul, com todos os títulos da série principal lançados para Mega Drive e Sega CD.

São, de fato, os jogos de Sonic com os quais mais me diverti na vida. Eu não revisitava Sonic 3 & Knuckles desde a edição original no console de 16 Bits da empresa e foi a primeira vez que joguei o tão falado Sonic CD. Encontrar tudo isso amarrado em uma única história através de cutscenes bem produzidas foi muito bom, apesar das falhas técnicas.

O que aconteceria se Contra cruzasse com filmes trash dos anos 1980 e nascesse um filhote bem-humorado? Spidersaurs é um deliciosamente bizarro e divertido run and gun produzido pela WayForward, responsável pelo sucesso indie Shantae (Multi).

O jogo é muito bonito e os personagens parecem saídos diretamente de uma animação. A possibilidade de equipar duas armas oferece a oportunidade de traçar diferentes estratégias, assim como jogar com cada um dos protagonistas oferece experiências distintas. Vale a curta jornada.

A modernização de um clássico. Eternal Battle poderia ser apenas a introdução de Arkanoid no gênero battle royale, tão popular nos últimos anos. Porém, os franceses do Pastagames – responsáveis pelo belíssimo port de Rayman Legends (Switch) – foram além, oferecendo outros modos de jogo.

É possível jogá-lo tanto no estilo original quanto repaginado para o século XXI, e as duas formas são excelentes e acessíveis. Ainda há um modo Versus para até quatro jogadores muito bem implementado. O rei do gênero block breaker mantém sua majestade.

Menções honrosas


Alguns outros títulos me divertiram bastante, até inesperadamente. As corridas de Smurfs Kart, os microgames frenéticos de Atari Mania e as tacadas de MLB The Show 22 foram surpreendentemente cativantes e agradáveis.

Dentre os games brasileiros, que sempre faço questão de prestigiar, meu destaque vai para Kukoos: Lost Pets. Esse jogo em plataforma 3D saiu no finalzinho do ano e, talvez por isso, recebeu menos atenção do que outros excelentes títulos brazucas, como Hazel Sky (Switch). A dublagem e a variedade das mecânicas são muito boas, os personagens são fofinhos e carismáticos e o visual parece uma animação. Vale conferir.

Já um jogo em que a expectativa talvez tenha sido alta demais, traindo minha percepção do produto final, foi Aztech: Forgotten Gods. O título entrou no meu radar por abordar a cultura e a mitologia asteca como trama central, mas a execução me decepcionou. Como nosso site irmão GameBlast publicou uma análise com outra perspectiva, vou dar um tempo para revisitar o game com mais calma.

Reflexões de fim de ano

Comecei e terminei o texto falando sobre retrospectiva, pois considero importante tirar um momento para parar e refletir, criando assim oportunidades para rever conceitos e ampliar horizontes. Isso vale não só para os games, mas para tudo na vida. Feliz 2023 para nós!
Um bom jeito de ampliar os horizontes é conferir outros pontos de vista. Confira os títulos selecionados pelos outros redatores da nossa equipe:
Ivanir Ignacchitti
Karina Morais
Vítor M. Costa
Juliana Paiva Zapparoli
Eduardo Comerlato
Revisão: João Pedro Boaventura

Nascido no mesmo dia que Manoel Bandeira (mas com alguns anos de distância), perdido em Angra dos Reis (dos pobres e dos bobos da corte também), sob a influência da MPB, do rock e de coisas esquisitas como a Björk. Professor de história, acostumado a estar à margem de tudo e de todos por ser fora de moda. Gamer velho de guerra, comecei no Atari e até hoje não largo os mascotes - antes rivais - Mario e Sonic.
Este texto não representa a opinião do Nintendo Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google